História

Túmulos com 3500 Anos Descobertos no Egito. Um deles com uma Múmia no Interior.

Os lugares de descanso eterno de dois antigos oficiais contêm artefactos fúnebres coloridos, um mural elaborado e restos mortais humanos envoltos em linho. Segunda-feira, 18 Dezembro

Por Nariman El-Mofty

Luxor, Egito - Responsáveis egípcios anunciaram hoje a descoberta e escavação de dois túmulos encontrados na necrópole de Dra' Abu el-Naga, em Luxor. Os túmulos, que remontam à 18.ª Dinastia (1550-1292 a.C.), pertenciam a oficiais que provavelmente tinham exercido funções na antiga capital de Tebas, hoje local património mundial da UNESCO.

Os túmulos foram analisados e numerados pelo egiptólogo alemão Friederike Kampp-Seyfried nos anos 90 do século XX. Na altura, o túmulo conhecido como Kampp 161 não chegou a ser aberto, ao passo que o túmulo identificado como Kampp 150 só foi escavado até à entrada. Os túmulos foram redescobertos recentemente e escavados por arqueólogos egípcios.

Veja a galeria com as fotografias da descoberta:

Ainda não são conhecidos os nomes dos oficiais enterrados nos túmulos, uma vez que, até à data, não foram encontradas inscrições com os nomes dos ocupantes dos túmulos. Em abril, foi descoberto na mesma necrópole, o túmulo de um magistrado da 18.ª Dinastia chamado Userhat.

Tendo por base as comparações estilísticas e arquitetónicas com outros túmulos da área, calcula-se que o Kampp 161 remonta aos reinos de Amenósfis II ou Tutmés IV, o que significa que terá cerca de 3400 anos. A parede ocidental do túmulo apresenta uma ilustração elaborada de um evento social, possivelmente um festim, com uma figura que representa as ofertas ao ocupante do túmulo e à sua mulher. No túmulo descobriram-se ainda máscaras mortuárias de madeira, restos de mobília e um caixão decorado.

Com base na cartela encontrada no túmulo, estima-se que o Kampp 150 deverá remontar ao reino de Tutmés I— aproximadamente um século antes do Kampp 161. Embora não tenha sido encontrada nenhuma inscrição com o nome, muitos lacres de túmulos com nomes de um escritor chamado Maati e da sua mulher Mohi, encontrados no pátio do túmulo poderão dar indícios para a identificação do ocupante do túmulo. Neste túmulo, os arqueólogos encontraram estátuas coloridas de madeira, máscaras mortuárias e uma múmia envolta em linho.

 

"É a primeira vez que se entra nestes dois túmulos", disse o Ministro das Antiguidades, Khaled El-Enany, a uma multidão de jornalistas reunidos para uma conferência de imprensa.

Embora haja uma longa história de expedições arqueológicas estrangeiras a escavar lugares antigos do Egito, um alto-quadro do Ministério das Antiguidades salientou que a redescoberta e escavação dos túmulos por arqueólogos egípcios reflete o crescente profissionalismo e conhecimento da comunidade científica natural do país.

Continuar a Ler