10 dos Museus Mais Estranhos do Mundo

Estes tesouros dos quatro cantos do mundo irão satisfazer as suas curiosidades mais peculiares.quinta-feira, 9 de novembro de 2017

O que torna um objeto normal em algo extraordinário? Colocá-lo num museu. Independentemente da aparência estranha ou mundana, os objetos oferecem-nos janelas para a história e ligam-nos ao nosso passado. Revelam as nossas preocupações mais obscuras, as nossas ideias mais brilhantes e a infinita criatividade da mente humana.

PLASTINARIUM

GUBEN, ALEMANHA

Ao fim de 39 anos a estudar medicina, dissecação e química, Gunther von Hagens aperfeiçoou a plastinação – um processo controverso em que são usados polímeros para preservar o tecido humano. Os visitantes que exploram o PLASTINARIUM recebem uma lição de história da anatomia, testemunham o processo gráfico de plastinação e podem ver uma sala de exposições de humanos e animais em poses criativas. O centro oferece também as exposições itinerárias Body Worlds, que foram objeto de vários debates de ética sobre a obtenção de corpos e o tratamento de cadáveres humanos.   

O MUSEU DE RAMEN INSTANTÂNEO DE MOMOFUKU ANDO

OSAKA, JAPAN

Em 1958 — depois de um ano a fazer experiências no barracão do seu quintal —  Momofuku Ando inventou os primeiros noodles instantâneos do mundo: ramen de frango. O Museu de Ramen Instantâneo Momofuku Ando documenta este capítulo da cultura gastronómica do Japão num local onde os visitantes podem ver pacotes de noodles instantâneos do mundo inteiro, provar produtos de edição limitada de Hokkaido e Tohoku, no Japão, e desenhar o seu próprio pacote de sopa em A Minha Fábrica de Noodles Instantâneos.

MUSEU DO SEXO

NOVA IORQUE

O Museu do Sexo foi inaugurado em 2002 com o objetivo de preservar a história, a evolução e a relevância cultural da sexualidade humana. A New York Magazine descreveu uma visita a este museu, onde poderá dar à criança dentro de si a oportunidade de brincar no extravagante Castelo Insuflável de Mamas ou admirar fotografias eróticas clássicas, como algo semelhante a “um sonho sexual de Willy Wonka”. O museu conta com exposições temporárias bem como com uma coleção permanente de mais de 15 000 objetos, obras de arte, fotografias, fantasias e recordações — tudo com o objetivo de criar um discurso aberto sobre sexo e sexualidade.

MUSEU INTERNACIONAL DE ESPIONAGEM

WASHINGTON, D.C.

O  Museu Internacional de Espionagem em Washington D.C. contém a maior coleção pública de sempre de artigos de espionagem, lançando luz sobre uma das profissões do mundo com mais segredos. Minicâmaras, dinheiro falso, armas camufladas e máquinas de criptografia mostram o papel da inteligência humana e dos espiões ao longo da história. Os visitantes podem participar em aventuras de espionagem interativas, adotar os seus próprios disfarces e desenterrar as histórias por detrás dos mais esquivos espiões através de fotografias históricas e entrevistas em vídeo.

O MUSEU DAS MÚMIAS

GUANAJUATO, MÉXICO

Na pequena cidade mineira de Guanajuato — um local Património Mundial da UNESCO —, centenas de corpos foram enterrados nas criptas do Panteão de Santa Paula em meados do século XIX. Se as famílias não conseguissem pagar o imposto sobre os serviços fúnebres cobrado pela cidade, os corpos eram exumados. Foi naquela altura que se descobriu que os corpos se tinham mumificado por meio de um processo natural, provavelmente devido aos fatores climáticos únicos da região. Os seus macabros corpos — incluindo corpos de crianças — estão agora em exibição no Museo de Las Momias, ou Museu das Múmias. (Leia também sobre os Artefactos Roubados Que São Encontrados Nalguns dos Mais Conceituados Museus do Mundo.)

MUSEU SUBAQUÁTICO DE CANCUN

CANCUN, MEXICO

Construído em 2009 nas águas azuis que banham Cancun, Isla Mujeres e Punta Nizuc, o Museu Subaquático de Arte (MUSA) conta com mais de 500 esculturas em tamanho real fixadas no fundo do mar. A arte oceânica funciona também como recife artificial especialmente concebido para promover o crescimento dos corais, que transformam continuamente a paisagem aquática. O resultado é uma representação visual inquietantemente bela da interação dos humanos com o ambiente. Os visitantes podem explorar o museu por meio de um barco com fundo de vidro ou por mergulho com tubo de respiração ou com garrafa.

MUSEU FALOLÓGICO DA ISLÂNDIA

REIKJAVIQUE, ISLÂNDIA

Dedicado ao estudo da falologia, este museu exibe  mais de 215 pénis e partes de pénis de mamíferos terrestres e marinhos. Encontram-se em exibição espécimes de baleias, elefantes, morsas e homo sapiens, bem como uma coleção eclética de arte fálica. O fundador do museu, Sigurður Hjartarson, desenvolveu um fascínio de vida pela falologia quando recebeu um vergalho (pénis de boi) em criança — um objeto que funciona como chicote para animais de quinta. Em 1974, começou a colecionar pénis de baleias e, em 1990, abriu o museu original depois de ter acumulado uma coleção significativa.

MUSEU INTERNACIONAL DAS CASAS DE BANHO SULABH

NOVA DELI, ÍNDIA

Localizado na agitada capital da Índia, o Museu Internacional de Sanitas Sulabh apresenta a história da higiene e do saneamento desde 2500 a. C. até à atualidade. Das casas de banho douradas dos imperadores romanos às latrinas medievais, o museu documenta a evolução da sanita ao longo de diferentes eras. Como se os bacios com pinturas intrincadas não fossem suficientes, o museu alberga também uma coleção de raros poemas de latrina.

MUSEU DA TORTURA

AMESTERDÃO, PAÍSES BAIXOS

Entre os animados bares e hotéis do coração de Amesterdão, este sinistro museu leva os visitantes numa viagem através do tempo para um período negro da Europa, no qual a tortura e as execuções eram comuns. Da cadeira coberta de pregos da inquisição às espadas de decapitação, o museu exibe mais de 40 instrumentos usados nos interrogatórios a suspeitos de crimes e bruxaria e a prisioneiros políticos. O museu também informa os estudantes acerca da tortura moderna — ainda praticada em quase 100 países — e oferece apoio à Convenção Contra a Tortura das Nações Unidas

MUSEU VENT HAVEN DE VENTRILOQUISMO

FORT MITCHELL, KENTUCKY

Em 1910, William Shakespeare Berger comprou o seu primeiro boneco: Tommy Baloney. Em 1947, a coleção já tinha crescido tanto que Berger renovou a sua garagem para albergar as personagens e, em 1962, teve de construir um segundo edifício. Hoje o Museu Vent Haven  — o único do género — exibe mais de 800 bonecos, fotografias, programas e livros históricos da coleção Berger. O museu alberga ainda a ConVENTion (convenção) anual, uma reunião de ventriloquistas que atrai profissionais e entusiastas do mundo inteiro.

Continuar a Ler