Página do Fotógrafo

Scott Markewitz

Um helicóptero aterra num pico das montanhas Chilkat, em Haines, no Alasca.

PARK CITY, UTAH Mais indicada para: famílias cinéfilas com vários níveis de habilidades. É a casa da equipa de esqui dos Estados Unidos, tem três extensos resorts de esqui, e um pó seco de deserto característico do emplumado estado do Utah, Park City estabeleceu-se como uma das melhores cidades de esqui da América. Um posto avançado da indústria mineira do século XIX foi transformado numa próspera e brilhante cidade turística, os seus teleféricos partem diretamente da baixa, onde uma ponte para esquiadores o levará à histórica Rua Principal da cidade e ao alinhamento de restaurantes requintados, boutiques e galerias de arte. Mais do que em qualquer outra parte do estado, Park City tem uma vibrante e sofisticada vida de bar. Pense em jazz e em martinis. O Festival de Cinema de Sundance acontece a cada janeiro, quando as estrelas de cinema abundam e a cidade fica conhecida como “no parking city” (cidade sem estacionamento). Felizmente, o serviço de vaivéns que partem do aeroporto de Salt Lake City (que fica a 45 minutos de distância) e os autocarros gratuitos para as encostas onde se esquia torna possível uma estadia sem carro. Park City Mountain Resort é a opção que fica “mesmo ali”, com acesso a partir da cidade, quatro parques com terrenos para snowboarders e freestylers, esqui noturno, uma escola de esqui inovadora, terreno incrivelmente equilibrado, desde pistas lentas para iniciados até bacias cheias de neve em pó que rivalizam com as áreas de Alta e de Snowbird, das montanhas Wasatch. Deer Valley, apenas a 1,6 km de distância, é descaradamente selvagem. O número de esquiadores é limitado, a preparação das pistas é escrupulosa, os restaurantes que existem na montanha são gourmet e não são permitidos snowborders (acerca das calças largas, não há indicações, mas podemos dizer apenas que não há terreno de parque). É impressionante que cada área de Park City ofereça cem ou mais pistas, conjuntos de teleféricos de alta velocidade e cerca de 914 metros do sopé ao cume. Pergunte a um habitante local: a artista e pintora Dori Pratt cresceu a esquiar em Park City e tem sido instrutora de esqui ou em Deer Valley ou no Park City Mountain Resort desde 1980. Aqui ficam as suas recomendações. Onde ficar: Chateau Apres em Park City tem quartos individuais e chalés em estilo dormitório a preços decentes. Para uma opção mais elegante ou pretensiosa tem o Montage Deer Valley, localizado a meio da montanha. Melhores sítios para comer: para uma refeição mais em conta, experimente o El Chubasco em Park City. Para um jantar mais caro, dirija-se ao The Mariposa, que fica na montanha em Deer Valley. Melhor sítio para o après-ski: experimente o Legends Bar que fica no Park City Mountain Resort’s Legacy Lodge para o ápres, e depois o No Name Saloon & Grill, na Rua Principal para sair à noite. Melhor atividade para o dia de descanso: Visite o Park City Museum ou veja um filme do Sundance. A pista de esqui clássica de Park City: No Park City Mountain Resort, dirija-se ao PayDay. No Deer Valley, experimente o Perseverance.

ASPEN, COLORADO Mais indicada para: frequentadores abastados, pessoas que persigam celebridades e que gostam de fazer esqui de alta qualidade. Além de ser moda passar por lá, Aspen é também a cidade onde se pode esquiar com a qual se comparam todas as cidades Norte Americanas com neve – e um dos únicos sítios que consegue ser o que está na moda e o clássico, ao mesmo tempo. Repleto de galerias, boutiques, cafés e restaurantes gourmet, é aqui que as estrelas de cinema convivem com os atletas olímpicos e onde os casacos compridos de pele nunca deixam de estar na moda. É sem dúvida um sítio de ostentação – aquele tipo de coisa que faria um vagabundo do esqui bolsar no seu Gore-Tex colado com fita gafa – mas também pode ser a cidade de montanha mais sofisticada do mundo, fora da Europa. O esqui e o snowboard também não são maus de todo. De facto, é tão bom como qualquer sítio no Colorado. Podemos esquiar em quatro áreas diferentes, todas sitiadas num raio de 16 km, com diferentes graus de dificuldade. A Aspen Mountain é um recreio para peritos – não tem mesmo nenhuma pista verde – e é uma das áreas com mais descidas íngremes do Colorado. As suas pistas ‘desaguam’ na baixa da cidade. Snowmass é a mega montanha com a segunda descida mais vertical dos Estados Unidos (apesar de não ser possível esquiá-la de forma continua) e tem superfícies para todos. Aspen Highlands é a favorita local e, das quatro é a que tem terrenos mais íngremes. Buttermilk, com os seus amplos relvados e a inovadora escola de esqui, é perfeita para iniciantes. Os bilhetes de teleférico servem para as quatro montanhas, onde se consegue chegar facilmente a partir de Aspen e entre as montanhas existem vaivéns gratuitos. Pergunte a um habitante local: Christy Mahon, uma habitante local desde há muito tempo, foi a primeira mulher a esquiar todos os picos de 4200 metros e hoje é a diretora de desenvolvimento do Aspen Center for Environmental Studies. Aqui estão as suas recomendações. Onde ficar: O Tyrolean Lodge na rua principal foi construído por uma família lendária de Aspen e tem quartos remodelados com decoração de esqui vintage e as melhores tarifas da cidade. No outro estremo do espectro, o Hotel Jerome materializa a história de Aspen. Melhores sítios para comer: No 520 Grill, dois esquiadores locais e chefs servem rapidamente hambúrgueres saudáveis, sandwiches criativas e saladas. Durante 24 anos, Cache Cache tem sido o sítio onde os mais sofisticados comem refeições inspiradas na cozinha francesa num incrível ambiente de grande energia. Melhor sítio para o après-ski: à distância de poucos passos da gondola, a Ajax Tavern irá atrai-lo com o cheiro de batatas fritas com trufa e com o seu pátio estiloso. Melhor atividade para o dia de descanso: dê um passeio pelo trilho do Rio Grande que percorre a margem do tumultuoso rio Fork para visitar a reserva natural de 10 hectares de Hallam Lake, integrada no Aspen Center for Environmental Studies. Depois veja uma exposição vanguardista de arte contemporânea no Aspen Art Museum. A pista de esqui clássica de Aspen: a encosta longa da Bell Mountain, em Aspen, está virada para oeste, apanha o sol do fim de tarde e é a melhor forma de terminar o dia de esqui perfeito.

O melhor de: Caminho fora dos circuitos habituais dão aos cães uma aversão ao A antiga cidade de mineração de ouro esculpida na floresta, ao pé das famosas montanhas de Chugach, Girdwood remodelou-se e tornou-se na principal cidade de esqui, no Alasca. Os hippies e os vagabundos de esqui reuniram-se aqui em 1970 e, num hotel de luxo não obstante na base da área de esqui, a sua descontração, ambiente de estilo de fronteira permanecem intactas. Muitas estradas não são pavimentadas e o vestuário da Carhartt é uma escolha popular entre os demais. Situada a cerca de 40 milhas ao sul de Anchorage (e do seu aeroporto internacional), a vida nesta povoação de 2000 pessoas gira em torno do esqui e do snowboard. Elevando-se a partir da borda da cidade, Alyeska Resort é a maior área de esqui no Alasca. Com seis elevadores, dois tapetes mágicos, e um elétrico com 60 pessoas que sobe pela íngreme face Norte da montanha com vista para o mar. A linha das árvores é tão distante do Norte, de tal forma que a metade superior da montanha apresenta um alpino bastante aberto, que mais parece o terreno aberto dos Alpes do que um típico resort americano. Existem amplas pistas azuis e os iniciados correm próximo da base, mas os especialistas irão tirar o máximo proveito da montanha. Se não tem medo de caminhadas sem limites, as cristas perto do porto de abrigo de Alyeska que abriga uma série de calhas vertiginosas. Como seria de esperar, no Alasca, as multidões são inexistentes. Há também negócio real Chugach - e catskiing disponível a partir da base da área, no Alyeska. A melhor altura para visitar é em março, quando há uma média de 12 horas de luz, embora os elevadores continuem a funcionar até abril e aos fins-de-semana em maio. Pergunte a um local Elyse Saugstad, nativa Girdwood, é uma esquiadora profissional e campeã do mundo de 2008 de "freeride". Aqui estão as suas recomendações. Melhores estadias: Em conta: O Hostel Alyeska fica perto do resort. A frescura que lhe falta, é compensada pelo seu intenso sabor. Tem estado no local desde 1980 e tem muita história. Requintado: O Hotel Alyeska é o hotel gerido pelo resort. É muito bom, apresenta bons jantares, ainda tem uma vista fantástica para as luzes do norte. Dê um passo para a Direita e entre no elétrico. Melhores sítios para comer: Barato: Coast Pizza, à entrada de Girdwood, tem as melhores fatias de torta e uma das melhores sanduíches grelhadas da região. Gourmet: O Double Musky Inn é um restaurant de comida de Cajun para quem é apreciador de carne. Não os os filetes são bastante grandes, como são cozinhados perfeitamente. E o “gambo” tradicional de Cajun é de comer e chorar por mais. A sério! Melhor local de festas after-ski O Sitzmark, na parte inferior da montanha, é a barra de esqui clássico que sobreviveu a todas as mudanças do resort ao longo dos anos. Ela tem a combinação perfeita de alimentos, bebidas, música ao vivo, exibição de filmes de esqui que e um solário perfeito para a primavera, quando a temperatura aquece. Melhor atividade para relaxar Vá até Anchorage—a “cidade” no Alaska— que tem uma infinidade de coisas para fazer e fica a apenas a 45 minutos de distância. Corrida de esqui clássico de Girdwood Tente ir da face norte de Christmas Chute até ao fundo. É a melhor atividade do século para as suas pernas para os dias revestidos de pó, bastante comuns com a quantidade de neve que Alyeska tem.

loading

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados