Alternativas Para as Crianças Não Estarem Sempre a Olhar Para Ecrãs

Neste momento, não se deve preocupar com o facto de as crianças terem demasiada tecnologia. Mas pode tentar seguir algumas destas ideias para fazer com que regressem “à vida real”.

Monday, May 25, 2020,
Por C.M. Tomlin
Fotografia de Jupiterimages / Getty Images

Os pais preocupam-se desde sempre com o tempo que os seus filhos passam a olhar para um ecrã. Mas a pandemia exacerbou ainda mais estes níveis de preocupação, sobretudo numa altura em que as famílias planeiam “férias” de verão em casa. “O tempo que passavam a olhar para um ecrã já era difícil de gerir quando havia muitas outras coisas para fazer”, diz Brad Taylor, pai de duas crianças que vive na cidade de Fort Thomas, no Kentucky. “Mas é ainda mais difícil quando essa pode ser a única ligação que as crianças têm com o mundo exterior.”

Apesar de os especialistas aconselharem os pais a não se preocuparem com o acesso interminável à tecnologia durante esta pandemia, ficar offline pode abrir oportunidades para fomentar a criatividade, a independência e os vínculos familiares. (Para além de aliviar o cansaço dos olhos das crianças.)

“Independentemente da pandemia, uma das coisas mais poderosas que os pais podem oferecer aos filhos é atenção”, diz o professor Nicholas Salsman, da Escola de Psicologia da Universidade Xavier. “O tempo longe dos ecrãs pode dar aos pais uma forma de modelar os comportamentos sociais dos filhos, e oferecer mais oportunidades para interagir, para os ensinar e até para os ouvir de maneiras diferentes.”

Seja qual for o tipo de tecnologia pelo qual o seu filho está obcecado, temos algumas soluções. Eis algumas formas de criar atividades benéficas longe da rede Wi-Fi.

VIDEOJOGOS
Se isto lhe parece familiar...
As crianças passam horas a fio num mundo de fantasia digital a apanhar moedas ou a lutar contra vilões.

Tente o seguinte: Em vez da recolha de tesouros digitais, peça às crianças para procurarem os verdadeiros tesouros da sua família. Desafie o seu jogador a encontrar aquelas coisas há muito esquecidas que estão guardadas pela casa, seja o equipamento de futebol do pai guardado na garagem, ou os cromos de futebol no sótão. Depois, peça para inventarem os seus próprios jogos com estas coisas, como por exemplo criar novas regras para um jogo no quintal, ou para formarem uma equipa de estrelas com os cromos. (Bónus: Acabou de receber a ajuda do seu filho para limpar a garagem ou o sótão!)

Ou isto: Troque o Super Mario Odyssey por uma odisseia mental improvisada com exercícios de ioga e alongamentos para crianças. Peça aos miúdos para usarem a imaginação e para criarem um novo mundo para explorar mentalmente enquanto fazem os exercícios. Faça perguntas: Qual é a cor do céu aqui? Até que altura é que as flores crescem? E também pode fazer poses com base em animais. Isto ajuda a estimular a criatividade, mas também é muito bom para relaxar. “Explorar o mindfulness enquanto se faz ioga cria uma sensação de calma e reduz os sentimentos de ansiedade”, diz a instrutora de ioga Tiffany West.

VÍDEOS INTERMINÁVEIS
Se isto lhe parece familiar...
Os olhos dos seus filhos estão colados a um ecrã a ver horas intermináveis de vídeos, ou não largam a televisão.

Tente o seguinte: Se as crianças são atraídas para os ecrãs porque precisam de mudar de cenário, ajude-as a criar um novo visual para o local onde passam a maior parte do tempo: nos seus quartos. Incentive-as a imaginar um novo design para o seu espaço pessoal, perguntando como reorganizariam os móveis, como poderiam melhorar a organização do quarto e até mesmo como o decorariam. Depois, faça o que puder para colocar as boas ideias das crianças em prática, seja com itens reaproveitados de casa, ou com itens comprados numa loja quando possível. Um fim de semana passado a arrumar o quarto com a criança promove o sentido de cooperação e de resolução de problemas, enquanto se dá uma vida nova a um espaço que neste momento parece cada vez mais confinado.

Ou isto: É definitivamente divertido ver programas de competição culinária, por isso, pode tentar criar a Grande Competição de Culinária da Família [INSERIR O NOME DA SUA FAMÍLIA AQUI]. Distribua as tarefas como achar melhor: cada um pode fazer a sua própria receita com uma lista específica de ingredientes, ou então podem fazer uma competição entre os cupcakes do pai e da irmã mais velha e os brownies da mãe e do irmão mais novo. Todos concordamos que ninguém sai a perder com uma casa cheia de sobremesas.

MENSAGENS DE TEXTO
Se isto lhe parece familiar...
As mensagens de texto dos seus filhos descontrolaram-se depois de semanas de confinamento em casa.

Tente o seguinte: Nesta conversa offline não são permitidos emojis ou LOL (exceto os reais). Peça à sua família para elaborar uma lista de 20 perguntas para cada pessoa. Qual foi o momento mais embaraçoso? O que gostariam de fazer e que não puderam? Uma noite de interação real entre a família é mais importante do que os “Tás aí” e os GIFs que atualmente são considerados uma conversa em muitas das mensagens de texto.

Ou isto: Em vez de passarem o tempo todo a enviar mensagens de texto para os amigos, peça às crianças para trocarem o elenco das suas séries e filmes favoritos pelos seus próprios amigos. Qual seria o amigo mais indicado para fazer de SpongeBob SquarePants? Quem seria o Troy ou a Gabriella do filme High School Musical? Não peça aos seus filhos para revelarem os elencos (é uma coisa pessoal!), mas é algo que pode dar origem a uma conversa divertida entre amigos quando os confinamentos sociais terminarem.

REDES SOCIAIS
Se isto lhe parece familiar...
Adolescentes e pré-adolescentes que passam horas a ver publicações nas redes sociais.

Tente o seguinte: Se as crianças passam demasiado tempo a partilhar e a publicar o meme mais recente, peça-lhes para criarem as suas próprias versões com base nos pontos fracos da sua família. (Antes de existir o Instagram, já existiam fotografias físicas reais, e provavelmente todos temos muitas em casa.) Mostrar fotografias do corte de cabelo do pai na escola secundária, ou a mãe a posar com o vestido do baile de finalistas, e até as próprias fotografias dos seus filhos quando eram bebés, pode dar origem a uma noite hilariante onde se tenta criar o melhor meme para cada imagem. Se quiserem, até os podem transformar em memes reais – talvez a sua família fique viral na internet!

Ou isto: Incentive as crianças a parar de “gostar” das imagens inspiradores de outras pessoas e peça para começarem a criar as suas próprias imagens motivacionais. Peça para folhearem revistas antigas (também pode contornar as regras e fazer umas pesquisas online, não faz mal) para criarem as suas próprias mensagens do que querem fazer quando isto tudo passar: coisas que mal podem esperar para fazer, amigos que precisam mesmo de ver, ou lugares que gostariam de visitar.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com.

Continuar a Ler