Ciência

SpaceX Lança a sua Primeira Cápsula de Tripulação

Este voo não tripulado até à estação espacial é um passo fundamental nos planos da NASA para colocar astronautas em órbita, em naves comerciais.Wednesday, March 13, 2019

Por Nadia Drake
A nave Crew Dragon, da SpaceX, pousada no topo de um foguetão Falcon 9, antes do seu lançamento a 2 de março no Centro Espacial Kennedy da NASA, na Flórida.

Passaram quase oito anos desde que astronautas entraram em órbita a partir de uma rampa de lançamento nos EUA, mas isso pode estar prestes a mudar.

No dia 2 de março, pouco antes das 3 da manhã, um foguetão que transportava a primeira cápsula projetada pela SpaceX para humanos, a Crew Dragon, levantou voo de Cabo Canaveral, na Flórida. Tal como aconteceu em voos anteriores do Falcon 9, este foguetão reutilizável de primeira fase regressou à Terra, aterrando num navio drone 10 minutos depois de ter descolado.

Neste momento não existe ninguém dentro da cápsula. É apenas um lançamento de teste, chamado Demo-1 (linguagem da NASA), e foi criado para ajudar cientistas e engenheiros a encontrar defeitos no novo hardware e testar as operações do sistema em órbita. Este lançamento bem-sucedido representa um passo importante para o regresso dos voos espaciais aos Estados Unidos. Se um segundo voo de teste não tiver problemas, poderá descolar, já em julho, o primeiro voo da SpaceX com astronautas.

"Esta é realmente uma conquista significativa na história dos voos espaciais norte-americanos", disse o administrador da NASA, Jim Bridenstine, durante a transmissão do lançamento.

Com a Crew Dragon agora em órbita, vamos detalhar tudo o que precisa de saber sobre este marco espacial.

 

Se a cápsula de tripulação não leva ninguém, o que transporta?
Ripley, um “dispositivo de teste antropomórfico” – em homenagem à personagem interpretada por Sigourney Weaver na saga Alien – está a caminho da ISS (Estação Espacial Internacional) e vai ajudar os engenheiros a avaliar as condições dentro da cápsula de tripulação. Segundo o relatório da Sociedade Planetária, a cápsula transporta também uma Terra de peluche para indicar a entrada da cápsula em microgravidade, lastro para simular o peso da tripulação e da carga e quase 180 quilos de carga real para a estação espacial, como hardware e mantimentos.

“Assim que Ripley regressar a casa, vai dar-nos todos os dados, fazendo com que estejamos mais perto dos voos espaciais para todos”, diz Alireza Farjoud, da SpaceX.

Para onde vai a cápsula Crew Dragon?
A Crew Dragon vai acoplar-se autonomamente à ISS para que os astronautas a bordo da Estação Espacial possam descarregar os seus mantimentos, e os engenheiros possam garantir que o software da cápsula está em condições. Depois, no dia 8 de março, a Crew Dragon soltar-se-á da ISS e mergulhará no Oceano Atlântico, na costa da Flórida, transportando Ripley e carga nova, incluindo amostras de investigações científicas da Estação Espacial. A nave de resgate da SpaceX, chamada Go Searcher, recuperará a nave.

ver galeria

No que é que difere da cápsula de carga Dragon?
As naves de abastecimento de carga da SpaceX têm transportado itens entre a Terra e a ISS desde 2012. Mas a Crew Dragon é maior e mais pesada, e tem três janelas que ajudarão os passageiros a apreciar a vista. Está equipada com assentos, sistemas cruciais de suporte à vida e pode transportar até sete astronautas. Além disso, os oito motores de fuga SuperDraco dão aos astronautas a capacidade de escapar de “uma improvável situação de emergência na plataforma de lançamento ou durante a subida”, segundo a NASA.

Quando é que os humanos vão viajar numa?
Partindo do princípio de que este teste e o próximo correm bem, pode ser já em julho deste ano. A NASA designou os astronautas Robert Behnken e Doug Hurley para pilotar o voo inaugural.

O que é que isto significa para os acordos da NASA com a Rússia e com outras companhias espaciais?
A NASA está atualmente a comprar lugares a bordo da nave russa Soyuz, por cerca de 80 milhões de dólares, por bilhete; a agência espacial também está a investir numa cápsula comercial projetada pela Boeing, chamada CST-100 Starliner. O primeiro lançamento de teste da Starliner está marcado para abril, e se esse e os testes subsequentes correrem bem, a Starliner poderá levar a sua primeira tripulação ao espaço em agosto.

"A NASA continua a trabalhar com a Boeing e a SpaceX para projetar, construir, testar e operar sistemas de transporte de humanos, confiáveis e económicos, para a órbita terrestre baixa", disse, por email, Joshua Finch, representante da agência.

A NASA também está a trabalhar na sua própria cápsula Orion, que está a ser projetada para transportar astronautas para o espaço mais profundo. Se todas estas naves puderem transportar astronautas para a estação espacial e vice-versa, possivelmente, a NASA deixará de pagar lugares a bordo da Soyuz. Mas isso não significa necessariamente que os cosmonautas e os astronautas não possam partilhar viagens no futuro.

“A NASA e a Roscosmos continuarão a trabalhar de perto como parceiros na sustentabilidade de sistemas de exploração humana. Para operações seguras da Estação Espacial Internacional, enviámos tripulações que incluíam membros dos EUA e da Rússia ”, escreve Finch. Afinal de contas, e como o próprio nome indica, a estação espacial é feita de módulos projetados e construídos por vários países.

“Com tripulações integradas nos voos”, escreve Finch, “asseguramos que a Estação Espacial tem sempre um membro da tripulação dos EUA e da Rússia”.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler