Algumas Pessoas Conseguem Ler Expressões de Gatos. É uma delas?

Numa sondagem feita recentemente, as pessoas que conseguem ler as expressões de gatos são sobretudo jovens e mulheres – mas, surpreendentemente, nem todos têm gatos.

Friday, December 20, 2019,
Por Carrie Arnold
Tal como acontece com os humanos, os gatos também comunicam as suas emoções através de expressões ...
Tal como acontece com os humanos, os gatos também comunicam as suas emoções através de expressões faciais.
Fotografia de Melford Taylor, Nat Geo Image Collection

Sempre que a cuidadora de gatos envia fotografias de Sylvie e Luke – dois gatos castanhos – para Georgia Mason e para o seu marido, o casal consegue concordar se os gatos parecem alegres, mal-humorados ou ansiosos.

Agora, um novo estudo liderado por Mason, bióloga comportamental na Universidade de Guelph, no Canadá, mostra que as pessoas que conseguem descodificar de forma consistente as expressões dos felinos pertencem a um clã  muito especial: encantadores de gatos.

Para esta investigação, Mason e os seus colegas fizeram uma sondagem online e convidaram pessoas de todo o mundo a participar. Os 6329 participantes de 85 países assistiram entre 2 a 20 vídeos curtos de expressões de gatos e responderam se achavam que os felinos estavam tristes ou felizes. Estes participantes obtiveram uma média de 11.85 entre 20 classificações corretas – uma média que pode representar respostas aleatórias.

Mas cerca de 13% dos participantes da sondagem eram muito bons a ler as emoções dos gatos, acertando em pelo menos 15 das 20 respostas – os chamados encantadores de gatos. Os mais jovens e as mulheres com experiência profissional em veterinária tiveram as melhores pontuações. Curiosamente, ter gatos não teve impacto na capacidade de interpretar as emoções dos mesmos. (Pensa que é um encantador de gatos? Faça esta versão abreviada do questionário interativo em inglês.)

Nos humanos, as expressões faciais são a principal forma de comunicação, ainda que subestimada, diz Mason, cujo estudo apareceu na edição de novembro da Animal Welfare. E as investigações mais recentes mostram que uma variedade de animais, sejam ratos, cães ou cavalos, também "têm expressões faciais que comunicam claramente o que estão a sentir", diz Mason.

Um estudo publicado no início deste ano também descobriu que os gatos não eram uma exceção, podendo também sugerir que os humanos conseguem compreender as formas subtis de comunicação dos gatos, sobretudo as expressões faciais.

Gatos rabugentos
Mason e a sua equipa do Centro Campbell para o Estudo do Bem-Estar Animal da Universidade de Guelph voltaram as suas atenções para o maior repositório de vídeos sobre o comportamento de gatos: o YouTube.

Os gatos são muitas vezes encarados como sendo insondáveis, mas é provável que tenham formas subtis de comunicação que anteriormente eram ignoradas pelas pessoas.
Fotografia de Maresa Pryor, Nat Geo Image Collection

Os cientistas perscrutaram horas infindáveis de filmagens de gatos obedecendo a um conjunto muito específico de critérios: vídeos com menos de 4 segundos que mostravam claramente o rosto de um gato – olhos, focinho e boca – em situações onde o animal estava claramente relaxado ou aborrecido. A narração ou descrição do vídeo ajudou a equipa a discernir o contexto das filmagens e também ajudou a revelar que muitos dos gatos rabugentos estavam de visita ao veterinário. (Os investigadores evitaram vídeos onde os gatos exibiam as orelhas metidas para trás ou onde tinham as garras expostas, que são sinais bem conhecidos de medo nos felinos.)

Eventualmente, selecionaram 40 vídeos curtos, 20 com gatinhos felizes e 20 com gatos rabugentos. Cada grupo foi subdividido em gatos ativos e gatos em repouso para que o movimento dos felinos não influenciasse os resultados. A equipa também incluiu vídeos dos seus próprios gatos antes de finalizar a sondagem e de a publicar nas redes sociais. (Relacionado: Estará a treinar bem o seu gato?)

O estudo também revelou que as pessoas observam mais facilmente as emoções positivas do que as negativas – por exemplo, mais de 85% dos participantes adivinharam corretamente que o gato de Mason, Luke, estava satisfeito.

Mikel Maria Delgado, especialista em comportamento de felinos na Universidade da Califórnia, diz que a investigação "revela que as pessoas conseguem identificar o estado emocional de um gato a partir de informações muito limitadas".

A Ciência dos Gatos

Maria Delgado acrescenta que este estudo é um "bom começo" para compreendermos a comunicação dos gatos, mas alerta contra a identificação do estado emocional de um gato com base em apenas uma informação. "Ainda há muito para aprender sobre a linguagem corporal dos gatos", diz Maria Delgado.

Por exemplo, a linguagem corporal, como a posição da cauda e das orelhas, também são sinais relevantes sobre o estado emocional dos gatos.

À procura de pistas
Em estudos futuros, Mason espera conseguir descortinar exatamente como é que os encantadores de gatos são tão bons no que fazem. Por exemplo, a identificação de pistas específicas – que as pessoas conseguem ler nas expressões faciais destes animais de estimação – pode ajudar os veterinários e os donos de gatos a comunicar melhor com os felinos.

E para as pessoas que pensam que os nossos amigos felpudos só usam um rosto feliz para abrirmos outra lata de atum, Mason acrescenta que os gatos provavelmente também usam estas expressões enquanto interagem entre si.

Resumindo e concluindo, “os gatos são expressivos, mesmo que se pense que é impossível ler as suas emoções”.
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler