Precisa de Uma Nova Ideia Para Entreter os Seus Filhos? Experimente Observação de Estrelas.

O céu noturno oferece atividades pedagógicas – mesmo para olhos destreinados.

Monday, May 4, 2020,
Por Andrew Fazekas
Fotografia de vchal / Shutterstock


Os seus filhos já começam a revirar os olhos quando sugere atividades recicladas – e aborrecidas – para fazer durante estes dias em casa? Eis uma ideia: olhe para cima.

A observação de estrelas é uma atividade que pode ser feita em família – e é uma boa desculpa para dar a conhecer a astronomia às crianças. Para começar, os pais podem ensinar as coisas básicas do cosmos aos seus filhos, coisas como as principais constelações, os planetas e a lua.

E agora é realmente uma boa altura para explorar o céu noturno. Com grande parte das empresas e lojas encerradas um pouco por todo o mundo, as estrelas nunca estiveram tão brilhantes e fáceis de detetar – devido à ausência de poluição luminosa que interfere na observação do céu noturno. Eis algumas ideias para introduzir a sua família a esta atividade.

Ferramentas de observação estelar
Tudo o que realmente precisa é de uma visão do céu noturno e dos seus olhos. Mas uns binóculos ou um telescópio barato podem melhorar a experiência.

Um par de binóculos 7x50, o tamanho mais popular, é o ideal para observar o céu. Quando se trata de telescópios familiares, os dois principais tipos são os refratores à base de lentes, e os refletores que focam a luz das estrelas através de espelhos. As características que deve procurar são lentes de alta qualidade, uma construção sólida e um conjunto de três oculares para poder alterar a ampliação.

Existem alguns sites que também podem ajudar nestas observações. Por exemplo, o site SpaceWeather publica previsões atualizadas sobre quando é que as auroras solares – espetáculos coloridos de luzes – brilham no hemisfério norte ou sul. O site Heavens-Above mostra a localização da Estação Espacial Internacional e de outros satélites que orbitam por cima das nossas casas. E o Skymaps tem downloads gratuitos de cartografias mensais – que pode imprimir – com as localizações das estrelas mais brilhantes no céu de cada região.

Os telemóveis também podem ser usados para percorrer o céu noturno. Existem aplicações gratuitas, como a Star Chart, que permitem apontar o telemóvel para o céu durante a noite e rastrear as posições de inúmeras estrelas e planetas.

Comece pela lua
Independentemente do sítio onde vive, a lua é um bom ponto de partida. Sem binóculos ou um microscópio, o nosso vizinho cósmico é o objeto mais fácil de observar.

Fotografia de Kei Shooting / Shutterstock

Peça às crianças para identificarem as manchas mais brilhantes da lua – são áreas cobertas por cordilheiras montanhosas com 6.000 metros de altura e por regiões repletas de crateras de todos os tamanhos, algumas maiores do que a cidade de Nova Iorque.

Com um par binóculos ou com um telescópio, o melhor momento para explorar a superfície da lua é quando o seu disco está meio iluminado (em quarto crescente ou minguante). Preste atenção à linha de fronteira entre o lado iluminado pelo sol e a parte escura do disco lunar. É nesta região que pode ver as longas e impressionantes sombras projetadas pelas cordilheiras montanhosas irregulares e pelos aros elevados das crateras. Incentive as crianças a imaginarem o que os astronautas da Apollo 13 sentiram quando viram a lua de perto, quando a orbitaram há mais de 50 anos.

Eis uma ideia para um projeto com a temática astronomia: peça aos seus filhos para tirarem fotografias da lua ao longo das suas fases mensais. Se quiser que as imagens  tenham um impacto ainda mais dramático, enquadre-as com objetos em primeiro plano, como a sua casa ou uma árvore, ou talvez consigo na fotografia – uma selfie lunar. No final do mês, pode criar um mosaico de imagens com uma aplicação para telemóvel gratuita, como a Layout do Instagram.

Visite mundos longínquos
A olho nu, consegue facilmente ver cinco planetas – Mercúrio, Vénus, Marte, Júpiter e Saturno – ao final do dia e ao amanhecer, durante todo o ano e em qualquer parte do planeta.

Em abril e maio, ao final do dia, os observadores do mundo inteiro podem olhar para o céu ocidental e ver Vénus, o objeto mais brilhante no céu. Entretanto, se olhar para leste, uma hora antes do nascer do sol local, pode ver Marte, Júpiter e Saturno.

Apesar de estes três planetas estarem a muitos milhões de quilómetros de distância, e de basicamente parecerem estrelas, é possível discernir a diferença entre cada um. Júpiter, o mais brilhante, tem um tom branco-creme; Saturno é amarelo-dourado; e Marte tem uma cor ténue vermelha alaranjada devido à poeira de ferrugem que cobre a sua superfície.

Para fazer uma experiência divertida, peça aos miúdos para olharem pelos binóculos para Júpiter; vão conseguir ver as quatro maiores luas do planeta, da mesma forma que o astrónomo italiano Galileu as viu há mais de 400 anos com o seu o telescópio.

Depois, peça para desenharem as posições das luas ao lado de Júpiter. Nas noites seguintes, verifique novamente as luas e veja como mudaram de posição.

Viaje pelas estrelas
Um dos padrões estelares mais famosos do hemisfério norte é a Ursa Maior.

Na próxima noite limpa desta primavera, olhe bem alto para o céu do norte e localize a “tigela” da constelação que parece estar a derramar o seu conteúdo na Terra. Use as estrelas que marcam a extremidade da tigela para traçar uma linha imaginária em direção ao horizonte, até atingir a próxima estrela mais brilhante. É a Estrela Polar, que faz parte da constelação Ursa Menor.

Fotografia de Rastan / Getty Images

Para quem vive no hemisfério sul, a distinta e completamente visível constelação de Crux, ou Cruzeiro do Sul, é um bom ponto de partida para viajar pelas estrelas do céu noturno. Primeiro, peça aos seus filhos para identificarem a coluna da cruz com os binóculos, e para traçarem uma linha imaginária por baixo. Isto leva até um ponto entre a Grande e a Pequena Nuvem de Magalhães, duas das maiores e mais brilhantes galáxias anãs que orbitam a nossa Via Láctea.

Depois, diga-lhes para olharem para os braços da cruz e para seguirem para a direita, até alcançarem um objeto brilhante semelhante a uma nuvem. Esta é a nebulosa Eta Carinae, uma nuvem gigante de gás e poeira que fica a 10 mil anos-luz de distância da Terra.

E não se esqueça da nossa galáxia, a Via Láctea. Nos próximos meses, o brilho fantasmagórico das estrelas da Via Láctea vai ficar mais visível. Use uns binóculos para visitar os milhões de estrelas que atravessam o céu.

Fotografia de VW Pics / Universal Images Group via Getty Images

Resumindo, com os olhos e um mapa estelar é possível fazer uma viagem em família pelo universo – mesmo sem sair de casa.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com.

Continuar a Ler