Animais

Veja Orangotangos, Jaguares e Outros Animais da Selva no seu Habitat Natural

Com a desflorestação a ceifar terras pelo mundo inteiro, muitos animais da selva lutam para sobreviver.Friday, May 3, 2019

Por Natasha Daly
ver galeria

Em 2018, um estudo detalhado revelou a dura realidade dos orangotangos: Desde 1999, perdemos cerca de metade da sua população. Falamos de 150.000 orangotangos, desaparecidos das selvas do Bornéu e de Sumatra – o seu único habitat.

Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza, a autoridade mundial sobre o estado de conservação das espécies, os orangotangos estão classificados como espécie em perigo crítico de extinção. Estes mamíferos, que habitam nas copas das árvores, são uma das dezenas de espécies da selva, incluindo o tigre de Sumatra e os loris javaneses, que partilham essa triste distinção: as suas populações diminuíram tanto que enfrentam uma séria ameaça de extinção na natureza.

Uma das principais razões: Os animais da selva estão a perder os seus lares. Durante o ano de 2017, a Terra perdeu 15 milhões de metros quadrados de cobertura de árvores tropicais – uma área total do tamanho do Bangladesh, de acordo com um estudo publicado pela World Resources Institute, uma organização de investigação sedeada em Washington D.C. Os desastres naturais, como furacões e incêndios florestais, também desempenharam um papel, mas o desmatamento para fins agrícolas é o principal fator de desflorestação em grande escala, conclui o estudo.

Até agora, a floresta tropical da Amazónia foi a que mais sofreu. Nos últimos 50 anos, 17% de toda a floresta amazónica foi destruída, na sua maioria para criar terrenos de pasto para gado, de acordo com os investigadores da Escola de Silvicultura e Estudos Ambientais de Yale. Os animais afetados por essa diminuição de habitat vão desde o macaco-aranha-de-cara-branca ao jaguar.

Do outro lado do mundo, no Sudeste Asiático, têm sido destruídas vastas extensões de floresta, no Bornéu e em Sumatra, para o cultivo de óleo de palma – utilizado na gastronomia e numa variedade de produtos cosméticos.

Para um animal como o orangotango, que passa a maior parte do seu tempo nas copas das árvores, num habitat muito estreito, a desflorestação é devastadora. Como se isso não bastasse, os orangotangos têm ciclos de reprodução muito lentos. As fêmeas dão à luz uma vez em cada 8 anos, dificultando o aumento da população, mesmo em condições ideais. 

Os orangotangos e outros animais da selva também enfrentam as ameaças da caça furtiva. Enquanto a terra é desmatada, são construídas estradas e caminhos através das florestas tropicais, facilitando o acesso dos caçadores ilegais à vida selvagem. Muitos animais são mortos por comida ou partes do corpo, ou são capturados para o comércio de animais de estimação, como a arara-de-garganta-azul, na Amazónia boliviana. Esta ave está em perigo crítico de extinção; existem apenas algumas centenas na natureza. O governo boliviano tem colaborado com diversos grupos de conservação da natureza para garantir uma proteção contínua dos seus locais de nidificação.

Uma dessas organizações sem fins lucrativos, chamada Armonía, que visa a conservação da ave boliviana, tem feito esforços para mitigar a procura local por penas de arara-de-garganta-azul, que são tradicionalmente usadas em adornos cerimoniais. O grupo organizou diversas sessões educacionais na comunidade Moxeño (na zona centro-norte da Bolívia, perto do habitat das araras) sobre os perigos enfrentados pela ave. O grupo também tem colaborado com a comunidade no desenvolvimento de penas sintéticas amigas do ambiente, e a Armonía estima que, em conjunto com os Moxeño, tenham poupado mais de 6000 araras de 4 espécies diferentes, que de outra forma teriam sido caçadas ilegalmente pelas suas penas, para adornos cerimoniais.

Eis as fotografias de 13 animais da selva que lutam para sobreviver nas florestas cada vez mais raras de todo o mundo.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com
 

Continuar a Ler