Fotografia

O Grande Vencedor do Nosso Concurso no Instagram

Os utilizadores do Instagram submeteram mais de 94.000 fotografias em 24 horas. Esta é a fotografia que os nossos editores de fotografia, fotógrafos, e seguidores gostaram mais.Wednesday, March 13

Por National Geographic Staff
Na Reserva Nacional Masai Mara, no Quénia, as zebras procuram crocodilos enquanto gnus atravessam o rio. Fotógrafo Muhammed Muheisen: "A imagem é tão dinâmica, com uma profundidade poderosa que me fixa o olhar. Um momento bem captado".

Para comemorar os 100 milhões de seguidores no Instagram, a National Geographic realizou um concurso de fotografia, utilizando a hashtag #natgeo100contest. Os dez finalistas receberam livros de fotografias assinados por fotógrafos da National Geographic e as imagens vencedoras foram publicadas na conta @NatGeo durante a primeira semana de março. O vencedor do grande prémio irá também receber um safari de fotografia da National Geographic à Tanzânia.

Durante as 24 horas em que o concurso esteve aberto, foram submetidas mais de 94.000 fotografias. Os editores e fotógrafos da National Geographic escolheram as 10 melhores. Estas imagens foram depois sujeitas à votação dos nossos 100 milhões de seguidores (@NatGeo), para eleger o grande vencedor.

Eis o fotógrafo vencedor e os finalistas, com os comentários dos nossos fotógrafos e colaboradores.

 

VENCEDOR DO GRANDE PRÉMIO

A imagem do fotógrafo Ketan Khambhatta de zebras e gnus na Reserva Nacional Masai Mara ganhou o grande prémio. "A imagem é tão dinâmica, com uma profundidade poderosa que me fixa o olhar. Um momento bem captado", disse o fotógrafo da National Geographic Muhammed Muheisen, sobre a fotografia de Khambhatta.

Na Reserva Nacional Masai Mara, no Quénia, as zebras procuram crocodilos enquanto gnus atravessam o rio. Fotógrafo Muhammed Muheisen: "A imagem é tão dinâmica, com uma profundidade poderosa que me fixa o olhar. Um momento bem captado".

 

FINALISTAS

Matthieu Shamavu, guarda florestal do Parque Nacional, abraça Matabishi, um jovem gorila-das-montanhas, órfão, no Centro Senkwekwe, na República Democrática do Congo. Senkwekwe é o único centro de reabilitação de gorilas-das-montanhas do mundo. Fotógrafa Ami Vitale: "A imagem é sublime porque percebemos imediatamente que se trata de uma metáfora para as brutalidades indescritíveis, mas também de uma grande ternura. Esta imagem ilustra a nossa ligação complexa com o mundo natural".
Os tubarões-baleia têm personalidades. Este era ousado e curioso, aproximava-se do barco sempre que chegávamos. Os tubarões-baleia são enormes, tão grandes que parecem recifes vivos. Não existe outro animal terrestre que consiga igualar o seu tamanho, poder e graciosidade. Fotógrafa Cristina Mittermeier: "Já nadei muitas vezes com tubarões-baleia, e nunca se consegue apanhar um momento absolutamente lindo como este, demonstrando a abundância dos oceanos saudáveis".
Um par de cordeiros olhando fixamente pela janela de um carro, num mercado de gado, em Marneuli, na Geórgia. Fotógrafo David Guttenfelder: "Esta fotografia não foi feita na natureza, mas a imagem, num único momento, conta a história aparentemente agridoce dos jovens cordeiros".
Galahs, uma espécie de cacatua, vasculham o Outback ressequido à procura de água, na Austrália Ocidental. Aqui, os poços de água são a fonte vital de vida. Fotógrafo Wayne Lawrence: "De todas as imagens de vida selvagem, esta parece ser a menos cliché e destacou-se pelo uso magistral de cor e composição".
Num dia em que o mar estava particularmente agitado e a rebentação das ondas perigosamente forte, os banhistas na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, pareciam hesitantes em mergulhar. Fotógrafa Michaela Skovranova: "Uma cena surreal – esta imagem realça uma mistura eclética de luz, impacto humano e poder do ambiente. É como se o calor da Terra e dos humanos irradiasse da areia, criando o seu próprio microclima".
Nas terras húmidas, as garças-brancas-grandes parecem serenas e tranquilas, mas também são caçadoras ferozes, que comem tudo o que conseguem capturar – incluindo esta rã-touro, que parece estar a lutar arduamente pela sua sobrevivência. Fotógrafo Cory Richards: "Este momento é tão bizarro e confuso que tive de ampliar a imagem para ter a certeza de que a pata de outro animal não estava a sair da água para impedir que o sapo morresse".
Famílias deslizam pelo gelo num ringue de patinagem em Brooklyn, no Prospect Park, em Nova Iorque, num dia de janeiro excecionalmente quente. Fotógrafa Maggie Steber: "Esta fotografia de patinadores grandes e pequenos lembra-me vagamente uma memória de infância. A forma como a luz imaculada atravessa o gelo, criando longas sombras, parece simbolizar o caminho desafiante que temos de percorrer para educarmos os nossos filhos, estando sempre presentes para amparar as suas quedas".
Uma tempestade de verão paira sobre o Grand Canyon. Esta imagem é uma combinação de três fotografias consecutivas de longa exposição da tempestade. Fotógrafo Charlie Hamilton James: "Esta é uma imagem excecional de relâmpagos a atingir o Grand Canyon. É lamacenta, dramática e demonstra uma capacidade técnica excelente".
Esta imagem retrata o momento frenético de gnus a atravessar o Rio Mara na Tanzânia. Fotógrafa Tasneem Alsultan: "Gosto de fotografias pouco óbvias. São vespas ou cabelo? Ou lascas de madeira? A massa de chifres a vir na minha direção parece letal, e ainda assim o fotógrafo faz-nos ver a imagem de um ponto de vista artístico".

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler