Universidade de Évora estuda animais arrojados na costa alentejana

O projeto ARROJAL integra a rede nacional de arrojamentos e tem como ponto de partida a Universidade de Évora. Um dos seus objetivos é uma resposta mais rápida e eficaz às espécies que encalham na costa alentejana.

Por Catarina Fernandes
Publicado 13/08/2021, 12:23
Amostragem, por investigadora do projeto ARROJAL, de um golfinho-comum (Delphinus delphis) arrojado na costa a norte ...

Amostragem, por investigadora do projeto ARROJAL, de um golfinho-comum (Delphinus delphis) arrojado na costa a norte de Sines.

Fotografia por Francisco Neves

A Universidade de Évora lançou o projeto ARROJAL: Apoio à Rede Nacional de Arrojamentos – Rede Regional Alentejo, coordenado por investigadores do Laboratório de Ciências do Mar da Universidade de Évora (CIEMAR) / MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente.

Este projeto resulta de um protocolo de colaboração entre a Universidade de Évora e o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), com financiamento do Fundo Ambiental. O seu objetivo é estabelecer uma rede regional de resposta a arrojamentos de cetáceos e tartarugas marinhas ao longo da costa alentejana, desde Troia a Odeceixe.

Desta forma, o projeto da Universidade de Évora integra a Rede Nacional de Arrojamentos que, por sua vez, está dividida em redes regionais (Norte, Centro, Alentejo e Algarve) coordenadas por diferentes entidades, com o intuito de uma resposta mais rápida e eficaz à ocorrência de mamíferos e répteis marinhos encalhados na costa portuguesa.

A recolha de informação sobre as espécies

É entendido como arrojamento todo o animal marinho, vivo ou morto, que seja encontrado encalhado na costa, sendo mais frequente acontecer com animais mortos. Ainda assim, a ocorrência de arrojamentos com animais vivos tem aumentado significativamente, uma vez que há também um maior envolvimento por parte de entidades e cidadãos no relato destas situações.

Com a equipa no terreno, o projeto prevê recolher informação de forma sistemática acerca das espécies de mamíferos e répteis marinhos arrojados na costa alentejana. Para além disso, as amostras biológicas e a avaliação das causas de mortalidade também vão contribuir para as coleções do banco nacional de tecidos de animais marinhos.

Observações externas e medições biométricas, efetuadas por investigadores do projeto ARROJAL, de um golfinho-comum (Delphinus delphis) juvenil recentemente encontrado na praia do Farol, perto de Vila Nova de Milfontes.

Fotografia por Francisco Neves

Em Portugal continental, os arrojamentos encontram-se documentados desde o século XII. No entanto, os registos destes eventos eram esporádicos e casuais.

O país tem vindo a desenvolver um contributo para o aumento dos conhecimentos da biologia geral, constituição anatómica, fisiologia, anatomia, patologia, exposição a poluentes, ecologia, distribuição de populações e migrações de várias espécies marinhas.

O projeto ARROJAL divide-se em quatro ações principais

Os objetivos estabelecidos pelos investigadores do projeto têm quatro ações principais.

Num primeiro momento, a equipa foca-se na resposta a arrojamentos de animais mortos, disponível 24 horas nos sete dias da semana. O comprometimento é com uma resposta pronta e eficaz, para além da operacionalização da recolha dos animais e do posterior processo de necropsia e determinação da causa da morte.

Uma segunda ação surge com o auxílio na resposta a arrojamentos de animais vivos, através de uma equipa com disponibilidade total, coordenada com as entidades competentes em situações de arrojamento destes animais.

Num terceiro foco, a ação remete para o suporte de atividades pedagógicas e científicas, e de gestão da informação. Ocorre a realização de atividades de divulgação científica e educação ambiental, com o intuito de aumentar e disseminar este conhecimento, incluindo o aumento da literacia dos oceanos. Para além disto, estão também previstos programas de voluntariado.

Uma quarta e última ação incide sobre a preparação e preservação de amostras no banco de tecidos. Neste momento concentra-se a recolha e o processamento de amostras biológicas, assim como, a preservação e manutenção das amostras do banco nacional de tecidos.

Primeiros impactos da equipa no terreno

A primeira resposta a um arrojamento morto de uma espécie, no âmbito do projeto, ocorreu em maio de 2021, e foi realizada com sucesso. Na chegada ao local, a equipa identificou a espécie e recolheu as respetivas amostras.

O animal recolhido encontrava-se no limite norte do concelho de Sines, junto à lagoa da Sancha, e foi identificado como sendo um golfinho-comum, já em avançado estado de decomposição.

As causas dos arrojamentos são muito variáveis, podendo ser de origem natural como uma doença, a presença de parasitas ou eventos climáticos, ou de origem antrópica, ou seja, provocada devido à poluição das águas, à colisão com embarcações ou interações com artes de pesca.

Colaboração e articulação de uma série de entidades

A equipa do projeto da Universidade de Évora em colaboração com o ICNF é coordenada pelos docentes João CastroTeresa Cruz e pelos investigadores David Jacinto e Teresa Silva. Os investigadores Margarida Rolim e Francisco Neves fecham o leque de cientistas envolvidos no projeto.

Para além das instalações do Laboratório de Ciências do Mar da Universidade de Évora, em Sines, estão também a uso as instalações do Laboratório Monte do Paio, na Lagoa de Santo André, cedidas pelo ICNF. São ainda várias as entidades, desde capitanias, autarquias, autoridades marítimas e costeiras, associações de nadadores-salvadores, entre outras, com atuação na zona costeira entre Troia e Odeceixe que colaboram com o projeto ARROJAL.

Se detetar o arrojamento de um mamífero ou réptil marinho (vivo ou morto), na costa alentejana, poderá contactar a equipa do ARROJAL através do número +351 932 004 615. 

Continuar a Ler

Também lhe poderá interessar

Ciência
Dominique Gonçalves: “Tudo o que fazemos na natureza tem consequências para o bem-estar humano.”
Meio Ambiente
Summit 2022 | Programa
Ciência
BUB1, o gene responsável por nova doença rara na divisão celular
Ciência
Planta primitiva com mais de 300 milhões anos "redescoberta" em museu do Porto
Meio Ambiente
Esta região portuguesa outrora abandonada está a ser renaturalizada

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados