Animais

Porque É Que as Baleias São Tão Grandes? A Ciência Pode Ter Uma Resposta.

Os mamíferos marinhos evoluíram para tamanhos grandes por uma razão e não é aquela que esperávamos. Segunda-feira, 9 Abril

Por Carrie Arnold

Os mamíferos terrestres podem alcançar um tamanho razoavelmente grande, mas, para encontrar os verdadeiros gigantes do planeta, terá de mergulhar nas profundezas dos oceanos.

Num estudo recente, os cientistas explicam as razões. Os mamíferos marinhos “têm de encontrar um meio termo entre obter alimento suficiente e gerar calor corporal suficiente,” diz William Gearty, um ecologista da Universidade de Stanford.

Antigamente, os investigadores acreditavam que as grandes dimensões dos mamíferos marinhos se deviam à flutuabilidade da água, que os libertava das limitações da gravidade. Embora esta liberdade possa ainda ser um fator, Gearty afirma que os resultados do estudo indicam que os mamíferos marinhos precisam do seu peso para se manterem quentes nas águas, muitas vezes frias, dos oceanos.

"Estes animais são grandes por razões específicas. Não se trata de poder ser grande, mas, sim, ter de ser grande,” afirma.

Quanto Maior, Melhor?

Gearty e os seus colegas desenvolveram vários modelos informáticos de análise de fatores associados à dimensão e identificaram dois que convergiam na definição do tamanho dos mamíferos aquáticos. Relativamente ao primeiro fator, concluiu-se que os mamíferos têm de ser grandes para reter o calor do corpo em quantidade suficiente.  Os mamíferos de grande porte também perdem menos calor corporal para as águas circundantes, o que lhes dá vantagem sobre os seus semelhantes de menor dimensão, segundo os modelos, publicados em Proceedings of the National Academy of Sciences.

Sendo maiores, estes mamíferos precisam de mais alimento para suportar o seu volume, criando o segundo fator no modelo informático de Gearty. Os mamíferos de grande porte podem reter melhor o calor, mas, se não conseguirem obter alimento suficiente para assegurar o funcionamento do seu metabolismo, o tamanho torna-se irrelevante.

A dimensão do corpo é uma das características mais importantes no estudo dos animais, segundo Chris Venditti, um biólogo evolucionista da Universidade de Reading, em Inglaterra, que não participou no novo estudo.

"Se há alguma coisa a medir num animal, deverá ser o seu tamanho, exatamente porque essa característica está relacionada com tantas outras,” afirma Venditti. “Se soubermos o quão grande um animal é, provavelmente, saberemos algo mais sobre a forma como se desloca e o seu metabolismo.”

Testar a Gravidade

Nos últimos cinco anos, os cientistas encontraram evidências que indicam que, com o tempo, a evolução das famílias de mamíferos tem tendência a apresentar corpos maiores. Animais mais volumosos têm maior capacidade para afirmar a sua supremacia sobre os rivais, quando se trata de acasalar, de obter alimento e outros recursos, assim como gozam de maior vantagem no acesso a uma diversidade de alimentos. 

Os mamíferos terrestres estão limitados pela gravidade. Precisam de ossos e vasos sanguíneos fortes para suportar o volume de um corpo, ao mesmo tempo que asseguram a mobilidade — não é pera doce, quando o marcador da balança atinge as várias toneladas, como no caso do elefante.

Inicialmente, quando Gearty começou a estudar os fatores que afetavam o tamanho do corpo dos mamíferos marinhos, pensou que a supressão da gravidade seria, simplesmente, um entrave.

Em vez disso, os dados mostraram-lhe que o tamanho mínimo dos mamíferos marinhos era mil vezes maior do que os mamíferos terrestres mais pequenos. No entanto, o tamanho máximo era apenas 25 vezes maior, o que significava que algo deveria estar a forçar o crescimento dos mamíferos marinhos.

Os cientistas ainda não decifraram, por completo, o mistério daquilo que determina o tamanho do corpo dos animais, diz Vendetti, mas isso não impediu que a vida evoluísse numa multiplicidade de formas e tamanhos para que cada uma ocupasse o seu nicho.

Visualize, em baixo, uma série de fotografias de baleias captadas pelos fotógrafos da National Geographic.

Continuar a Ler