Duas novas espécies de rãs transparentes nomeadas no Equador

Estes anfíbios, que vivem a apenas 20 quilómetros de distância uns dos outros, são extremamente parecidos, mas geneticamente diferentes – surpreendendo os cientistas.

Por Angela Posada-Swafford
Publicado 22/03/2022, 12:14
Hyalinobatrachium mashpi

A Hyalinobatrachium mashpi, uma das espécies recém-descobertas, é conhecida pelo seu assobio agudo e pontos negros a cobrir o corpo, que podem atuar como camuflagem no seu ambiente de floresta tropical.

Fotografia por Jaime Culebras

A pouco mais de 15 quilómetros da capital do Equador, Quito, as encostas escarpadas dos Andes abrigam um dos pontos biologicamente mais diversos e ameaçados dos trópicos.

No sopé dos Andes encontramos um vale. O rio que o atravessa, chamado Guayllabamba, está no centro de uma narrativa incrível de duas espécies recém-identificadas por rãs-de-vidro.

Uma das espécies, a Hyalinobatrachium mashpi, vive no lado sul do rio, nas Reservas Mashpi e Tayra, dois oásis de floresta tropical adjacentes que abrangem 250 hectares. A outra espécie de rã, a Hyalinobatrachium nouns, vive no flanco norte do vale, na Cordilheira de Toisan, um complexo íngreme de montanhas isoladas do cinturão principal dos Andes, como se fosse uma ilha a flutuar num mar verde.

Ambas as criaturas vivem aproximadamente à mesma altitude, e em condições semelhantes de humidade e temperatura. Ambas medem entre 1,9 e 2,1 centímetros desde a ponta do focinho até à cloaca (uma medição padrão de anfíbios). Os seus corpos são praticamente idênticos a olho nu, com costas verde-limão salpicadas por pontos negros dispostos em torno de manchas amarelas.

Por baixo, ambas espécies mostram o cartão de visita das rãs-de-vidro: uma barriga completamente transparente que revela um coração vermelho, um fígado e sistema digestivo brancos e, nas fêmeas, uma bolsa de ovos esverdeados.

Os órgãos e ovos de uma fêmea da espécie Hyalinobatrachium mashpi são claramente visíveis através da pele translúcida.

Fotografia por Jaime Culebras

“Ao início, quando começámos a recolher as rãs, pensámos que eram da mesma espécie”, diz Juan Manuel Guayasamin, biólogo evolutivo da Universidade San Francisco de Quito e autor principal de um artigo que descreve a nova espécie, que foi publicado este mês na revista PeerJ.

Mas quando Juan Guayasamin e os seus colegas analisaram o ADN das rãs mais atentamente, “ficámos surpreendidos quando descobrimos que na realidade apresentam diferenças genéticas enormes”.

Desvendar as novas rãs

Existem 156 espécies conhecidas de rãs-de-vidro que vivem por toda a região neotropical, principalmente no norte dos Andes e na América Central.

Durante a última década, Juan Guayasamin, que também é explorador da National Geographic, e os seus colegas têm recolhido amostras de ADN de rãs-de-vidro, não só enquanto exploram a floresta tropical, mas também quando recolhem espécimes de museus e coleções particulares em vários países.

Até agora, os investigadores já sequenciaram os genes de cerca de 90% de 150 espécies de rãs-de-vidro, diz Juan. Foi assim que os investigadores descobriram que as espécies Hyalinobatrachium mashpii e Hyalinobatrachium nouns divergem geneticamente em quase 5%, uma diferença grande para anfíbios tão semelhantes.

Também é surpreendente, acrescenta Juan Guayasamin, que ambos os grupos vivam geograficamente muito próximos, a cerca de 20 quilómetros um do outro.

“Como o vale do rio Guayllabamba é mais seco e ecologicamente único em relação às encostas adjacentes, acreditamos que o vale impediu estas rãs de se misturarem”, diz Juan Guayasamin. “Quando temos populações separadas por uma barreira geográfica, começam a surgir mutações em cada grupo e, com o passar do tempo, tornam-se geneticamente diferentes.”

Um pai da espécie Hyalinobatrachium mashpi guarda os seus ovos. Os cuidados parentais são comuns entre as rãs-de-vidro.

Fotografia por Jaime Culebras

Os cientistas descrevem este processo por diversidade críptica – por outras palavras, as características que diferenciam uma espécie não são visíveis a olho nu, diz o coautor do estudo, Jaime Culebras, investigador da Fundação Andean Condor, uma organização sem fins lucrativos sediada em Quito que trabalha na conservação de habitats ricos em rãs. E a diversidade críptica é muito comum nos anfíbios.

Para além da genética, os investigadores recorreram à bioacústica – reproduzindo e transmitindo sons de animais – para determinar as diferenças entre as espécies de rãs na natureza. No entanto, só conseguiram registar os cantos da rã macho da espécie Hyalinobatrachium mashpii e comparar com os sons das outras espécies do género Hyalinobatrachium.

“Parece mesmo um grilo”, diz Jaime Culebras, que também é fotógrafo de vida selvagem. “Contudo, mais uma vez, alguns grilos é que parecem mesmo esta rã!”

Uma diversidade andina rica

A identificação das novas rãs-de-vidro mostra a quantidade de espécies ainda por descobrir, principalmente nos Andes tropicais, diz Andrea Teran, herpetóloga do Centro de Pesquisa Jambatu em Quito, que não participou no estudo.

“A topografia nesta região é bastante complexa, com muitos nichos inexplorados e áreas de difícil acesso, ou seja, o endemismo é muito elevado”, diz Andrea Teran. “Na realidade, quando falamos sobre anfíbios no Equador, o ponto mais diversificado são os Andes, não a Amazónia.”

De facto, os Andes tropicais – uma região que inclui partes da Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia – abrigam mais de mil espécies de anfíbios, duas vezes mais que a Amazónia.

Alguns dos anfíbios do Equador, como a nova Hyalinobatrachium mashpii, vivem até perto das pessoas, na maior área metropolitana de Quito, diz Jaime Culebras.

“As pessoas esquecem-se que a cidade estende-se até ao interior das montanhas, abrigando uma diversidade impressionante de seres vivos.”

Contudo, as pessoas e as suas atividades também constituem uma ameaça para estas criaturas: metade das espécies de anfíbios dos Andes está seriamente ameaçada devido à mineração de cobre e ouro, diz Jaime.

A União Internacional para a Conservação da Natureza classifica 10 espécies de rãs-de-vidro em perigo crítico de extinção, 28 estão ameaçadas e 21 estão vulneráveis à extinção. Ainda é demasiado cedo para saber se a Hyalinobatrachium mashpii e a Hyalinobatrachium nouns estão entre os animais ameaçados, mas Juan Guayasamin suspeita que sim.

“Mais uma vez, a natureza sofre com o nosso extrativismo míope e descontrolado.”
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler

Também lhe poderá interessar

Animais
Descoberta Tarântula Azul Cintilante
Animais
Método de ADN usado para apanhar o ‘Assassino de Golden State’ pode ajudar a capturar caçadores de elefantes
Animais
Estes Papagaios Desenvolveram Novos Dialetos em Cativeiro. Será que os Seus Parentes Selvagens os Conseguem Compreender?
Animais
Descoberto Um Dos Sapos Mais Pequenos de Sempre
Animais
Nova aplicação pode ajudar a salvar tartarugas-marinhas em perigo crítico de extinção

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados