Ciência

Envelhecer em Portugal: o Estado do País

Atualmente, cerca de 20% da população portuguesa é idosa; em 2080 este número será quase de 40%. Quantos destes idosos estão de facto integrados na vida social?Wednesday, April 18

Por National Geographic
Vista da Rua Augusta, em Lisboa.

Um estudo recente do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que quase metade da população portuguesa terá mais de 65 anos dentro dos próximos 60. Num momento em que Portugal foi classificado pela Organização Mundial de Saúde como estando no bottom-down na Europa no que toca ao tratamento aos seus idosos, estas notícias são alarmantes.

Foi ainda publicado um comunicado pela Guarda Nacional Republicana (GNR), o “Censos Sénior 2017”, que dá conta de mais de 45 mil idosos sinalizados no ano passado por viverem sozinhos ou isolados, e dados de 2016 revelam que cerca de 40% da população portuguesa com mais de 65 anos se encontra sozinha durante 8 horas ou mais por dia. Ou seja, quase um milhão de idosos está em situação de solidão ou isolamento, que afeta mais homens que mulheres e está, em parte, associado ao nível de escolaridade.

Estes números são, no mínimo, assustadores, já que a solidão e isolamento social dos mais velhos leva a sofrimento, desinteresse pela vida e estados depressivos que podem ser fatais.

Idosos e Envelhecimento Ativo

Segundo a OMS, o termo “ativo” no contexto de envelhecimento, refere-se à “participação contínua na vida social, económica, cultural, espiritual e cívica”, indo “muito além da possibilidade de ser física e profissionalmente ativo”.

No entanto, há também dados de 2012 – do estudo “Rendimento do Trabalho depois da Reforma na União Europeia” publicado pela agência Eurofound – que sugerem que mais de 260 mil portugueses com mais de 65 anos ainda trabalham, estando assim numa posição ativa perante a sociedade e eles mesmos.

O estudo diz ainda que mais de metade destas pessoas têm por motivação principal aspetos que não são monetários, sugerindo que muitos o fazem porque se encontram capazes, porque gostam do que fazem, ou para “sentir-se úteis”, combatendo a solidão e o isolamento social.

Homem idoso à pesca acompanhado do seu cão.

Artistas que Venceram a Velhice

A História prova-nos que a idade avançada não significa necessariamente uma perda de capacidades para criar, produzir ou contribuir.

Pablo Picasso teve uma carreira de 80 anos e continuou a produzir obras de arte até ao dia da sua morte com 92 anos. Manoel de Oliveira realizou mais de 50 curtas, médias ou longas-metragens, durante 88 anos, tendo realizado o seu último filme aos 106 anos. José Saramago foi distinguido com um prémio Nobel da Literatura aos 76 anos.

Tantos, tantos outros artistas desafiaram os preceitos da sociedade de que o idoso é improdutivo, incapaz e dependente, e a hipótese de que os idosos não podem ser criativos ou ativos, cai por terra. Como se pode, então, contornar a tendência que se observa, de isolamento, afastamento e inatividade da população sénior portuguesa?

Promover a Inclusão Social e Vida Ativa dos Idosos

Há várias soluções para promover o retorno da população com mais de 65 anos à vida ativa, algumas delas passam por fomentar e incentivar o acesso a informação e educação como, por exemplo, universidades seniores – como já existem mais de 250 instituições em Portugal –, promover atividades socioculturais, incentivar à prática de exercício físico, ou até impulsionar a participação em projetos que são mais associados às camadas jovens, mas principalmente combater o idadismo.

Já são várias as iniciativas por parte de associações não governamentais que visam informar, integrar e estimular os idosos em Portugal. Aqui é de destacar o projeto Lata65, que inicia os nossos mais velhos no mundo do graffiti e arte urbana.

Lata65: Arte Urbana para Idosos

Lata65 é o projeto surgido em 2012 em Lisboa que organiza workshops de arte urbana destinados a seniores.

O projeto criado por Laura Seixo Rodrigues prova que o envelhecimento ativo, a solidariedade entre gerações e a democratização do acesso a arte contemporânea são completamente compatíveis e que, ultimamente, “a idade é só um número”.

Pablo Picassso como Exemplo

Pablo Picasso é o perfeito exemplo de alguém que prolongou o seu trabalho até muito perto dos 90 anos de idade.

A partir de dia 26 de abril às 22h10 não perca a estreia de Genius: Picasso, que nos conta a vida e obra do maior artista do século XX. 

Continuar a Ler