Estranho, Mas Verdade

6 Animais Ameaçados e o que Pode Fazer Para os Ajudar

Estes animais são espécies ameaçadas. Descubra o que pode fazer para os ajudar. Quarta-feira, 16 Maio

Por National Geographic

Há mais de 25 000 espécies consideradas vulneráveis, ameaçadas ou criticamente ameaçadas, na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Aqui estão algumas delas, e o que se pode fazer para evitá-lo.

TIGRE-DE-BENGALA

Este mamífero majestoso, originário da Índia, é uma das espécies ameaçadas. Deve o seu nome à sua localização, uma vez que é encontrado perto do Golfo de Bengala.

Pode medir até três metros (só a cauda, pode chegar a 90 cm). Pesa até 200 kg e o seu rugido é tão poderoso que se ouve a mais de três quilómetros de distância.

São conhecidos por serem agressivos, mas estes tigres mantêm-se longe dos humanos, só atacando quando se sentem ameaçados. São excelentes nadadores e caçadores, alimentando-se maioritariamente de mamíferos herbívoros, mas podem caçar aves, crocodilos, serpentes e até outros predadores como leopardos e ursos-preguiça.

Os tigres-de-bengala são frequentemente caçados como troféus, e também por causa de certas partes do corpo, como os dentes, que são usados na medicina tradicional chinesa. Isto, aliado à destruição dos seus habitats e diminuição das populações que são as suas presas, levou a que a população do tigre-de-bengala tenha vindo a diminuir drasticamente ao longo dos últimos 100 anos.

Este tigre, o mais popular da Índia e do mundo, conta hoje com apenas 3000 representantes no mundo inteiro.

PANDA-VERMELHO

Este mamífero omnívoro é conhecido também por panda-pequeno, raposa-de-fogo ou gato-de-fogo, por ser pequeno e ter pelagem avermelhada. Apesar de ser chamado de panda, não está relacionado com o panda-gigante – que é um urso, na verdade –, e pertence à sua própria família: Ailuridae. É natural da Ásia, encontrando-se nas montanhas do Nepal, no norte do Myanmar e na China central, e alimenta-se de bambu, frutas, bolotas, raízes, ovos e até pequenos pássaros.

São geralmente do tamanho de um gato doméstico, com caudas felpudas que podem medir até 50 centímetros, e pesam entre 3 a 6 kg.

Os pandas-vermelhos são muitas vezes comparados a gatos: enrolam-se para dormir, protegem-se do frio enrolando a cauda sobre si próprios, e lambem o pelo para fazer a higiene.

O seu maior inimigo é a desflorestação, que está a ameaçar a espécie e a diminuir significativamente as populações de pandas-vermelhos. O abate de árvores e o aumento dos terrenos agrícolas são os principais culpados da destruição do habitat destes tímidos omnívoros.

LONTRA-MARINHA

As lontras-marinhas são membros da família das doninhas e texugos. São mamíferos carnívoros, que vivem nas zonas costeiras do oceano Pacífico, e que se alimentam de pequenos moluscos invertebrados. São animais muito espertos que usam pedras para abrir as conchas! Apesar de serem animais pequenos, são bastante pesados, podendo ir dos 15 aos 45 kg.

Têm um pelo muito denso, quente e repelente à água, que ajuda a aguentar as temperaturas frias das águas. O pelo agarra pequenas bolhas de ar, fazendo-as flutuar facilmente. 

As lontras-marinhas foram amplamente caçadas no início do século XX, por causa do seu pelo, para fazer casacos e chapéus. Em 1911 a população de lontras-marinhas era tão baixa que se tornou ilegal a sua caça. Agora, a maior ameaça destes simpáticos animais marinhos são os derrames de petróleo e poluição dos mares, nomeadamente descargas domésticas.

TARTARUGA-VERDE

A tartaruga-verde é uma das maiores espécies de tartarugas em todo o mundo. Estes répteis que vivem até 80 anos, podem crescer até um metro e meio, e pesar mais de 350 kg. São normalmente encontrados nas costas do Atlântico na Europa e América do Norte, e nas costas do Pacífico, desde o Chile ao Alasca.

As tartarugas-verdes adultas são maioritariamente herbívoras, alimentando-se de algas e ervas marinhas, enquanto que as mais jovens podem comer invertebrados como caranguejos, medusas e esponjas.

Tal como outros tipos de tartarugas marinhas, as tartarugas verdes põem os ovos em terra. Um facto curioso é que gostam de longos banhos de sol, e são vistas frequentemente com focas e albatrozes na praia.

As tartarugas-verdes estão ameaçadas principalmente devido a comportamentos humanos. São caçadas pelos seus ovos e carne, e ainda afogadas acidentalmente em redes de pesca. São também afetadas indiretamente pela poluição, e os seus ninhos são muitas vezes destruídos por ação humana.

URSO-BEIÇUDO

Estes ursos-beiçudos são notívagos solitários originários das florestas Sul-Asiáticas. Alimentam-se de insetos e frutas frescas, mas ocasionalmente podem comer mel, ovos, pássaros ou carne. Têm o nome de “beiçudos” por causa da sua habilidade para sugar térmitas dos ninhos – os termiteiros. 

Os ursos-beiçudos são geralmente pretos e têm um padrão esbranquiçado em “V” ou “Y” no peito. Crescem até 2 metros de altura e podem pesar mais de 150 kg, fazendo deles animais pouco simpáticos, já que são um pouco agressivos.

As crias dos ursos-beiçudos gostam de se pendurar nas costas dos progenitores, principalmente da mãe, o que é um traço único entre os ursos.

Os ursos-beiçudos são considerados animais vulneráveis. São ameaçados pela perda de habitat, mas também são frequentemente capturados para serem usados em performances, como circos. Enfrentam ainda caça furtiva, por serem agressivos para humanos quando se sentem assustados, ou para se usar substâncias (como a bílis) em Medicina Tradicional Chinesa.

RAIA-MANTA

As raias-manta são animais que atraíram atenção recentemente quando se tornaram uma espécie ameaçada. São “primas distantes” dos tubarões, mas são muito mais dóceis. Podem chegar aos oito metros de envergadura e pesar mais de duas toneladas, sendo dos maiores peixes do mundo. São também chamadas de morcegos-do-mar, peixes-diabo ou raia-diabo, por apresentarem dois “chifres”.

As raias-manta alimentam-se essencialmente de plâncton e pequenos peixes, não possuem espinhos nem são venenosas, e têm os maiores cérebros, em comparação ao tamanho, de todos os peixes.

Estes curiosos peixes são extremamente inteligentes, são placentários – têm apenas um filho por cada gestação, que dura 13 meses –, e podem viver mais de 20 anos. São conhecidos casos de mergulhadores que foram à boleia de raias-manta, já que estas são dóceis para humanos.

A raia-manta está classificada como vulnerável na lista de espécies ameaçadas da IUCN, devido a pesca excessiva e capacidade reprodutiva lenta. Estes animais sofrem ainda com a poluição dos oceanos, e são frequentemente mortas por asfixia em plásticos grandes ou em redes destinadas a outros peixes.

O QUE PODEMOS TODOS FAZER PARA PARAR A EXTINÇÃO DESTES ANIMAIS?

ESPALHAR A PALAVRA

Pode parecer inútil, mas não é! Falar sobre o assunto, e sensibilizar o máximo de pessoas para as ameaças que estes animais encontram é muito importante.

SER UM “TURISTA RESPONSÁVEL”

Muitos destes animais abandonam os seus habitats, ou são até mortos, pelo excesso de turismo não sustentável. Conservar os habitats e não os invadir, bem como não perturbar a vida destas espécies é um bom começo para evitar que as populações decresçam ainda mais.

PROTEGER E CONSERVAR O AMBIENTE

O planeta não é só a nossa casa, dos humanos, mas também de toda a vida. Por isso, temos de preservá-lo. Reduzir a poluição dos mares e florestas, a emissão de dióxido de carbono que provoca aquecimento global, poupar água e combater a desflorestação, são algumas medidas que cada um de nós pode tomar.

ESTAR ATENTO AO USO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

Às vezes, se lermos os rótulos daquilo que consumimos ficamos espantados. Devemos sempre evitar o uso de derivados de espécies ameaçadas, como por exemplo, suplementos alimentares com guelras de raias-manta ou roupa com pele de lontra, ou ainda souvenirs de dente de tigre.

APADRINHAR UM ANIMAL

Várias organizações e fundações permitem a “adoção” de um animal ou espécie, por donativo. Ao fazer isto, estará a ajudar cientistas que investigam espécies ameaçadas e organizações que as protegem. Além disso, muitas destas fundações permitem aos “padrinhos” seguir o desenvolvimento do animal em questão, muitas vezes dando informações e notícias, e até fotografias.

SABIA QUE O EXÉRCITO AMERICANO CHEGOU A UTILIZAR GOLFINHOS COMO SOLDADOS?

Fazer a diferença é fácil, basta que cada um de nós faça um pouco. Conhece aqui todos os animais do Happy Meal!

Continuar a Ler