Astronautas dos Emirados em Contagem Decrescente Para Missão Científica na EEI

Depois de meses de treino intensivo, o primeiro astronauta emiradense partirá em breve numa missão histórica a bordo da Estação Espacial Internacional.terça-feira, 16 de julho de 2019

Por Catherine Zuckerman

No dia 25 de setembro de 2019, Hazzaa AlMansoori, antigo piloto de caças F-16 dos Emirados Árabes Unidos, tornar-se-á o primeiro emiradense a viajar ao espaço a bordo de uma nave russa Soyuz MS-15.

A sua viagem assinala um marco importante na crescente indústria espacial dos Emirados Árabes Unidos (EAU), liderada pelo Centro Espacial Mohammed Bin Rashid (MBRSC).

O seu parceiro emiradense, Sultan AlNeyadi, é o segundo na fila para fazer a viagem até à Estação Espacial Internacional (EEI).

Em setembro do ano passado, foram ambos anunciados como os primeiros astronautas emiradenses pelo vice-presidente e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos e governante do Dubai, Sua Alteza Sheikh Mohammed Bin Rashid Al Maktoum.

Chegar a este ponto tem sido uma aventura por si só. De acordo com o chefe do programa de astronautas dos EAU, Salem AlMarri, foi usada uma bateria de testes para reduzir o número de milhares de candidatos.

“Analisámos as suas capacidades em matemática, física, ciência e tecnologia, e o seu conhecimento sobre o espaço”, diz AlMarri.

“Conseguimos reduzir os 4.022 candidatos para cerca de 400”.

“Depois, passámos por outro processo que reduziu o número de candidatos para 95. Esses candidatos foram alvo de extenuantes testes médicos, dos quais 39 ficaram aptos para entrevistas individuais”.

Os candidatos passaram depois por outra ronda de testes de inteligência, aptidão, capacidade cognitiva, personalidade e memória.

Essas provas foram ultrapassadas por 18 candidatos que garantiram um lugar na fase final das entrevistas. A elite remanescente, de 9 aspirantes, foi escolhida para passar por uma avaliação feita pelos especialistas espaciais russos da agência Roscosmos.

Em abril de 2019, foi anunciado que AlMansoori, pai de quatro filhos e licenciado na Faculdade de Aviação Khalifa bin Zayed, iria treinar com a equipa principal para ser levado à EEI. As esperanças de uma nação jovem e vibrante partirão com ele.

O sonho espacial de AlMansoori começou quando era muito novo. “Eu costumava ir para as dunas durante a noite e ficava a olhar para as estrelas, ficava a pensar como é que conseguiria chegar lá.”

“Eu lembro-me de estar no quarto ano e ver um livro sobre um astronauta árabe, o príncipe Sultan bin Salman Al Saud, e pensei que aquela era a resposta – aquilo era possível para mim.”

“Foi por isso que me alistei na força aérea – sentia-me um pouco mais perto das estrelas.”

Preparação para a jornada
AlNeyadi, doutorado em tecnologias de informação, vai integrar a equipa de apoio. Ambos os astronautas continuam a participar num regime rigoroso de treino, no Centro de Treino de Cosmonautas Yuri Gagarin (GCTC), na Rússia.

O programa inclui treinos de voo parabólico onde ambos os astronautas usam fatos espaciais Sokol de 10 kg, durante 25 a 30 segundos, num ambiente de microgravidade. Os treinos também incluem sessões numa centrifugadora enorme para os preparar para as elevadas forças G de lançamento e reentrada.

Os treinos de sobrevivência ensinaram os astronautas a manterem-se vivos durante o brutal inverno russo, caso aterrem num local inesperado. Também aprenderam como sair de uma cápsula danificada e a construir dois tipos de abrigos com os recursos disponíveis.

A dupla também se aplicou para aprender os sistemas incrivelmente complexos da cápsula Soyuz, incluindo o Sistema Crítico de Lançamento de Fuga (LES) que a tripulação pode usar para separar a cápsula do foguetão em caso de emergência.

Em outubro de 2018, a Rússia foi forçada a abortar uma missão da Soyuz, logo após o lançamento, devido a uma falha técnica. Felizmente, os tripulantes a bordo regressaram à Terra em segurança.

Foi um dos poucos incidentes onde o robusto veículo de lançamento do programa espacial russo teve problemas.

“O LES é um sistema incrivelmente fidedigno e complexo… mesmo antes do lançamento temos a possibilidade de escapar.”

"O espaço é um tema sério e os acidentes podem acontecer, mas temos de confiar nos nossos conhecimentos e no equipamento", diz AlNeyadi.

Trabalho importante em órbita
Durante a sua permanência de 8 dias a bordo da EEI, AlMansoori vai estudar o impacto da microgravidade em 15 testes selecionados com base na competição "Ciência no Espaço", do MBRSC, que envolve escolas nos Emirados Árabes Unidos no processo de preparação de experiências para o espaço. Os alunos também vão efetuar as mesmas experiências na Terra, para comparar os resultados com os do espaço.

A reação do corpo humano ao espaço também vai ser estudada, antes e depois da viagem, sendo que esta vai ser a primeira vez que este tipo de investigação é feito num astronauta dos Emirados. Esta pesquisa, conduzida nos laboratórios a bordo da EEI, tem prioridade sobre as outras tarefas científicas atribuídas a AlMansoori.

AlMansoori diz que, quando içar a bandeira dos Emirados Árabes Unidos dentro da Estação Espacial Internacional, espera inspirar a sua nação.

“Vai ser uma honra enorme ser o primeiro astronauta emiradense a alcançar a EEI”, diz.

“Candidatei-me a este programa porque, quando era muito novo, tinha um sonho. E os nossos líderes inspiram-nos a alcançarmos os nossos sonhos.”

Descubra mais sobre o Centro Espacial Mohammed Bin Rashid dos Emirados Árabes Unidos e as suas missões espaciais planeadas na página Reach for the Stars.


Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com e é proveniente de uma parceria. Não reflete necessariamente as opiniões da National Geographic ou da sua equipa editorial.

Continuar a Ler