Animais

O Maior Dinossauro Predatório Encontrado na Europa, Foi Um “Grande Pugilista”

Carnívoro de nove metros provavelmente a força bruta para derrotar as suas presas.Por Christine Dell'Amore, National Geographic

Por Christine Dell'Amore

5 Março 2014

Uma nova espécie de dinossauro encontrada em Portugal era grande e má, diz um novo estudo.

O Torvosaurus gurneyi, possivelmente o maior dinossauro predatório descoberto na Europa, era um carnívoro extremamente forte que usava os seus dentes com dez centímetros de comprimento e a forma de uma lâmina, mas também os antebraços com garras afiadas para lacerar as suas presas.

Esta criatura de 10 metros de comprimento andava pela Península Ibérica – território atual de Espanha, Portugal, Andorra e partes de França – há cerca de 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico tardio.

Christophe Hendrickx, um estudante de doutoramento na Universidade Nova de Lisboa, em Portugal, descobriu este gigante enquanto estudava ossos que se acreditavam pertencer ao Torvosaurus tanneri, uma espécie relacionada que vivia na região das Montanhas Rochosas da América do Norte por volta da mesma altura. Quando os continentes estavam interligados como parte do supercontinente Pangeia, os dinossauros podem ter migrado da América do Norte para a Europa ou vice-versa.

Numa observação mais cuidada, estes ossos – retirados da Formação Lourinhã, região do oeste-central português, rica em fosseis – não se parecia com um T. tanneri.

Por exemplo, o maxilar superior tinha menos dentes, este osso e as vértebras da cauda eram diferentes – tudo apontando para que Hendrickx e Octávio Mateus (o supervisor) tinham descoberto uma nova espécie.
“Tive muita sorte,” afirmou Hendrickx. “É um sonho tornado realidade.”

O T.Rex da Sua Altura

O T.gurneyi – batizado com o nome do ilustrador do paleolítico, James Gurney – com as suas quatro a cinco toneladas, fazia parte de um grupo de carnívoros de duas patas chamado megalossauro.

Sabe-se pouco sobre os megalossauros, em parte porque os grandes predadores são mais raros do que as suas pressas e por isso, existem menos restos fosseis, observou o paleontólogo Matt Lamanna, do Museu Carnegie de História Natural, em Pittsburgh.

No entanto os paleontólogos sabem que os megalossauros se pareciam com o Tiranossauro Rex e que os dois estariam cobertos por uma leve penugem, precursora das penas, afirmou Hendrickx, responsável pelo estudo.

Apesar do T. gurneyi ser mais pequeno que o T. rex, o animal recém-descoberto tinha antebraços musculados com garras formidáveis, pernas grossas e crânios alongados que lhe permitiam uma dentada devastadora.

De facto, como o paleontólogo de vertebrados, Thomas R. Holtz Jr., da Universidade de Maryland, coloca, o T. gurneyi era um “predador de força bruta” – usando essas características em vez da velocidade ou do fator surpresa para derrubar as suas vítimas.

Ao contrário do T. Rex, que poderia agarrar e esmagar as suas presas com as mandíbulas, o T. gurneyi “provavelmente podia tirar um pedaço da sua presa, relaxar e esperar que ela morresse”, afirma Lamanna.

Os dois especialistas têm reservas acerca das afirmações do autor que o T. gurneyu seria o maior carnívoro da Europa.

“É possível,” diz Lamanna, explicando que temos conhecimento de outros dinossauros predatórios que existiam na Europa da altura e que podem ter atingido o mesmo tamanho.

Holtz acrescentou através de correio eletrónico que “este é o maior predador terrestre CONHECIDO na história europeia – [é] importante manter essa classificação.”

Serengeti Jurássico

Mas porque é tão grande?

Hendrickx, responsável pelo estudo, suspeita que o tamanho deste dinossauro está relacionado com o grande número de herbíferos – incluindo o estegossauro e o saurópodes de pescoço comprido – que viviam nas redondezas do T. gurneyi

Uma grande abundância de presas fornecia a comida suficiente para sustentar várias espécies de carnívoros de grande porte, cada um com o seu próprio espaço no meio ambiente, afirma Hendrickx, cujo estudo foi publicado a 5 de março na publicação PLOS ONE.

Holtz comparou o ecossistema do jurássico tardio com o Serengeti, com “inúmeras espécies carníveras diferentes, de pequeno, médio e grande porte, vivendo lado a lado, da mesma forma que no Serengeti existem os leões, as hienas-malhadas, leopardos, mabecos, chacais, etc, vivendo uns ao lado dos outros.”

Depois da sua primeira descoberta, Hendrickx está preparado para estudar mais fosseis provenientes de Portugal que possam resultar em novos dinossauros.

Agora, ele gracejou, “tenho de convencer o meu supervisor.”

Continuar a Ler