Animais

O que é que os gatos pensam sobre nós? Poderás ficar surpreendido

Ao contrário dos cães, os nossos amigos felinos tratam-nos como se fossemos outros gatos, segundo um autor.

Por Christine Dell'Amore

28 Janeiro 2014

Desde que os gatos nos arranharam pela primeira vez com as suas garras adoráveis, há cerca de 9.500 anos atrás, os humanos têm tido uma relação amorosa com felinos.

Hoje mais de 80 milhões de gatos vivem em lares norte-americanos, com uma estimativa de três gatos para cada cão no planeta. No entanto, ainda há muito que não sabemos sobre os nossos amigos felinos - incluindo o que eles pensam sobre os seus donos.

John Bradshaw é um perito no estudo do comportamento dos gatos na Universidade de Bristol e autor do novo livro "Cat Sense". Depois de observar gatos de estimação durante vários anos, chegou a uma conclusão intrigante: os gatos realmente não nos entendem da forma que os cães o fazem.

Bradshaw recentemente partilhou alguns dos seus conhecimentos com a National Geographic.

Como é surgiu este interesse no comportamento dos gatos?

Durante os primeiros 20 anos da minha carreira eu estudei o comportamento olfativo [cheiro] nos invertebrados. Sempre me fascinou esse outro mundo onde vivem os animais - essencialmente de odor, que é o sentido primário dos cães. Então, no início de 1980, comecei a trabalhar sobre o comportamento do cão. [Mais tarde] Eu rapidamente fiquei fascinado com gatos, e qual será a sua perceção do mundo em comparação com o mundo que existe realmente.

O que faz na sua pesquisa?

Muita observação - observação de grupos de gatos para ver como eles interagem uns com os outros e deduzir a sua estrutura social. [Eu vejo] gatos em colónias que estão à solta, e em abrigos de animais, onde grande parte serão alojados juntos, e conseguem-se dinâmicas interessantes [quando novos gatos são apresentados].

Também já fiz coisas um pouco mais manipuladoras, como estudar a forma como os gatos brincam com os brinquedos, ou testar [os comportamentos dos] gatos em diferentes momentos do dia. [E também observo] relações com os donos, entrevistando-os e dando-lhes questionários para descobrir até que ponto percebem os seus gatos.

Como é que concluiu que os gatos não nos vêm da mesma forma que os cães o fazem?

Têm havido muitas pesquisas sobre cães e sobre como eles interagem com as pessoas. [É] torna-se muito claro que os cães nos vêm como sendo diferentes deles: Assim que eles vêm um ser humano, eles mudam o seu comportamento. A forma como um cão brinca com um ser humano é completamente diferente da [maneira como ele joga] com um cão.

Temos ainda de descobrir alguma coisa sobre o comportamento do gato que sugira que eles têm uma caixa separada onde nos colocam quando socializam connosco. Eles sabem, obviamente, que somos maiores que eles, mas não parecem ter adaptado muito o seu comportamento social. Colocando as suas caudas no ar, esfregando-se nas nossas pernas, sentando-se ao nosso lado e aliciando-nos são exatamente as mesmas coisas que os gatos fazem uns aos outros.

Eu li artigos em que dizia que os gatos nos vêm como gatos grandes e estúpidos. Está correto? Não. No livro [eu digo] que os gatos se comportam connosco de uma forma que é indistinguível da forma [como] eles agem com outros gatos. Eles pensam que somos desajeitados: Não há muitos gatos que tropecem nas pessoas, mas nós tropeçamos nos gatos. Mas eu não acho que eles nos vejam como sendo burros e estúpidos, já que eles não se esfregam em gato algum que seja inferior a eles.

Podemos descobrir o que os gatos realmente pensam sobre nós?

Precisam de ser feitas mais pesquisas. Não é uma área que tenha recebido atenção suficiente. [Os gatos] não são animais selvagens, por isso os ecologistas [poderão pensar], “bem, eles não são animais a sério, de todo.”

O que foi mais surpreendente para si na sua pesquisa?

O quão stressantes um monte de gatos de estimação podem ser sem que os seus donos percebam isso, e o quanto isso afeta a qualidade mental das suas vidas e a sua saúde. Os Gatos nem [sempre] se dão com outros gatos [e as pessoas não percebem] o quanto isso pode stressá-los. A razão mais comum que nos leva a ir ao veterinário com os gatos é, além das visitas de rotina, os ferimentos causados em brigas com outros gatos.

[Há mais gatos misteriosamente contraindo] dermatites e cistites [inflamações da bexiga] e está a tornando-se evidente que estes problemas médicos são agravadas pelo stress psicológico. [Por exemplo], a inflamação da parede da bexiga está ligada à presença de hormonas de stress no sangue.

Uma solução consiste em examinar o estilo de vida social do gato, em vez de o encher de drogas. [Por exemplo, isso poderia significar certificar-se que] dois gatos que [não se dão] vivem em extremos opostos da casa. O problema desapareceria com frequência.

Tenho algumas questões colocadas por donos de gatos no Facebook. Primeiro, porque poderá um gato uivar quando está sozinho num quarto?

Os gatos aprendem especificamente como os seus donos reagem quando eles fazem determinados ruídos. Portanto, se o gato pensa, "eu quero tirar o meu dono da outra sala ", eles servem para vocalizar. Eles usam a aprendizagem simples.

Porque é que alguns gatos tratam um membro humano da família de modo diferente? Eles são muito mais espertos do que nós pensamos: Eles aprendem o que funciona com cada pessoa. Eles sabem que se [um membro da família] é propenso a levantar às 4 da manhã e dar-lhes algumas guloseimas.

Porque é que os gatos nos amassam?

Eles usam um comportamento que usariam com as suas mães - todo o comportamento que eles mostram em relação a nós é derivado de alguma forma a partir da relação mãe-gatinho. O gatinho aprende a levantar a cauda, esfregar na sua mãe, e amassar e ronronar. Aliciar, é o que as mães lhes fazem de volta.

Então, eles estão a usar pedaços de comportamento já existentes no seu repertório para comunicar connosco. Não há muitos comportamentos, talvez meia dúzia.

É possível treinar os gatos?

Sim. Os gatos podem aprender o que é suposto fazerem. Se o seu gato desenvolveu um hábito [de saltar para cima na mesa da cozinha], existem maneiras limitadas para evitar isso.

Poderia usar um brinquedo de mola, para que quando um gato pula para cima de alguma coisa, o brinquedo vá dando estrondos e ascendendo no ar - o gato não gosta disso e salta para baixo. Outra razoavelmente boa [estratégia] é usar uma pistola de água de criança. Mas certifique-se que o gato não se apercebe que a tem. Os gatos não perdoam e, uma vez percebendo que uma pessoa está a causar-lhes ansiedade ou a magoá-los, afastam-se.

O que é que queremos que os donos saibam sobre os seus gatos?

Reconheça que os gatos são animais sociáveis até certo ponto, mas não tão sociáveis como os cães são. Muitas das pessoas que têm um gato decidem que gostariam de ter mais um gato, pensando que dois gatos são o dobro da diversão. Mas os gatos podem não pensar da mesma forma.

A mensagem simples que gostaria de passar que, se quiser ter mais de um gato, aborde o assunto de forma cuidadosa - e esteja preparado para desistir da ideia se ela não funcionar.

Esta entrevista foi editada e resumida.

Continuar a Ler