Animais

Será que o Seu Gato o Prefere a Si ou à Comida?

O estereótipo dos gatos como animais reservados e distantes é um dos muitos mitos em torno destes felinos.Tuesday, May 22, 2018

Por Liz Langley
Uma tigela de leite não é uma boa opção na dieta alimentar do seu gatinho, dizem os especialistas.

Os gatos são autênticas celebridades no mundo virtual, e é, por isso, natural que se teçam todo o tipo de considerações em torno destes animais.

Hoje, o nosso propósito centra-se na desconstrução da mística que envolve este felino de pequeno porte, desde a sua notória independência à sua tendência para ir além da caixa.

OS GATOS ATERRAM SEMPRE DE PÉ?

Não. Os gatos podem magoar-se seriamente na sequência de uma queda, mas há aqui, literalmente, um pequeno desvio, que pode estar na origem desta sua reputação.  

Quanto os gatos caem, há um mecanismo no ouvido interno que induz a rotação da cabeça, do pescoço e da espinha dorsal para uma posição que os ajuda a aterrar de pé.

DEVEM BEBER UMA TIGELA DE LEITE?

Os gatos podem adorar as natas, mas as natas não gostam dos gatos.

“Os gatos são, na verdade, carnívoros e o seu aparelho digestivo não digere a lactose tão bem quanto seria desejável”, afirma Kelly Ballantyne, veterinária e professora assistente na Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade de Illinois.

Um pedacinho de queijo ou iogurte é suficiente, se estiver a treinar o seu gato, mas é melhor “dar preferência à carne cozinhada”. Por falar em treino…

UM GATO PODE SER TREINADO?

Sim, pode. Apenas tem de saber aliciá-lo com a coisa certa.

A forma como o seu gato perceciona a recompensa, seja ela “um alimento, o brinquedo preferido ou a interação humana”, é a chave, afirma Kristyn Vitale, doutoranda na Universidade Pública de Oregon.

Afinal de contas, se “fôssemos pagos em milho, rapidamente deixaríamos de trabalhar”, graceja Vitale.

Ballantyne sugere, numa fase inicial, sessões de treino de curta duração, com menos de um minuto. À medida que o animal comece a revelar prazer na atividade, talvez seja possível prolongar as sessões.

ver galeria

GATOS CASTRADOS NÃO MARCAM TERRITÓRIO… CORRETO?

A castração ou a ausência de sexo pode afetar a marcação de território em 90%. Ainda assim, os animais de ambos os sexos, sujeitos a procedimentos cirúrgicos que se relacionem com a sua sexualidade, continuam a conseguir marcar território.

"A marcação de território com urina é um comportamento felídeo comum”, afirma Terry Curtis, uma veterinária especialista em comportamentos na Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade da Flórida.

OS GATOS ZANGAM-SE SE URINAREM FORA DA CAIXA DE AREIA?

Urinar fora da caixa, e sem quaisquer segundas leituras, é o primeiro comportamento que leva os donos a abandonar os gatos nos centros de acolhimento para animais.

A boa notícia é que, geralmente, os gatos “respondem muito bem ao tratamento para evitar sujar os pavimentos domésticos”, afirma Ballantyne.

Primeiro, exclua a possibilidade de uma condição clínica com o veterinário do seu gato. Se o animal aparenta estar fisicamente bem, o problema pode estar na própria caixa de areia, como a limpeza por exemplo, ou com o local ou por via da associação com determinados acontecimentos que tenham perturbado o animal.

Seja qual for a razão, o comportamento é mais uma manifestação de medo do que de maldade e poderá ser necessária alguma paciência para identificar a causa do problema.

OS GATOS QUEREM ESTAR SOZINHOS?

Dizer que todos os gatos são distantes é uma generalização injusta, afirma Vitale.

Tal como nós, humanos, alguns felinos são muito sociáveis, ao contrário de outros. Há também a alternância entre estados, que dependem do ambiente no qual se insere o animal e da forma como foi cuidado e treinado.

“Se acha que o seu gato não é sociável, talvez não interaja com ele tanto quanto seria desejável. A vertente social de um gato pode estar menos desenvolvida, se lhe tiverem sido dadas poucas ou nenhumas oportunidades de interação.”

Num estudo de 2017, por exemplo, Vitale e os seus colegas descobriram que a maioria dos gatos “preferia interagir com uma pessoa desconhecida a comer o alimento preferido, brincar com o brinquedo de eleição ou cheirar o aroma favorito”.

Isto já para não falar que muitos gatos sofrem de uma inevitável e injusta comparação… Quem é que não parece distante ao pé do cachorro da família?

Continuar a Ler