Os Loucos Anos 20: 100 Anos Depois

Guerra, falência, arte, dança. Estes foram alguns dos marcos dos Loucos Anos 20 que ficaram para a história até hoje, 100 anos depois.

Wednesday, January 15, 2020,
Por National Geographic
A Bolsa de Nova Iorque
A queda da Bolsa de Nova Iorque marcou os anos 20.
Fotografia de Library of Congress

Há 100 anos renasciam os povos após uma guerra atroz. Deu-se uma maior liberdade na cultura e nos costumes. Houve lugar para as artes e para a loucura. Muito aconteceu por Portugal e pelo resto do mundo. Foram os verdadeiros anos de loucura que ficaram para a história até hoje, 100 anos depois.

A Era dos Loucos Anos 20
Em 1920 os Estados Unidos da América tornaram-se numa das maiores potências do mundo, tendo uma forte queda posteriormente, em 1929, com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, deixando o fim da época de prosperidade conhecida como os “loucos anos 20”.
Em 1920 a Europa sofria as consequências da Primeira Guerra Mundial, que viria permitir a ascensão do Nazismo, liderado por Adolf Hitler. Nesta altura ainda se desconhecia que figuras como Hitler marcariam a história e o mundo para sempre.
No cinema, imperavam as comédias de Clara Bow e de Chaplin. Surgiu a primeira personagem de desenho animado, o Gato Félix. Surgiram também os movimentos de arte como o dadaísmo, de Marcel Duchamp e, o surrealismo, de Salvador Dalí.
Na arquitetura destacava-se a Art Déco e o mundo vivia também a Era do Jazz, que se tornou amplamente popular ao longo da década, sendo os Blues um dos ritmos mais conhecidos.

Os soldados do Batalhão da Morte Feminino da Primeira Guerra Mundial praticam luta livre.
Fotografia de Underwood And Underwood

Da Primeira Guerra Mundial ao renascimento
As mudanças nas décadas de 1920 ocorreram em parte como resultado da conclusão da Primeira Guerra Mundial e da gripe espanhola, que dizimava o país.
Apesar da década de 1920 se relembrar a preto e branco, houve mais cor que em qualquer outra década. Foram anos inebriantes, criativos, tumultuosos. Nos loucos anos 20 a sociedade reagia ao pós-guerra, ainda sem saber que outra ainda mais impactante estaria por acontecer.

Recuar 100 anos em Portugal
Por Portugal, mais concretamente pela capital, o Charleston, o Jazz, o champagne e a cocaína dominavam os cabarés lisboetas. Antes da ditadura militar encerrar estes locais, as mulheres eram pagas para estarem presentes e o jogo dominava a alma dos negócios. Eram poucos os locais ainda recomendáveis para mulheres.
Por falar em cabarés, temos de referir a cidade da luz. Paris era o centro do mundo na época e tudo o que era feito e se tornava sucesso, era reproduzido em outras cidades da Europa, embora em Portugal fosse sempre com menor impacto.
Como país conservador e tradicional pelo qual sempre foi conhecido, apesar de viver também a euforia e a boémia propícia dos loucos anos 20, Portugal adaptou todos os acontecimentos à sua realidade. Factos que conduziram a isso relacionam-se com uma burguesia reduzida, uma elevada taxa de analfabetismo e a uma classe artística com pouca ou nenhuma expressão, em comparação às outras capitais europeias.
Entretanto, com o movimento modernista dos anos 20, sentiu-se a necessidade de criar espaços para divertimento noturno, para além de cafés ou tabernas, que permitissem assistir a espetáculos, comer, beber, dançar e ainda mesmo jogar.
A par dos ritmos modernos, também se valorizava o fado, as sevilhanas, a valsa e a música cigana. Incluíam bailarinas, números de magia e ventriloquismo e até striptease. Era uma oferta para todos os gostos, frequentados por uma clientela igualmente diversa.

Os cabarets tiveram uma força muito grande na década de 1920.
Fotografia de Library of Congress

Evolução na igualdade de direitos
Foi nos anos 20 que as mulheres começaram, enfim, a alcançar alguns direitos no que respeita à igualdade de género e de oportunidades. O papel das mulheres teve grandes avanços na Primeira República, mas ainda longe de lhes ser possível se afirmarem.
Nos anos 20 assistiu-se a muitas mulheres de cabelo curto, vestidos acima do joelho e a fumar. Apenas pessoas influentes mantiveram-se longe deste estilo masculinizado. Apesar da emancipação, muito estava por fazer. Mesmo 100 anos depois, a luta continua.

Pela paz e pela união dos povos
A primeira Assembleia Geral da Liga das Nações, a precursora da Organização das Nações Unidas (ONU), foi realizada em Genebra, na Suíça, com a presença dos representantes de 42 países.
O objetivo principal deste encontro era desenvolver estratégias para impedir as guerras e assegurar a paz, evitando que os povos passassem de novo pela fome, miséria, sofrimento e destruição, legados da Primeira Guerra Mundial.

100 anos de diferença
Em semelhança à atualidade, nos anos 20 surgiram preocupações com as alterações climáticas, tais como, questões que se prendiam com a crise de refugiados. 100 anos depois, a história teima em repetir-se.
De facto, os anos 20 tornaram-se loucos porque depois de um momento de grande tensão, como foi a Grande Guerra, há também uma grande descompressão. A euforia toma lugar, sendo que em Portugal apesar de também tal ter acontecido, a ditadura militar tinha o papel de a travar.

Uma fotografia a preto e branco de um elétrico que viaja por ruas estreitas no bairro de Alfama, em Lisboa.
Fotografia de W. ROBERT Moore/National Geographic Creative

Acontecimentos que marcaram os anos 20 em Portugal
- O país atinge a maior taxa de inflação de sempre;
- O general Norton de Matos assume o cargo de Alto Comissário da República em Angola;
- Margarida Bastos Ferreira representou o país em 1927 no concurso de Miss Universo, adquirindo o prémio de primeira Miss Portugal;
- 'Nome de Guerra', de Almada Negreiros, foi um marco na literatura portuguesa;
- As noites pelos clubs da capital eram envoltas de nuvens de fumo, de substâncias variadas, mas nenhumas, por muito tempo, foram declaradas como ilícitas;
- Alves dos Reis ficou conhecido como o maior falsificador de todos os tempos, conseguindo enganar até mesmo o Banco de Portugal;
- Para combater a inflação que nunca foi tão grande como nestes anos, imprimia-se dinheiro de forma descontrolada e à revelia dos governos e do Parlamento, tomando o país de assalto;
- Na década de 1920 os casamentos diminuíram e os divórcios aumentaram;
- Ainda eram pouquíssimas as mulheres que frequentavam as universidades;
- Na década de 1920 iniciou-se a aviação comercial, com alguma tranquilidade e normalidade até então desconhecida;
- Nos anos 20 o número de automóveis quase quadruplicou;
- Nasciam novos estilos de vida e novos status sociais;
- Antes do término dos anos 20 aconteceu a primeira Volta a Portugal em bicicleta e a loucura do futebol instalou-se, com o início dos Jogos Olímpicos de 1928;
- A esperança média de vida em Portugal era de 36 anos para os homens e 40 para as mulheres;
- A voz que projetou o fado para o mundo, Amália Rodrigues, nasce no ano de 1920.

Os loucos anos 20 resumem-se a estados de euforia, pós-guerra, crise e feminismo. Deram-se as contradições e as emancipações. O reerguer após o rasto de destruição causado pela Grande Guerra. Iniciaram-se os anos de viragem, marcado por acontecimentos que mudaram o rumo da História de Portugal e do Mundo.

Continuar a Ler