Caranguejos Colossais Podem Desvendar o Destino de Amelia Earhart

Será que a chave para desvendar o desaparecimento da famosa aviadora está nas tocas subterrâneas do maior invertebrado terrestre do mundo?quarta-feira, 28 de agosto de 2019

Por Rachel Hartigan Shea
Uma vista aérea da ilha Nikumaroro, na República de Kiribati. Uma das teorias afirma que Amelia Earhart aterrou de emergência nesta ilha repleta de caranguejos-dos-coqueiros.
Uma vista aérea da ilha Nikumaroro, na República de Kiribati. Uma das teorias afirma que Amelia Earhart aterrou de emergência nesta ilha repleta de caranguejos-dos-coqueiros.
fotografia de ROB LYALL, NATIONAL GEOGRAPHIC CHANNEL
Um caranguejo-dos-coqueiros na ilha Nikumaroro.
Um caranguejo-dos-coqueiros na ilha Nikumaroro.
fotografia de Gabriel Scarlett, National Geographic

Ilha Nikumaroro, Kiribati – Os caranguejos-dos-coqueiros na ilha de Nikumaroro são mais compridos do que o portátil de um repórter, mais largos do que a espátula de um arqueólogo, e mais ou menos da mesma altura de uma bota de caminhada de um explorador. O caranguejo-dos-coqueiros, o maior invertebrado terrestre do planeta, pode medir quase 1 metro de diâmetro e ter mais de 4 quilos. Em suma, são muito grandes.

Os membros da expedição patrocinada pela National Geographic que atualmente estão na ilha à procura de vestígios de Amelia Earhart, sabem que devem ter cuidado com os enormes crustáceos – as suas patas têm mais força do que a maioria das dentadas dos animais.

Durante o dia, quando os cientistas fazem a maior parte do seu trabalho no atol do Pacífico, os caranguejos são fáceis de evitar. Debaixo do calor tropical intenso, os caranguejos que emergem das suas tocas passam o tempo à sombra dos coqueiros, ou entre os ramos das árvores. (Sim, os caranguejos conseguem subir às árvores.)

E de noite? "Os caranguejos aproximam-se de nós", diz John Clauss, membro do Grupo Internacional de Recuperação Histórica de Aeronaves (TIGHAR) e veterano que participou em mais de 10 expedições da organização à ilha. “Se acendermos uma lanterna, do lado de fora do foco de luz existem milhares de caranguejos.” Ou pelo menos é o que parece. Seja como for, Clauss aprendeu a não dormir no chão.

Tom King, antigo arqueólogo-chefe do TIGHAR, verifica amostras de solo recuperadas em Nikumaroro – onde Earhart pode ter procurado abrigo.
Tom King, antigo arqueólogo-chefe do TIGHAR, verifica amostras de solo recuperadas em Nikumaroro – onde Earhart pode ter procurado abrigo.
fotografia de Gabriel Scarlett, National Geographic

Os caranguejos-dos-coqueiros desempenham um papel fundamental na teoria avançada pelo TIGHAR sobre o que aconteceu a Amelia Earhart, depois de esta ter desaparecido com o seu navegador, Fred Noonan, no dia 2 de julho de 1937, durante a etapa final da sua volta ao mundo. O grupo sugere que Earhart e Noonan, quando não conseguiram localizar Howland, a ilha do Pacífico para onde rumavam, aterraram em Nikumaroro. Esta ilha, na altura chamada Gardner, está cercada por um recife que pode ter sido usado para aterrar o avião. Eventualmente, segundo esta teoria, Noonan morreu, o avião acabou por flutuar para fora do recife e Earhart ficou sozinha na ilha... com os caranguejos.

Em 1940, os britânicos estabeleceram uma colónia nesta ilha. Nesse ano, Gerald Gallagher, o administrador colonial da ilha, enviou um telegrama aos seus superiores a informar de que tinha encontrado partes de um esqueleto – “pode ser o de Amelia Earhart”. Os ossos – 13 ao todo – foram enviados para as Fiji para serem examinados, mas depois desapareceram.

Veja Este Caranguejo Gigante atacar um Pássaro
Veja Este Caranguejo Gigante atacar um Pássaro

Um esqueleto humano adulto tem 206 ossos – o que aconteceu aos 193 que não foram encontrados? As evidências apontam para os caranguejos-dos-coqueiros que têm o apelido de "caranguejos ladrões". Quando Gallagher descreveu o local da descoberta disse que “os caranguejos-dos-coqueiros espalharam muitos ossos". Estes caranguejos são omnívoros e comem cocos (claro), e comem frutas que caem das árvores, pássaros, roedores, outros caranguejos – e carne em decomposição.

O TIGHAR realizou várias experiências para ver se os caranguejos arrastavam os ossos para as suas tocas. Numas das experiências, levaram uma carcaça de porco para a ilha e filmaram o que aconteceu. Os caranguejos – caranguejos-dos-coqueiros e caranguejos-eremitas, mais pequenos e numerosos – rodearam o corpo do porco e removeram grande parte da carne em duas semanas.

"Isto confirma que os caranguejos arrastam os ossos", diz Tom King, antigo arqueólogo-chefe do grupo, "mas não sabemos até onde os arrastam". Um ano depois desta experiência, descobriram que alguns dos ossos tinham sido arrastados até 18 metros da carcaça do porco.

Tom King acredita na possibilidade de Earhart ter falecido na ilha. E depois de ter morrido, os caranguejos consumiram o seu corpo e arrastaram os ossos para as tocas – exceto, claro, os 13 ossos encontrados por Gallagher.

Em Nikumaroro, um investigador marca uma árvore com um caranguejo-dos-coqueiros a observar de perto.
Em Nikumaroro, um investigador marca uma árvore com um caranguejo-dos-coqueiros a observar de perto.
fotografia de Gabriel Scarlett, National Geographic

Na expedição atual, Tom King e a sua equipa estão a escavar em torno da base de uma árvore, na zona sudoeste de Nikumaroro, onde há dois anos os cães-pisteiros sinalizaram a presença de um corpo que tinha morrido há muito tempo. Na altura não encontraram ossos, mas desta vez levaram cães da Canine Forensics Foundation para farejar outros locais perto dessa área – um buraco onde acreditam que o crânio foi encontrado; outro onde encontraram conchas de amêijoas abertas; e um local perto da possível zona de aterragem do avião.

A equipa acredita que consegue descobrir a origem do odor que alertou os cães da primeira vez – talvez uma toca de caranguejo há muito perdida onde os restos mortais de Earhart encontraram o seu descanso final.
 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler