A Dinamarca Vai Abater 15 Milhões de Visons Após Casos de Transmissão de Coronavírus Para Humanos

As autoridades dinamarquesas dizem que as novas investigações sugerem a necessidade de abate de todos os visons nas suas 1200 quintas de criação.

Friday, November 6, 2020
Por Dina Fine Maron
A Dinamarca planeia abater os 15 milhões de visons criados em cativeiro no país para ajudar ...

A Dinamarca planeia abater os 15 milhões de visons criados em cativeiro no país para ajudar a proteger as pessoas de infeções por coronavírus.

Fotografia de Mads Claus Rasmussen, Ritzau Scanpix, AFP, Getty Images

Quase 400 casos humanos de coronavírus aparentam estar ligados a visons doentes em quintas de peles na Dinamarca, anunciaram as autoridades em conferência de imprensa no dia 4 de novembro. Esta revelação sugere que a transmissão de vison para humano é mais difundida do que se pensava anteriormente, embora a maioria dos casos de coronavírus provavelmente tenha sido transmitida na comunidade por trabalhadores das quintas – não pela exposição a animais infetados.

As autoridades dinamarquesas dizem agora que querem abater os 15 milhões de visons em cativeiro nas cerca de 1200 quintas de peles do país, uma medida de precaução para proteger as pessoas de contraírem o vírus. Na Dinamarca, um total de 207 quintas de peles abrigam visons que acusaram positivo para o coronavírus. A decisão foi desencadeada pelas descobertas feitas pela autoridade de saúde pública do país, o State Serum Institute, que sugeriu que a estirpe do vírus que circula entre visons e humanos pode ter sofrido uma mutação suficientemente grande para comprometer a eficácia de uma futura vacina, levando à necessidade de uma ação imediata.

De acordo com a Associated Press, na conferência de imprensa, Magnus Heunicke, o ministro da saúde dinamarquês, disse que a análise genómica dos casos humanos de coronavírus indica que metade dos 783 casos humanos na região norte do país estão relacionados com visons. As autoridades dinamarquesas não responderam de imediato ao pedido da National Geographic para comentar.

A Dinamarca é o segundo maior produtor mundial de peles de vison, ficando apenas atrás da China, portanto, o abate de todos os visons vai ter enormes implicações na indústria de peles. Os Países Baixos – o terceiro maior produtor de peles de vison – anunciou em junho que planeava acelerar o encerramento da sua indústria de peles devido às infeções generalizadas de coronavírus entre animais, e devido às investigações que sugeriam que pelo menos dois trabalhadores tinham contraído coronavírus através de visons. Antes da pandemia, os Países Baixos planeavam encerrar a sua indústria de peles até 2024, mas agora espera-se que todas as operações sejam encerradas até ao início de 2021. A China não fez declarações sobre quaisquer alterações na sua indústria.

A situação nos EUA
Os Estados Unidos também confirmaram casos de visons com coronavírus em quintas de peles no Utah, Wisconsin e Michigan, embora até agora não existam evidências de que os visons estejam a transmitir o vírus aos humanos nos EUA. “Estas investigações estão em andamento, e vamos publicar os dados assim que estiverem disponíveis”, diz Jasmine Reed, porta-voz dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Em 207 das quase 1200 quintas de peles da Dinamarca há visons infetados com coronavírus. Funcionários do governo já abateram mais de um milhão de visons.

Fotografia de Mads Claus Rasmussen, Ritzau Scanpix, AFP, Getty Images

“Estamos cientes dos casos e esforços da Dinamarca”, disse a porta-voz do Departamento de Agricultura dos EUA, Joelle Hayden, salientando que a agência está a trabalhar com os CDC e com outros parceiros para monitorizar a situação fora dos EUA.

Ao contrário da Europa, os EUA não abateram todos os visons nas quintas onde os animais contraíram coronavírus. Não há regulamentação federal ou exigências relativamente aos métodos de tratamento de infeções por coronavírus em quintas de visons nos EUA. Até agora, as autoridades federais deixaram os surtos nas mãos de cada estado.

Espécie suscetível
A Dinamarca informou pela primeira vez que tinha descoberto visons doentes nas suas quintas de peles em junho, mas naquele momento parecia que tinham sido os trabalhadores humanos a transmitir o vírus aos animais. Em junho, 11.000 animais infetados numa quinta foram abatidos. Mais recentemente, milhões de visons foram abatidos em quintas de peles na Dinamarca, Espanha e Países Baixos.

Mick Madsen, diretor de comunicações da Fur Europe, um grupo sediado em Bruxelas que representa os produtores e fabricantes de peles, confirmou os detalhes da decisão de abate das autoridades dinamarquesas, mas não quis comentar sobre a decisão do governo dinamarquês, ou sobre como isso afetaria a indústria de peles.

Os visons podem ser mais suscetíveis ao coronavírus do que outros animais devido a uma combinação de fatores genéticos e ambientais, explica Jasmine Reed dos CDC.

“Os visons criados em cativeiro não apresentam uma grande diversidade genética, o que pode favorecer a transmissão de doenças infecciosas e a sua suscetibilidade”, diz Jasmine. “Para além disso, os visons criados em cativeiro costumam estar em ambientes relativamente sobrelotados, favorecendo a disseminação do vírus.”


Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com e revisto a 10 de novembro de 2020 para a correta designação da espécie animal.

 
Continuar a Ler