Espaço

A Lua de Saturno Tem a Mais Estranha Cadeia de Montanhas do Sistema Solar

Por Nadia Drake
Jápeto tem uma gigantesca cadeia de montanhas equatorial que ocupa a maior parte do caminho ao redor da Lua.

De todas as Luas do Sistema Solar, Jápeto tem de estar entre as mais estranhas. Nomeado assim pelo Titã da mitologia Grega, o estranho satélite de Saturno tem menos de metade do tamanho da Lua da Terra. Mas é um conjunto de enigmas: esmagada nos pólos, a Lua tem uma forma de noz, um rosto tão negro como o carvão e utiliza uma grande e pontiaguda cordilheira como um cinto.

Até a sua órbita é estranha: Jápeto é aproximadamente três vezes mais distante de Saturno que o seu vizinho mais próximo, Titã. E o caminho ao redor do planeta está inclinado, o que significa que oscila para cima e para baixo durante a órbita, em vez de ficar no plano dos anéis de Saturno como o resto do satélites “normais”.

Por outras palavras, é como se fosse o rebelde do sistema de Saturno, uma lua que prefere conviver atrás do contentor do lixo em vez de jogar à bola com as outras crianças.

Entre o mais estranho dos mistérios não resolvidos de Jápeto está a sua chique e pontiaguda cordilheira. Correndo em linha reta ao longo de três quartos do equador da lua, vemos como é enorme: cerca de 20 quilómetros de altura e 200 de largura. (O pico do Monte Evereste, em comparação, sobre apenas 8,85 quilómetros acima do nível do mar.)Não há mais nada assim no Sistema Solar.

Um close-up do cume irregular ao longo de Jápeto.

Os cientistas viram pela primeira vez o cume em 2004, e desde então, eles foram tentando descobrir como é que este tipo de coisa se formou. As primeiras teorias sugeriram atividade geológica dentro do próprio – talvez algo parecido com as placas tectónicas da Terra ou o vulcanismo que forçou o cume a subir ao longo do equador. Mas isso não fez muito sentido. A crosta da lua não estava esponjosa quando o cume se formou, a evidência de que a geologia teria estado ativa há pouco tempo.

Então, os cientistas pensaram que talvez o cume se tivesse formado como resultado do período de rotação da lua ter abrandado de repente. Algumas simulações preliminares sugerem que um dia na lua costumava durar 16 horas. Atualmente, porém, um dia em Jápeto dura 79 dias terrestres – o mesmo tempo que leva a dar a volta a Saturno (a lua está gravitalmente bloqueada, o que significa que anda pelo Espaço sempre com a mesma face para a frente).

Talvez, diz a equipa, um impacto gigante tenha bloqueado Jápeto no seu estado de rotação atual e a ação resultante da travagem tenha causado o cume.

Mas muitas destas teorias também prevêem outras caraterísticas geológicas estranhas (que não são observadas), ou supõem que a crosta tem uma determinada espessura (que pode não se verificar).

Em 2010, surgiu uma nova teoria. Talvez o cume seja o que resta de uma ex-lua – uma lua dentro de outra lua, sugere Andrew Dombard da Universidade de Illinois numa sessão do American Geophysical Union. Durante algum momento, durante a evolução do sistema de Saturno, disse ele, Jápeto pode ter tido um pequeno amigo, com cerca de 100 quilómetros de diâmetro. Se a lua capturou a pequena lua ou a pequena lua formada a partir de detritos foi ejetada por um impacto gigante (foi assim que a Lua da Terra se formou) não se sabe.

Mas eventualmente, aquele pequeno amigo ficou bastante perto da irritadiça Jápeto e acabou por ser destruído pela gravidade do planeta.

Quando a pequena lua se destruiu, disse Dombard, as suas peças formaram um anel efémero à volta do equador de Jápeto. Eventualmente o anel choveu sobre o satélite e depositou o gigante cume.

Em 2011, outra equipa sugeriu algo parecido, desta vez que um impacto gigante formou tanto o anel como a pequena lua. O anel viria a forma a cordilheira, enquanto a pequena lua se iria tornar uma das suas muitas bacias de impacto de grandes dimensões.

Evidências recentes, adquiridas a partir da própria forma do cume da montanha (íngreme e triangular), sugerem que peças a cair do alto podem fazer sentido. É mais ou menos a forma que se consegue quando se enche uma mão de areia e lentamente se polvilha para uma pilha.

No entanto, o facto do cume existir apenas durante três quartos do equador não é explicado por este cenário.

Resumindo, ainda não sabemos como é que Jápeto adquiriu as suas monstruosas montanhas. Mas a ideia de uma lua sobre uma lua, ou de uma lua com um anel, é estranhamente atraente. É uma pena que Jápeto tenha feito o seu pequeno amigo em pedaços.

Os restos de uma pequena lua?
Continuar a Ler