Animais

Orcas Trucidam Baleia em Vídeo Chocante

Um drone registou estas imagens raras ao largo da península russa de Kamchatka.Thursday, November 9, 2017

Por Maria Antonova

Quando um barco cheio de cientistas e turistas se cruzou recentemente com várias orcas que estavam a atacar uma baleia-anã ao largo da península russa de Kamchatka, todos se aperceberam de que estavam com sorte.

Era não só uma oportunidade de testemunhar de perto este fenómeno pouco visto, mas também de gravar (por meio de um microfone subaquático) os chamamentos raramente ouvidos que estes mamíferos carnívoros fazem depois da matança. Além do microfone, os cientistas usaram um drone, que lhes proporcionou uma visão aérea do ataque pouco habitual.

As orcas perseguiram a baleia durante muito tempo e o drone já estava no ar quando esta praticamente deixou de opor resistência — estava cansada, mas continuava a respingar água do espiráculo”, diz Inessa Yuryeva, coordenadora da Team Trip, uma parceria entre o Projeto Russo sobre Orcas do Extremo Oriente e a empresa de passeios turísticos Kosatka Cruises. Mikhail Korostelev, responsável pela filmagem, é o fundador da Team Trip, uma organização de turismo de aventura que ajuda a financiar a investigação sobre orcas que não é habitualmente coberta pelos institutos científicos da Rússia.

Estavam todos muito entusiasmados. Claro que foi horrível ver a baleia a sofrer, mas é a natureza, e foi magnífico vermos de perto algo tão raro como uma orca a caçar”, afirmou Yuryeva.

As orcas são os únicos cetáceos predadores universais, capazes de subsistir com base em peixes e outros mamíferos, incluindo golfinhos e baleias. Em geral, as orcas residentes — aquelas que vivem nos mesmo lugar o ano inteiro — comem peixe e lulas, ao passo que as orcas migratórias, o tipo mais raro, caçam presas maiores.

Por exemplo, existem 800 orcas que comem peixe em Kamchatka e apenas cerca de 200 [que comem mamíferos] em todo o extremo oriente russo. Estes dois tipos de orcas não acasalam entre si e têm estruturas sociais diferentes, e as orcas residentes com maior raio de ação têm uma inteligência maior, necessária para caçar outros mamíferos marinhos inteligentes. (A surpreendente razão por que orcas atacaram esta baleia-azul.)

As orcas caçadoras de mamíferos são também a razão para a assustadora alcunha de “baleias assassinas”.

“A PARTE MAIS SABOROSA”

As famílias de orcas migratórias, constituídas por até cinco elementos, trabalham em conjunto para caçar mamíferos grandes, perseguindo-os e empurrando-os para baixo até que se afoguem.

O mais provável é que o grupo de orcas do vídeo seja formado por duas famílias, compostas por adultos e jovens, diz Tatiana Ivkovich, uma bióloga marinha do projeto sobre as orcas do extremo oriente que testemunhou o encontro.

BALEIAS ASSASSINAS CONTRA BALEIA-ANÃ

“Matar uma baleia é muito difícil e exige muita energia, mas as orcas podem fazê-lo se cooperarem. E a baleia é grande, pelo que dá comida para todos.”

As orcas começaram pela língua da baleia-anã, “a parte mais saborosa”, diz Ivkovich.

“Mas as nossas orcas comeram outras partes da baleia, estiveram a arrancar partes da baleia durante muito tempo e só deixaram a barbatana dorsal para trás.”

Para identificar baleias assassinas, os cientistas observam a barbatana dorsal e fragmentos do lombo atrás da barbatana, que diferem em tamanho e forma de um animal para o outro.   

De acordo com Ivkovich, os cientistas nunca tinham visto este grupo em particular. “O mais provável é que tenha sido a primeira vez que nos encontrámos com eles.”

CHAMAMENTO DAS BALEIAS

As orcas fazem chamamentos, silvos e cliques, o último dos quais as ajuda no seu sentido de ecolocalização, ou biosonar, que lhes permite ter uma perceção daquilo que as rodeia. Os grupos de orcas têm dialetos próprios, que passam de geração em geração e ajudam estes animais a localizar os membros da família.

O estudo destes sons permite aos investigadores analisar as estruturas familiares e sociais destes animais, que estão entre as mais complexas de todos os mamíferos.

Mas, devido aos seus métodos dissimulados de caça, as orcas migratórias não são muito comunicativas.

“As orcas que comem mamíferos estão em silêncio na maior parte do tempo e fazem chamamentos depois da caçada, pelo que o seu comportamento acústico é menos estudado do que o das orcas que comem peixes”, diz Ivkovich.

Mas as orcas que mataram a baleia-anã fizeram chamamentos e ecolocalização durante pelo menos duas horas, para alegria dos cientistas. (Saiba mais sobre Como a Morte de Orcas em Frente a Turistas Pode Levar ao Fim da sua Caça)

A equipa planeia continuar a analisar os sons recolhidos, mas os resultados preliminares mostram que estas orcas migratórias comunicam tanto como um grupo de orcas residentes.

Continuar a Ler