Orangotango Albino Extremamente Raro Encontrado na Indonésia

A fundação que está incumbida de cuidar desde primata até que ele volte a ficar saudável informa que nunca antes trataram de nenhum orangotango albino e que também nunca foi avistado nenhum em estado selvagem. quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Conheça um Raro Orangotango Albino, Resgatado Recentemente
Conheça um Raro Orangotango Albino, Resgatado Recentemente

Um orangotango albino raro foi salvo, no princípio deste mês, numa vila da Indonésia, onde estava preso numa jaula.

O orangotango de cinco anos de idade, que foi resgatado do distrito de Kapuas Hulu, no Bornéu, está a recuperar bastante bem e já ganhou quatro quilos e meio em duas semanas.

Segundo o The Telegraph, o primata está a cargo da Borneo Orangutan Survival Foundation. Os orangotangos são uma espécie em sério risco de extinção, estão, aliás, a apenas um passo da extinção, e a esta fundação é responsável por cuidar de cerca de 500 indivíduos. A fundação declarou que, em 25 anos de funcionamento, nunca antes tinha tido um orangotango albino no seu centro de reabilitação.

A fundação lançou uma campanha internacional onde pedia ao mundo inteiro sugestões  para o nome do orangotango. O nome escolhido foi “Alba”, que em latim significa “branco” e em castelhano designa “amanhecer”.

“Espera-se um novo amanhecer para estes animais preciosos”, podemos ler no comunicado da fundação ao The Jacarta Post.

VEJA IMAGENS DE UMA GIRAFA BRANCA RARA E OUTROS ANIMAIS PÁLIDOS INVULGARES

O pelo longo dos orangotangos do Bornéu tem uma cor ocre, e são criaturas conhecidas por serem muito inteligentes. Os orangotangos albinos são extremamente raros, apesar de serem conhecidas ocorrências de outros primatas albinos, como, por exemplo, Floco de Neve, um gorila albino e também um macaco-aranha, nas Honduras.

O jornal The Jakarta Post informa que a fundação está a estudar de perto o albinismo nos símios para determinar qual a melhor forma de ajudar Alba. Eles nunca encontraram outros exemplos desta condição genética em orangotangos, e sabe-se que o albinismo pode afetar nervos sensitivos e órgãos, como os olhos. Segundo um estudo publicado pela SciELO Argentina, o albinismo pode ocorrer mais frequentemente em primatas e outras espécies vertebradas devido a stress ambiental e a consanguinidade, fator que se verifica em populações isoladas.

A União Internacional para a Conservação da Natureza estima que cerca de 104 mil orangotangos vivam no Bornéu, um número bastante mais baixo do que o que se estimava encontrar na ilha em 1973, quando se presumia que existissem cerca de 288 mil indivíduos. A UICN prevê que o número de indivíduos da população do orangotangos continue a diminuir, atingindo os 47 mil, no ano de 2025, por culpa da caça e da perda de habitat, com o flagelo da desflorestação.

Continuar a Ler