Animais

Cabras Percebem Emoções de Outras Pelas Vozes

Novas pesquisas revelam que as cabras conseguem discernir alterações emocionais subtis nos balidos de outras cabras, aumentado assim a nossa compreensão sobre a forma como os animais sentem o mundo à sua volta.Tuesday, July 30, 2019

Por Natasha Daly
As cabras são animais sociais e inteligentes. Um novo estudo revela que as cabras conseguem distinguir entre a felicidade e o descontentamento de outras cabras pelos sons que emitem.

A forma como os animais percebem o mundo que os rodeia ainda é um mistério com muitas pontas soltas.

E isto também se aplica a animais sociais e inteligentes, como as cabras, cujo carisma inspirou todo um subgénero no YouTube: com centenas de vídeos que destacam os momentos divertidos das cabras e que conquistaram milhões de visualizações. Santuários como o Goats of Anarchy, que cuidam de cabras negligenciadas, têm centenas de milhares de seguidores no Instagram.

Antropomorfizar estes animais expressivos pode ser tentador. Mas na verdade, sabemos muito pouco sobre o que – ou como – estes animais não-humanos pensam e sentem. No entanto, a nossa compreensão sobre a cognição dos animais começa lentamente a aumentar.

Um novo estudo publicado na Frontiers in Zoology, no dia 10 de julho, confirmou que as cabras conseguem distinguir entre a felicidade ou o descontentamento de outras cabras pelos seus balidos. Por outras palavras, conseguem dizer umas às outras como se sentem. Esta descoberta traz implicações potenciais sobre a forma como as cabras em cativeiro – mantidas pela sua carne, leite, lã ou para companhia – são tratadas.

Ao nível mais básico, diz Luigi Baciadonna, principal autor do estudo, isto revela que "as cabras estão cientes do ambiente onde vivem" – juntando-se assim às fileiras de cavalos, primatas, ovelhas e outros animais não-humanos capazes de compreender as emoções da sua espécie.

Os investigadores envolvidos neste estudo já tinham chegado à conclusão que as cabras conseguem expressar emoções através das suas vozes. Depois, uma equipa maior decidiu explorar se as cabras conseguem perceber as emoções umas das outras. "Se não estudarmos o efeito das emoções nos outros, estamos a perder um aspeto social importante", diz Luigi Baciadonna, assistente de investigação de pós-doutoramento na Universidade Queen Mary de Londres.

O grupo trabalhou com 24 cabras no Buttercups Sanctuary for Goats, em Kent, Inglaterra, que resgata cabras abandonadas e maltratadas no sudeste do país.

Teste auditivo
Os investigadores gravaram balidos individuais feitos pelas cabras enquanto expressavam felicidade – ao serem abordadas com comida – e enquanto expressavam uma leve frustração – por ficarem isoladas do rebanho durante cinco minutos, ou por assistirem a outras cabras a comer sem serem capazes de alcançar a comida.

Depois, equiparam as cabras com monitores cardíacos a colocaram-nas a ouvir as vocalizações gravadas. A equipa descobriu que as cabras ficavam mais atentas quando as emoções nas vocalizações mudavam, indicando que conseguem discernir as diferenças. As vocalizações de felicidade demonstraram correlação com uma maior variação no tempo entre os batimentos cardíacos – um sinal de bem-estar positivo nos mamíferos.

Os investigadores não submeteram as cabras "frustradas" a cenários particularmente angustiantes, e por isso os sons que emitiam estavam longe de expressar um sofrimento enorme, diz Baciadonna. Para o ouvido humano, os sons de felicidade e de tristeza são quase idênticos. No entanto, as cabras estavam mais atentas aos sons negativos do que aos positivos.

É lógico, diz Baciadonna. “Nós estamos mais vigilantes perante o potencial de perigo do que quando estamos numa festa a comer com os nossos amigos.”

Kristina Horback, professora assistente no Departamento de Zootecnia da Universidade da Califórnia, em Davis, não ficou surpreendida com os resultados. "Isto faz todo o sentido em termos evolutivos", diz por email. Kristina realça que é algo benéfico para todos os animais, incluindo os humanos, poder confiar nas pistas dadas pelos outros "que comunicam que existe algo no ambiente" – bom ou mau – "que pode afetar a nossa sobrevivência".

O que significa para as cabras
A chave, diz Baciadonna, reside em determinar se as emoções são de alguma forma contagiantes. Por exemplo, quando uma cabra reconhece que outra está em perigo, será que essa cabra também fica sob tensão?

Em caso de resposta afirmativa, Baciadonna interroga-se sobre o que as pessoas que cuidam e criam de cabras podem fazer com essa informação. “Se estivermos a cuidar de um animal maltratado”, diz, provocando um balido de angústia, “podem haver consequências… que se podem espalhar por um grupo de animais. Usar isso de maneira positiva ou negativa depende de nós.”

A confirmação de que as cabras conseguem sentir a felicidade ou o sofrimento das outras pode ter implicações na forma como tratamos as cabras domésticas.

Baciadonna espera que o estudo ajude a realçar ainda mais a complexidade das cabras, podendo também ser um ponto de partida para mais investigações sobre a forma como as cabras comunicam e sobre as relações que têm entre si. "É normal vermos as mesmas cabras juntas o resto das suas vidas", diz.

Empatia nos animais
E também existe a questão da empatia – a capacidade não apenas de sentir, mas de compreender indiretamente as emoções do outro. Já foram feitos estudos completos sobre o quão difícil é avaliar a empatia nos animais. Alguns estudos revelaram que muitos animais, incluindo ratos, galinhas e cães, parecem exibir sinais de empatia. Mas outros estudos questionam se esses animais sentem empatia como nós.

Leanne Lauricella, fundadora do Goats of Anarchy, um santuário para cabras com necessidades especiais, em Nova Jersey, não ficaria surpreendida se os estudos adicionais provassem que as cabras conseguem sentir as emoções umas das outras. Leanne tem inúmeras histórias sobre as relações complexas que as suas cabras resgatadas formaram.

“As cabras alimentam-se umas às outras. Juntam-se aos pares ou em grupos e comem, brincam e deitam-se todas juntas”, diz Leanne. “Quando uma das nossas crias de gémeos perdeu a irmã gêmea, outra das nossas cabras deitou-se ao lado dela para a aconchegar e consolar.”

“As capacidades das cabras são muitas vezes subestimadas”, diz Baciadonna.
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler