Manta

As mantas são os peixes com o maior cérebro do mundo, face à dimensão do corpo.quarta-feira, 16 de maio de 2018

Por National Geographic
Iluminada pela luz traseira de uma embarcação turística nas Maldivas, uma manta juvenil dá cambalhotas, roda e dança pelos raios de luz durante horas.

Nome comum: Manta, Raia-Manta, Jamanta
Nome científico: Manta biostris/Manta alfredi
Classe: peixe cartilagíneo
Dieta: omnívora
Esperança média de vida no habitat natural: 30 a 50 anos
Tamanho: 3 a 7 metros, em idade adulta
Peso: até 1650 quilos 

Classificação na Lista Vermelha da UICN: VULNERÁVEL

Conteúdo National Geographic em parceria com a McDonald's

A National Geographic e a McDonald’s unem-se numa parceria criando uma nova coleção de Happy Meal com os animais do mundo selvagem. O programa, composto por 12 peluches National Geographic, exclusivos no Happy Meal, convida as crianças a aprender mais sobre os diferentes animais, partilhando factos reais e surpreendentes da história e comportamentos da sua espécie.
Do tigre-de-bengala ao majestoso pinguim-imperador, são muitos os animais e os factos por explorar numa verdadeira e divertida aventura pela selva!
 
Mais curiosidades sobre a história deste animal marinho e dos restantes animais em forma de peluche, exclusivos no Happy Meal, nos restaurantes McDonald’s.

SOBRE AS MANTAS

As Mantas são peixes cartilagíneos de duas espécies: Jamanta Oceânica (Manta Biostris), e Jamanta de Recife (Manta Alfredis). Até 2009, pensava-se que existia só uma espécie de Manta, pelo que frequentemente são confundidas. Pertencem à mesma família dos tubarões e raias, e evoluíram há vinte milhões de anos.

As Jamantas de Recife são raias que têm um tamanho médio de 3-3,5 metros, mas podem alcançar até 5 metros de comprimento total. São frequentemente avistadas em águas tropicais ou subtropicais quentes do Indo-Pacífico.

As Jamantas Oceânicas são geralmente maiores, tendo um tamanho médio de 4-5 metros, mas podendo alcançar até 7 metros. Habitam as águas tropicais, subtropicais e temperadas dos oceanos Atlântico, Índico e Pacífico. As Jamantas Oceânicas podem ainda ser encontradas nos Açores.

COMPORTAMENTO SOCIAL

Ainda pouco se sabe sobre os comportamentos das Jamantas. São peixes migratórios – principalmente as Oceânicas – e extremamente sociais: alimentam-se, visitam estações de limpeza e brincam juntas às cambalhotas, em grupos de cerca de 30 indivíduos.

As Jamantas Oceânicas são conhecidas por darem saltos á superfície da água. Este comportamento pode fazer parte de um ritual de acasalamento, ou apenas pura diversão.

As jamantas fêmeas escolhem um macho para acasalar ao fim de vários dias de corte, e as gestações têm a duração de 13 meses.

CARACTERÍSTICAS SIMPÁTICAS

As Jamantas são normalmente pretas no dorso, com padrões em forma de “Y” (oceânica) ou “T” (de recife) a cinzento, e brancas nas barrigas, com manchas pretas – um traço que nunca muda e que as torna distintas.

Apesar de assustadoras para alguns, as Jamantas são animais inofensivos para os humanos. São chamadas de Peixe-Diabo, Raia-Diabo, Morcegos-do-Mar, por terem duas projeções cefálicas (espécie de barbatanas) que se assemelham a “cornos”. Estas projeções cefálicas são usadas para se alimentarem, já que não têm dentes, e alimentam-se de plâncton, zooplâncton e por vezes pequenos peixes, que sugam através de um órgão filtrador na boca.

Tal como os tubarões, as Jamantas não podem parar de nadar, ou afundariam, e dormem nadando lentamente em pequenos círculos.

Em alguns locais onde existem populações de Jamantas é possível fazer mergulho turístico e nadar com elas, como em Santa Maria, nos Açores.

CONSERVAÇÃO E AMEAÇAS

Os únicos predadores conhecidos das Jamantas são tubarões grandes e humanos. As populações de Jamantas Oceânicas e Jamantas de Recife estão a decrescer e ambas as espécies são consideradas vulneráveis da Lista Vermelha da UICN.

As Jamantas são pescadas frequentemente para uso alimentar, para serem usadas como isco de tubarões e ainda porque certas partes do seu corpo, como as guelras, são vendidas em mercados asiáticos.

Devido à sua vulnerabilidade, as Jamantas são espécies protegidas – e a sua pesca é proibida – em alguns países como Peru, Estados Unidos, República das Maldivas, Equador e Nova Zelândia.

ver galeria
Continuar a Ler