Descoberto em Portugal Um dos Dinossáurios Carcarodontossáurios mais Antigos

Thursday, September 20, 2018,
Por Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa
Fotografia de trabalhos de paleontologia de dinossáurio carcarodontossáurios
Aspeto dos trabalhos durante uma das fases de escavação, em 2003, na jazida paleontológica de Cambelas.

Um conjunto de fósseis do dinossáurio carnívoro, descoberto na região de Torres Vedras, indica a presença de carcarodontossáurios no Jurássico Superior de Portugal há 145 milhões de anos. Os membros deste grupo são no final do Cretácico, mais de 50 milhões de anos depois, os superpredadores dos continentes do sul.
Os resultados do estudo referente ao um conjunto de fósseis do dinossáurio terópode, descoberto em rochas datadas do final do Jurássico, na região de Torres Vedras, foi publicado a 18 de setembro, na edição online da prestigiada revista internacional Journal of Paleontology.
A paleontóloga Elisabete Malafaia, investigadora do Instituto Dom Luiz (IDL) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (Ciências ULisboa) e da Faculdade de Ciências da Universidade Nacional de Educação à Distância de Madrid (UNED), em Espanha, é a primeira autora do artigo, assinado ainda pelos paleontólogos Pedro Mocho, Fernando Escaso, Pedro Dantas e Francisco Ortega.

Reconstituição da disposição dos ossos fossilizados do pé direito do exemplar de dinossáurio terópode da jazida paleontológica de Cambelas.

A investigação decorreu, na sua maior parte, durante o doutoramento de Elisabete Malafaia, que após o mestrado em Geologia, ingressou em 2013 no doutoramento em Geologia, especializando-se em Paleontologia e Estratigrafia, em Ciências ULisboa, em novembro do ano passado. A Fundação para a Ciência e a Tecnologia financiou a investigação, que contou com a colaboração de uma equipa internacional de paleontólogos do IDL Ciências ULisboa e do Grupo de Biologia Evolutiva da UNED.
O conjunto de fósseis descrito neste estudo inclui uma sequência de vértebras caudais articuladas e um pé direito praticamente completo, para além de diversos fragmentos de outros elementos do esqueleto axial, apendicular e pélvico. O exemplar foi descoberto nas arribas da Praia de Cambelas, da freguesia de São Pedro da Cadeira, em Torres Vedras, em 2002 e escavado nesse ano e no ano seguinte, estando depositado na coleção paleontológica da Sociedade de História Natural.

Sequência de vértebras caudais do exemplar de dinossáurio terópode durante os trabalhos de escavação em 2003 na jazida de Cambelas.

O terópode de Cambelas é proveniente de níveis da formação geológica de Freixial datados de há cerca de 145 milhões de anos, representando um dos registos mais recentes destes dinossáurios no Jurássico Superior de Portugal. O estudo sistemático do espécimen permitiu identificar algumas características partilhadas com formas mais derivadas pertencentes ao grupo Carcharodontosauria, que são um grupo de dinossáurios terópodes alossauróides muito diversificado, típico de níveis cretácicos do hemisfério sul mas que está também relativamente bem representado no antigo supercontinente Laurásia, pelos taxa Concavenator e Neovenator do Cretácico Inferior de Espanha e de Inglaterra, respetivamente.
Os fósseis da jazida paleontológica de Cambelas sugerem ainda uma maior diversidade na fauna de dinossáurios terópodes alossauróides do Jurássico Superior de Portugal e, dentro destes, estendem o registo temporal do grupo Carcharodontosauria ao Jurássico Superior da Europa Ocidental. O exemplar descrito permite conhecer melhor a evolução inicial deste grupo de dinossáurios terópodes e constitui uma importante evidência para entender a sua dispersão durante o Jurássico Superior na Laurásia.

Continuar a Ler