Lições do Crocodilo de Tentúgal

O que pode Portugal ensinar ao mundo, depois de mais uma enorme descoberta? Conheça o Crocodilo de Tentúgal.

Publicado 11/02/2019, 15:11 WET, Atualizado 5/11/2020, 06:02 WET
Descoberto o crocodilo mais antigo do mundo, em Tentúgal.
Descoberto o crocodilo mais antigo do mundo, em Tentúgal.
Fotografia de Universidade Nova de Lisboa.

Mais um fóssil importantíssimo foi descoberto em Portugal, e desta vez de um crocodilo, o maior do Mundo. E, até à data, o mais antigo.

Até agora, pensava-se que os crocodilos mais antigos tinham surgido há 75 milhões de anos. A descoberta de um crânio e uma mandíbula de crocodilo com 95 milhões de anos, perto de Tentúgal, vem mudar a visão sobre a origem dos crocodilos. Afinal, surgiram na Terra 20 milhões de anos mais cedo do que se supunha.

CONTEXTUALIZEMOS OS CROCODILOS

Apesar de se referir à ordem Crocodilya como crocodillos, os verdadeiros crocodilos pertencem na verdade à família Crocodylidae. A ordem Crocodilya engloba mais répteis do que os crocodilos, incluindo os aligátores, caimões ou jacarés (ambos da família Alligatoridae) e os gaviais (da família Gavialidae).

Pensava-se que a ordem Crocodilya tivesse evoluído há cerca de 75 milhões de anos, situando-se assim no Cretáceo Superior. O grupo de répteis chamado de Falso Crocodilo, Pseudosuchia é bem mais antigo, recuando uns 240 milhões de anos, ao Triássico – sim, ao período onde apareceram os primeiros dinossauros.

No entanto, esta noção, a da antiguidade e origem da ordem Crocodilya, estaria prestes a mudar. Para compreendermos, precisamos de recuar cerca de 16 anos, ao Baixo-Mondego.

Investigadores que publicaram o artigo em Zoologic Journal of the Linnean Society.
Fotografia de Universidade Nova de Lisboa.

DESCOBERTA FASCINANTE EM COIMBRA

Em 2003 uma jovem estudante de mestrado, agora geóloga e professora, Matilde Azenha fazia uma tese de mestrado sobre a importância das aulas de campo na aprendizagem. E, em pleno estudo, encontrou um fóssil perto de Tentúgal, Casal dos Carecos.

A geóloga em formação encontrou, há 16 anos, parte de um crânio e de um osso de uma mandíbula inferior, de um animal que parecia ser um crocodilo, encerrado numa rocha. Nada de fascinante, até aqui? Estão enganados.

Pedaço de crânio do crocodilo de Tentúgal.
Fotografia de Universidade Nova de Lisboa.

Este fóssil tinha duas coisas impressionantes: a idade, 95 milhões de anos, e uma abertura no osso da mandíbula. E aqui é tudo se torna mais interessante. Para serem classificados de crocodilos, e não crocodilomorfos – répteis parecidos com crocodilos -os répteis teriam de ter uma abertura no osso da mandíbula.

E para que servia este “buraco”? Provavelmente para acomodar uma passagem de músculos, nervos e artérias, que faria destes crocodilos mais bem sucedidos no cenário da evolução. Muito provavelmente, sem esta mandíbula especial, os crocodilos não teriam chegado aos dias de hoje.

Assim, o crocodilo de Tentúgal, mais tarde batizado como Portugalosuchus azenhae numa clara menção a Portugal, e homenagem à descobridora Matilde Azenha, seria pertencente à Crocodilya. No entanto, esta nova espécie desafiava aquilo que os cientistas pensavam: talvez os crocodilos tenham surgido antes do que se pensava.

 

Crânio e mandíbula do Crocodilo de Tentúgal.
Fotografia de Universidade Nova de Lisboa.

IMPLICAÇÕES E LIÇÕES DO CROCODILO DE TENTÚGAL

Depois de, a 6 de Dezembro de 2018, um artigo ter sido publicado no Zoologic Journal of the Linnean Society pelos investigadores Octávio Mateus e Eduardo Puértolas-Pascual da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, e Pedro Callapez da Universidade de Coimbra, foi aceite que este Portugalosuchus azenhae, o crocodilo de Tentúgal, representaria o membro mais antigo da ordem Crocodilya.

Significa também que esta ordem será cerca de 20 milhões de anos mais antiga do que se pensava. Mas não só. A descoberta do fóssil do crocodilo de Tentúgal vem cobrir uma falta que existia nos registos fósseis deste tipo entre o Barremiano (entre 125 e 129.4 milhões de anos) do Cretáceo Inferior e o Cenomaniano (entre 93.9 e 100.5 milhões de anos) do Cretáceo Superior. Além disso, esta descoberta parece sugerir que, de alguma forma, a origem da Crocodilya pode ter tido lugar na Europa.

Crânio do crocodilo de Tentúgal.
Fotografia de Universidade Nova de Lisboa.

QUAL O DESTINO DO CROCODILO DE TENTÚGAL?

O crocodilo mais famoso do momento, o crocodilo de Tentúgal, irá em breve integrar a coleção do Museu da Lourinhã, para que todos possam apreciar esta descoberta.

E se estiver esquecido, a Lourinhã é casa de uma formação geológica, a formação da Lourinhã, riquíssima em fauna fóssil - sobretudo de dinossauros, com ossos, pegadas e ovos.

De qualquer forma, o crocodilo de Tentúgal é, sem dúvida alguma, um dos mais recentes membros dos mais importantes fósseis de Portugal.

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registrar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados