Fotografia

Fotografia Digital: Conselhos de Quem Sabe

Veja as sugestões sobre fotografia digital dos fotógrafos Rob Sheppard e Bob Martin neste guia de campo para fotografias da National Geographic.

Por Rob Sheppard & Bob Martin

Hoje em dia, as máquinas fotográficas digitais produzem imagens com uma excelente qualidade, concorrendo diretamente com a qualidade oferecida pelas máquinas analógicas.

Estas máquinas fotográficas têm um aspeto e um desempenho semelhantes aos das máquinas tradicionais, com algumas caraterísticas extra. As máquinas com designs complexos estão a desaparecer rapidamente do mercado, isto porque os fotógrafos querem tirar fotografias sem terem de perder tempo com tecnologia complicada e difícil de usar.

As máquinas fotográficas digitais são, em muitas coisas, semelhantes às máquinas analógicas; alguns modelos são adaptados das analógicas e outros são exclusivos das máquinas digitais. Muitas das diferenças mais significativas podem efetivamente ajudá-lo a tirar fotografias melhores do que tiraria com uma máquina analógica.

Para tirar fotografias com a melhor qualidade possível, continuam a aplicar-se as regras básicas da fotografia independentemente do suporte em que são tiradas. A utilização de um tripé é importante quando se quer obter velocidades de obturação lentas e quando se usam teleobjetivas. Quando queremos congelar a ação, é essencial usar uma velocidade de obturação rápida; os f-stops, por sua vez, continuam a afetar a profundidade de campo. É essencial o foco estar direcionado para as partes importantes de uma cena, e a utilização de uma luz dramática ajuda a produzir fotografias dramáticas.

A denominação "digital" nas máquinas digitais fez com até mesmo os fotógrafos mais experientes pensassem que se tratava de uma tecnologia difícil de dominar. Mas, tenha em consideração o seguinte: nunca houve nenhum principiante que soubesse exatamente para que servem todas as funções de uma máquina. Para os fotógrafos profissionais, os f-stops e as velocidades de obturação nunca foram algo instintivo.

 

Tipos de máquinas fotográficas

As máquinas fotográficas digitais podem ter várias formas: de máquinas de bolso automáticas a máquinas digitais avançadas SLR. Não existe nenhum modelo certo ou errado; existem é modelos mais adequados à sua personalidade e à forma como tira fotografias.

As máquinas automáticas, fáceis de usar, podem produzir fotos com uma qualidade surpreendente, com as lentes certas e os sensores certos. Como são totalmente automáticas quanto à focagem e à exposição, basta apontá-las para o que se quer fotografar e disparar. São limitadas no que respeita a recursos para controlar a imagem, ainda que existam máquinas bastante baratas com a função de balanço dos brancos. Umas são extraordinariamente compactas, conseguem-se guardar no bolso da camisa, o que as torna máquina ideias para ter sempre à mão, para que não perca a oportunidade de fazer boas fotografias.

As máquinas automáticas avançadas são semelhantes, na medida em que estão dotadas de funções maioritariamente automáticas. Contudo, este tipo de máquinas tende a ser dotado de características especiais, o que as torna ligeiramente mais flexíveis. Entre estas caraterísticas, incluem-se a compensação da exposição, funções de balanço dos brancos suplementares, e outras. Estas máquinas fotográficas, que ainda se podem encontrar a preços acessíveis, podem funcionar como uma boa introdução ao digital e são perfeitas para as famílias dos fotógrafos profissionais.

As SLR digitais com lentes amovíveis incluem todas as funções de uma SLR de 35 mm, incluindo lentes que permitem um sem número de possibilidades de distância focal. Estas máquinas são seguramente maiores que as restantes máquinas digitais. Incluem uma lista completa e exaustiva de funções fotográficas, a melhor tecnologia imagem-sensor e de processamento, controlo de ruído de grande nível, e muito mais. O painel LCD no verso de uma SLR só pode ser usado para voltar a ver as fotografias, uma vez que o sensor não tem a capacidade para mostrar fotos 'em direto', devido ao design em espelho.

 

Comece logo a fotografar

A melhor forma de tirar as melhores fotos com uma máquina digital é começar logo a tirá-las. Há, contudo, uma ideia de que não é necessário despender muito esforço quando se tem o computador para "ajudar". Esta ideia chegou mesmo a atingir proporções surreais. Há alguns anos, saiu um artigo sobre fotografia digital numa grande revista de notícias onde se dizia que estava disponível um software que tornaria automaticamente fotos de amadores em imagens que fariam frente às fotos do melhor dos profissionais. Esse software nunca existiu, nem nunca existirá, porque uma fotografia define-se pela arte e composição; para se produzir uma boa foto tem de se saber funcionar com as ferramentas da arte e saber utilizá-las; e define-se também pela perceção e capacidade para capturar uma imagem que capta a atenção do público e cuja mensagem é percetível.

Lembre-se de que uma fotografia digital continua a ser uma fotografia.

As bases

O erro que mais pessoas cometem é abanar a máquina. Quando se mexe a máquina inadvertidamente no momento em que se dispara, corre-se o risco de tirar uma fotografia tremida e de comprometer a nitidez da mesma. Mantenha-a imóvel!

Exposição

A maioria das máquinas automáticas incluem a possibilidade de anular a exposição, o que permite, normalmente, que a imagem seja exposta por tempo insuficiente ou excessivamente. Portanto, se o objeto é predominantemente escuro, experimente a sobreexposição para compensar. Se o objeto é predominantemente claro, então deverá submeter a imagem a pouca exposição. Comece por tirar uma fotografia de teste, veja-a no ecrã na parte de trás da sua máquina, verifique o histograma e ajuste a compensação de exposição. Não se retraia e dispare quatro ou cinco versões, já que o ecrã LCD nem sempre é fiável. Poderá apagar depois as fotografias que não ficaram bem.

Composição

Há uma regra básica da composição, conhecida como a regra dos terços, também conhecida como a regra do jogo do galo. Imagine que o seu visor ou monitor LCD está dividido em nove quadrados iguais, como se fosse um jogo do galo. Faça a composição da sua fotografia com o objeto posicionado ao centro, num dos quatro pontos de interseção. Isto deverá ajudá-lo a compor retratos mais estéticos.

Zoom

É provável que a sua máquina automática inclua lentes de focagem automática. Descobrirá que a funcionalidade de aproximar o seu objeto é fantástica. Seja audaz. Faça uso das suas lentes de zoom e faça a composição da sua fotografia enquadrando o seu objeto. Para começar, surpreender-me-ia que não tirasse várias fotografias em plano aberto, nas quais o objeto ocupa uma pequena parte do cena. Quando estiver a ver as fotografias através visor, olhe para todo o enquadramento e repare no tamanho que o objeto tem na sua fotografia. Não olhe apenas para os olhos da pessoa que está a fotografar.

Mudar o ponto de vista

Outro aspeto que tem de ter em conta quando está a tirar uma fotografia é o seu ponto de vista. Uma fotografia pode ficar mais interessante se for tirada de um ângulo diferente, fora do comum. Ponha-se no chão e olhe para cima para o seu objeto, uma abordagem especialmente dinâmica quando se está a fotografar animais de estimação ou crianças, e menos constrangedor para seu objeto. Tente também subir para um ponto mais alto para olhar de cima para baixo para o seu objeto. Ou, melhor ainda, ponha-se em ambas as posições e apague a que gostar menos.

Transferência de imagens digitais

As máquinas fotográficas digitais de hoje em dia incluem já formas de transferir as fotografias para o computador. Este processo envolve normalmente um cabo, apesar de existirem máquinas que transferem através de infravermelhos e outras tecnologias sem fios. Contudo, a ligação direta pode não ser a melhor forma para os fotógrafos armazenaram as suas fotografias num disco rígido. Há pessoas que preferem os leitores de cartões.

Segredos para trabalhar no quarto escuro digital

Muitos fotógrafos tentaram trabalhar com programas de processamento de imagens como o Adobe Photoshop e todos acharam o processo difícil, intimidante e monótono. Isto acontece sobretudo porque as indicações que são dadas nos livros e nas aulas dão aos fotógrafos a ideia errada: incidem no software e não na fotografia.

É a fotografia que importa. E é muito importante reter esta ideia. Quando se deixa dominar pelo software, a imagem deixa de ser o foco; o foco passa a ser aprender e memorizar todas as funcionalidades do programa. Há muitos fotógrafos que aprenderam tudo sobre seleções e camadas muito antes de perceberem sequer que necessitariam de ter conhecimento sobre isso. E só aprenderam tal coisa porque o professor achava que estas coisas eram os elementos centrais do Photoshop.

Um fotógrafo conhece as suas fotos e sabe o que quer para as suas fotos. É verdade que pode não saber tudo o que pode fazer com uma imagem no programa, mas isso não é tão importante quanto saber porque é que tirou a foto. Só o fotógrafo pode saber isto, e é precisamente a intenção fotográfica que o vai conduzir, mesmo pelo Photoshop, com confiança, num percurso constante, orientado para o manual, que não está preocupado com a tecnologia.

Outro aspeto fundamental para usar e tirar proveito do quarto escuro digital é experimentar sem receios. Acontece muitas vezes os fotógrafos terem de pagar um preço por experimentarem, e muitos tornaram-se mais cautelosos e levaram essa cautela com eles para o quarto escuro. Lembre-se de que há muito pouco do que possa fazer numa fotografia que não possa ser anulado. Deixe-se levar e não tenha medo de experimentar.

Continuar a Ler