Seda de Aranha: Um dos Materiais Mais Flexíveis do Mundo

As aranhas tecem teias de seda, mas também as podem usar como catapultas, submarinos e planadores.quinta-feira, 19 de setembro de 2019

A seda de aranha é um dos materiais mais versáteis da Terra. Esta proteína, criada por órgãos especiais conhecidos por fieiras, pode ser usada pelas aranhas como meio de transporte, ou para arranjar parceiro, para além de servir de abrigo e para caçar de formas extremamente criativas.

Algumas aranhas conseguem produzir mais de um tipo de seda. Por exemplo, uma aranha tecelã comum pode conter pelo menos 4 tipos diferentes de seda, cada um com uma componente diferente, como resistência, flexibilidade e viscosidade.

Equipadas com um material tão versátil, as aranhas evoluíram para criar uma diversidade maravilhosa de teias. Existem teias em forma de lençol que capturam as presas que caem em cima delas, e teias verticais em forma de treliça que intercetam presas voadoras. As teias da viúva-negra são caóticas, ao passo que as teias afuniladas e as teias em forma de abajur parecem esculturas tridimensionais. As aranhas da família Theridiosomatidae constroem teias em forma de cone que conseguem projetar uma aranha em direção à sua presa, como se fosse uma fisga, enquanto que as aranhas Deinopidae capturam as suas refeições com teias portáteis. (Leia sobre a aranha que é mais rápida que um foguetão.)

As Latrodectus hasseltiida da Austrália produzem uma teia com um emaranhado de linhas pegajosas que se estendem até ao chão, como se fossem uma cortina. Quando formigas ou grilos chocam contra uma destas armadilhas, a linha prende a presa e solta-se, puxando a criatura indefesa para cima, onde oscilará até que a aranha a decida comer.

“Algumas aranhas produzem uma seda translúcida e com pouca reflexão ultravioleta, para que os insetos não a consigam ver”, diz Catherine Craig, bióloga evolucionária e autora do livro Seda de Aranha: Evolução e 400 Milhões de Anos a Tecer, Esperar, Caçar e Acasalar.

Do outro lado do espectro, existem sedas de aranha que refletem a luz ultravioleta e que, vistas de determinados ângulos, parecem azuis. Nos trópicos existem aranhas do género Nephila que infundem as suas sedas com carotenoides – e quando o sol as atinge, parece que foram mergulhadas em ouro líquido.

As aranhas-bolas ignoram completamente a construção de teias. Estas criaturas inteligentes atraem borboletas com as suas feromonas e atacam-nas no ar com um pedaço de seda pegajosa. E as aranhas da família Gnaphosidae disparam seda como se fossem o Homem-Aranha.

Mas não são as únicas a fazer coisas surpreendentes.

Das quase 50.000 espécies de aranhas conhecidas pela ciência, a maioria não produz teias, diz Craig. Mas todas as aranhas produzem seda. E as formas como usam esse material são tão variadas quanto fascinantes.

Seda, doce lar
Durante centenas de milhões de anos, antes da evolução das teias, e mesmo antes de existirem moscas para ficarem presas nas teias, as aranhas usavam as suas glândulas de seda para construir abrigos.

"A seda de aranha é incrivelmente resistente e flexível", diz Catherine Scott, aracnóloga na Universidade Toronto Scarborough. "E também costumam ser muito limpas, com propriedades antimicrobianas, porque as aranhas não querem que os fungos ou os micróbios cresçam nas suas teias".

Algumas aranhas, como as do ramo Mesothelae, que têm mais de 300 milhões de anos na árvore genealógica das aranhas, cavam tocas nas encostas e forram-nas com camadas de seda. Depois, constroem portas circulares com uma dobradiça de seda. Isto não só esconde a aranha dos seus predadores, como lhe permite apanhar as presas desprevenidas. As portas também protegem as aranhas e servem para regular a temperatura e os níveis de humidade na toca – e servem de proteção contra inundações.

As “aranhas-túnel” constroem túneis de seda nos troncos das árvores. A maioria das pessoas nem repara nestas estruturas porque geralmente estão cobertas de sujidade.

Tal Como o Homem-Aranha, Esta Aranha Dispara Seda Para Atacar

"É quase impossível vermos estas aranhas, porque estão dentro de um túnel que se prolonga até ao solo", diz Sebastian Echeverri, aracnólogo e educador de ciências na Universidade de Pittsburgh. "Quando uma presa caminha ao longo do túnel, a aranha sente as vibrações e sobe rapidamente pelo túnel. Depois, morde e prende a vítima através da seda para a envenenar e, por fim, arrasta-a para o interior da estrutura.”

E depois temos as “aranhas-sino-de-mergulho”.

"É uma aranha que vive a vida inteira debaixo de água. Faz uma estrutura com a sua teia de seda e um pouco de vegetação", diz Echeverri.

Estas aranhas não conseguem respirar debaixo de água, por isso, visitam repetidamente a superfície para capturar bolhas de ar – têm pelos especificamente adaptados para o fazer. Quando regressam às suas tocas de vegetação subaquática, levam as bolhas limpas para a teia para formar um pequeno santuário rico em oxigénio, onde se escondem dos predadores e põem ovos.

“É uma aranha que desafia todos os conceitos de aranha”, diz Echeverri.

Dar uma volta
Apesar de a seda ser um material de construção excelente, também pode ser usada como meio de transporte.

Por exemplo, as aranhas saltadoras estão constantemente a atravessar abismos. Mas protegem-se contra as quedas, ancorando uma linha de segurança feita de seda. Isto permite às aranhas regressar ao ponto de partida, caso errem o alvo. E também permite alterar a direção do salto no ar, com um puxão na linha de arrasto.

Na sua generalidade, as aranhas são pequenas, mas conseguem viajar entre árvores ou através de fendas enormes, um processo chamado "ponte". A aranha solta uma linha de seda no ar e, quando a sente ancorada a alguma coisa, estica-a. Depois, projeta-se nessa direção. O aracnídeo não sabe realmente onde vai parar, mas é melhor do que rastejar.

“E creio que devia mencionar que algumas aranhas conseguem voar”, diz Echeverri.

Tal como acontece com o processo “ponte”, muitas espécies de aranhas conseguem  “voar” como se estivessem num balão, libertando fios de seda que são apanhados pelo vento e pelos campos elétricos da Terra. Já foram encontradas aranhas destas a flutuar a mais de 3 km de altura e no meio do oceano.

Aroma sedoso
A seda de aranha não é apenas resistente, flexível e pegajosa – também pode ser malcheirosa.

“Nós sabemos que as aranhas fêmeas têm feromonas na seda”, diz Scott.

Num estudo recente, publicado na revista Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, Scott mostrou que os machos de viúva-negra conseguem detetar estes aromas até 60 metros de distância, e usam-nos para encontrar uma fêmea.

Para além disso, a investigação de Scott mostrou que, se os machos seguirem as linhas deixadas pelos outros machos que os antecederam, conseguem chegar ainda mais depressa a uma fêmea. E os machos conseguem discernir entre os odores da seda deixada pelos seus rivais e a seda de machos de outra espécie intimamente relacionada, a falsa-viúva-negra.

Romance aracnídeo
"A seda também é uma forma de comunicação", diz Scott. "Funciona quimicamente através de feromonas e, para as aranhas que fazem teias, é uma pista de dança onde os machos exibem as suas artes de cortejo.”

Os machos de várias espécies, para convencerem as fêmeas de que são pretendentes sérios – e não a próxima refeição – tocam, puxam e enviam vibrações pela teia da fêmea. E também podem remodelar a teia colocando seda sua ou destruindo partes inteiras da teia, talvez para tentar esconder a fêmea de outros machos na região.

As aranhas também usam seda para proteger os seus ovos e construem teias que servem de berçário e de refúgio para as crias. Os machos de algumas espécies usam seda para embrulhar alimentos e oferecem-nos às fêmeas para as conquistar, e também tentam enganar as fêmeas com pedras ou sementes.

“Quando a fêmea descobrir o que está ali, e perceber que não é comida, já o macho  fugiu com o ato consumado”, diz Scott.

A seda também pode ser usada para atar uma fêmea durante o cortejo. Este processo chama-se "ligação ao parceiro" ou "véu de noiva". E, embora possa parecer estranho, este comportamento pode aumentar a recetividade da fêmea ao acasalamento, colocando os seus pelos sensoriais em contacto com a seda carregada de feromonas do macho.

Mas também pode servir para outro propósito.

“Amarrar a fêmea também a pode impedir de cometer um ato de canibalismo”, diz Scott
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler