As Crianças Precisam das Tradições Festivas – Mesmo num Ano Atípico Como Este

Descubra também algumas ideias criativas para ajudar a sua família a celebrar em segurança.

Publicado 26/11/2020, 16:23 WET
Fotografia de Marko Geber / Getty Images

Realmente não há lar mais doce do que o nosso para celebrar as festividades este ano. Com os casos de coronavírus a dispararem nas últimas semanas, os especialistas em doenças infecciosas dizem que a forma mais segura para celebrar é em casa – e apenas com as pessoas que vivem connosco.

Isto não significa que a pandemia é uma espécie de Grinch que rouba o Natal ou outra festividade de inverno à nossa família. Na verdade, os especialistas dizem que este ano, manter as tradições, mesmo com alterações, é particularmente importante para as crianças.

“A maioria das pessoas começa a duvidar se a vida algum dia irá regressar ao normal”, diz Dawn Huebner, conselheira parental e autora de Outsmarting Worry. “Para as crianças, as tradições proporcionam conforto, segurança e uma sensação de continuidade. Manter o que for possível, e depois adaptarmo-nos à realidade COVID, ajuda as crianças a sentirem que a vida não está completamente irreconhecível.”


Por que razão temos tradições

Encontrar conforto nas tradições não é uma novidade. Os rituais de celebração existem desde que os humanos caminharam pela Terra pela primeira vez, algo que, de acordo com William Moore, diretor do Programa de Estudos Americanos e de Nova Inglaterra da Universidade de Boston, costuma acontecer em momentos de transição no nosso ciclo de vida, ou em momentos de transição no mundo que nos rodeia.

O exemplo clássico no ciclo do calendário é o ritual do solstício de inverno. William Moore diz que os dias ficam mais escuros e parece que o mundo está a acabar, pelo que precisamos de um ritual para garantir que o sol vai nascer novamente e que a primavera também vai chegar.”

E não é coincidência, acrescenta William, que as festividades aconteçam nestas transições sazonais. “Estamos sempre à procura de garantias, e as festividades dão-nos isso. Estes rituais ajudam-nos a assegurar que o futuro será igual ao passado.”

Para as famílias, as tradições festivas também têm um significado, e é isso que faz com que as pessoas as queiram repetir, diz Rhys Williams, diretor do Centro McNamara para o Estudo Social de Religião da Universidade Loyola de Chicago.

“Quando as coisas são feitas intencionalmente e ao longo do tempo – sobretudo se tiverem a qualidade de ‘fazemos desta forma’ – há a sensação de que estamos unidos”, diz Rhys. “A parte da tradição que ritualmente tem significado é um elemento que, se o removêssemos, iria dar a sensação de que algo estava errado.”

Talvez a maratona de filmes no final do ano não fosse a mesma sem o caramelo nas pipocas. Ou talvez a Páscoa não fosse a mesma sem os ovos.

Ao nível prático, descobrir o que torna uma tradição festiva tão importante para a nossa família ajuda a adaptarmo-nos, diz Rhys. Se os pais não souberem quais são as tradições que de alguma forma precisam de ser preservadas este ano, devem perguntar aos filhos quais são as mais importantes para eles e o que dá significado a essas tradições.

Como as tradições festivas beneficiam as crianças

Quer sejam feitas em tom de brincadeira (como o concurso da camisola mais feia), ou mais sérias (como a Missa do Galo na Véspera de Natal), as tradições festivas em família podem fazer uma diferença positiva na vida de uma criança.

“Os rituais e as tradições ajudam as crianças a construir a sua própria noção de identidade, e dá-lhes uma base segura para aprender e crescer”, diz Robyn Brookshire, diretora do Centro de Aprendizagem Inicial para Pesquisa e Prática da Universidade do Tennessee, em Knoxville; este centro representa famílias de diversas origens raciais, étnicas, culturais e socioeconómicas.

Robyn Brookshire explica que manter as tradições é particularmente importante para famílias de cor e famílias de imigrantes, porque estas crianças costumam sentir na pele os estereótipos sobre a identidade cultural ou racial da sua família.

“Por exemplo, as crianças podem sentir-se marginalizadas quando um professor celebra o Natal e não é isso que a sua família celebra em casa”, diz Robyn. “Os filhos de imigrantes precisam de saber que têm origens fortes e que vêm de um lugar rico em tradições, porque o mundo vai dizer-lhes o contrário.”

Para todos os pais e filhos, as tradições festivas também ajudam a construir uma unidade familiar, que geralmente se estende ao longo de gerações e fronteiras geográficas. Dawn Huebner diz que, este ano, construir essa unidade será uma coisa extremamente localizada – dentro da família que vive sob o mesmo teto – e que isso não é uma coisa má.

Dawn explica: “Quando as crianças conseguem construir memórias de diversão com a sua própria família, isso pode ajudá-las a superar os momentos mais difíceis na vida, seja na adolescência ou durante uma crise como a que vivemos agora.”

Oito formas para adaptar as tradições festivas

Este ano, independentemente da forma como a sua família costuma celebrar as festividades, provavelmente será necessário adaptar algumas tradições, ou adotar outras novas. Dawn diz que as crianças devem ser informadas de que as festividades não foram canceladas – e que algumas coisas vão simplesmente ser alteradas devido à pandemia.

“Não fique ansioso a pensar que as crianças vão ficar tristes com esta informação”, acrescenta Dawn. “Geralmente, as crianças ficam entusiasmadas com as festividades, independentemente da forma como são celebradas.”

Dawn sugere que, quando é necessário adaptar algo, se tente ligar essa atividade a uma tradição mais familiar. Por exemplo:

Se geralmente envia um cartão de festividades, faça-o em formato digital. Evite deslocações aos correios e envie saudações através de um serviço digital. Faça um cartão com os seus filhos usando fotografias captadas exclusivamente em 2020, como por exemplo imagens das crianças a conversarem com a avó por videochamada, a colocarem a máscara para irem passear o cão, e a “caminho” da escola, que pode ser tirada na sala de jantar caso os seus filhos estejam a estudar em casa.

Se costuma viajar de férias ou para visitar familiares, faça caminhadas de inverno. Dado que fazer menos compras nas lojas oferece mais tempo para estar com a família, use estas horas extra para “viajar” com os seus filhos, seja a caminhar pelo bairro ou por um parque que fique perto da sua casa. Tente descobrir algo novo todos os dias, como árvores antigas, vida selvagem e outras maravilhas que as crianças não podem ver quando as árvores estão verdes. Integre o resto da sua família nestas viagens, partilhando as descobertas mais interessantes através de videochamada.

Se as crianças se costumam juntar com os primos, faça uma festa de cinema virtual. Comece com um clássico de Natal como Sozinho em Casa e “convide” os primos para verem os filmes em streaming através de uma aplicação preparada para o feito. Ao contrário dos cinemas, as crianças podem falar livremente e alguns serviços permitem carregar fotografias e têm funções de conversação integradas.

Se costuma trocar bolachas ou doces durante as festividades, organize uma festa de doces ao domicílio. Adoce o distanciamento social com uma festa virtual de bolachas. Embale sacos de presentes com o básico: confeitos, glacé, cortadores de biscoitos e uma receita simples para fazer bolachas. Inclua um convite para as pessoas participarem e “partilharem” fotografias das bolachas (via sms ou através das redes sociais) até uma determinada data. Faça a entrega sem contacto, deixando os sacos pendurados nas maçanetas das portas, para convidar as pessoas a participar.

Se costuma oferecer e receber presentes, faça um vídeo a agradecer. As crianças podem criar pequenas mensagens em vídeo com diferentes aplicações, ou os pais podem filmar as crianças a abrir os presentes e enviar mais tarde. Desta forma, a tia Vanda já não precisa de acordar às 3 da manhã para ver o sobrinho a abrir o conjunto de Lego que lhe ofereceu.

Se costuma reunir toda a família, faça a “refeição”. Não há nada melhor do que comida para despertar boas memórias das festividades. Mas como este ano não se pode reunir a família, isso pode significar que alguém vai sentir saudades daquele prato tradicional que um familiar acaba sempre por levar. Prepare uma receita com os seus filhos para se sentirem mais ligados ao resto da família.

Se os seus filhos costumam participar em festas de Natal, organize um piquenique. Como os noruegueses costumam dizer, “Det finnes ikke dårlig vær, bare dårlig klær!”, ou “Não há mau tempo, apenas roupas más!” Se as medidas de prevenção da Direção-Geral da Saúde assim o permitirem, convide os melhores amigos do seu filho para se encontrarem no quintal ou num parque local. Peça a todos para se agasalharem e para levarem cobertores para se sentarem (a dois metros de distância uns dos outros). Distribua sacos individuais com um lanche e sirva chocolate quente em canecas que as crianças possam guardar. Pode adicionar tradições familiares, como ouvir e cantar músicas de Natal.
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com.

Continuar a Ler