A origem do Carnaval em Portugal

A festa pagã do Carnaval tem o seu auge nos três dias que antecedem a quarta-feira de cinzas. O evento carnavalesco remonta ao século XI e em Portugal não faltam tradições.

Published 17/02/2021, 14:38 WET, Updated 18/02/2021, 08:47 WET
Este ano, devido à pandemia de COVID-19, os Caretos de Macedo de Cavaleiros não tiveram contacto ...

Este ano, devido à pandemia de COVID-19, os Caretos de Macedo de Cavaleiros não tiveram contacto com a população, ao contrário do que é habitual.

Fotografia de Nuno Escudeiro, Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros

A origem da festa do Carnaval é desconhecida. Por um lado, defende-se que está relacionado ao culto de Ísis, a deusa da fertilidade e da maternidade, por outro, que as festas ocorrem em honra de Dionísio, da Grécia clássica. Existem registos da origem da festa em bacanais e outros festejos romanos de grande libertinagem, com uso de máscaras. Alguns apontam ainda que as suas origens estão na Idade Média.

Apesar de a igreja católica não apreciar a festa do Carnaval, ela tornou-se algo tolerável e não criava barreiras institucionais ou morais. No século XV, o Papa Paulo II permitiu um desfile alegórico de carros, com direito a confetes e lançamentos de ovos, corridas de cavalos, corcundas e outros, na Via Lata, em Roma.

Os festejos do Carnaval percorrem a Europa

O Renascimento e a Reforma Católica tiveram influência em toda as festas populares consideradas grotescas, reprimindo a violência e as ousadias públicas. Deram lugar às danças da morte e às suas representações cénicas, aos bailes de máscaras, e rapidamente se difundiram por Itália e por França.

No século XIX, o Carnaval ganha novos contornos, e ganhava popularidade também em Inglaterra. As festas ostentavam elegância, alegoria, ordem e requinte, destinando-se às classes mais abastadas.

Na Europa Ocidental, surge um novo Carnaval, entre os finais do século XIX e meados do século XX, sobrevivendo até hoje em locais como Nice ou Munique. O mundo da imaginação, do charme e do mistério continua, no seu esplendor e folia, pelas ruas de Veneza, um dos carnavais mais requintados do Mundo.

A interpretação do Carnaval

Do latim, “carnelevamen” ou “canis levemen”, obtém-se a explicação para a palavra Carnaval, como o “prazer da carne”. Em seguida, “carne, vale”, que significa “adeus, carne”, sendo referência ao período antes das abstinências e prescrições que marcam a Quaresma.

Embora não se conheça efetivamente a origem do vocábulo Carnaval, para muitos compreendia o período em volta da terça-feira gorda, o dia em que começava a proibição de ingestão de carne pela Igreja, como preparação para a Páscoa.

Carnaval de Portugal com características tradicionais

Em Portugal, o Carnaval assume particular destaque nos meios urbanos, embora conjugue características muito próprias dos meios rurais tradicionais.

Começou-se por festejar o Entrudo, do latim introitus, “entrada”, no reinado de D. Afonso III, ainda no século XIII. No século XVI afirmou-se o termo Carnaval, evocando as festas romanas, recuperadas pelo Cristianismo. Começavam no dia de Reis e terminavam na quarta-feira de cinzas, véspera da Quaresma.

No calendário cerimonial anual, é festejado na terça-feira gorda, sendo que o domingo que lhe antecede destina-se a celebrações preparatórias, como é o caso do dia dos compadres e comadres.

A antropologia associa esta celebração, que conta com mais de cem anos, a rituais de glorificação de cada género, celebrando-se a amizade. Se antigamente os vizinhos reuniam-se para escolher o trigo e outros cereais, acompanhando o trabalho de poesias e cantigas, agora partilham-se refeições e coloca-se a conversa em dia.

Para além do convívio para comer, existem as troças que, com uso de chocalhos, como no Alto Alentejo, dá lugar a perseguições e solidariedade dentro de cada grupo. No dia das comadres, as mães estavam “contra” os filhos varões e os pais, no dia dos compadres, “contra” as filhas.

Festejos, desfiles e sátiras políticas e sociais

A propósito das celebrações do Carnaval, ocorrem também cortejos próprios de cada grupo ou casamentos fictícios por sorteio, entre outros rituais, mais ou menos comuns, um pouco por todo o país.

Dos festejos e comemorações do Carnaval em Portugal podemos sublinhar características bastante comuns às diversas regiões geográficas, começando pela gastronomia. No Carnaval não há restrições alimentares, seja em quantidade ou espécie.

Comem-se carnes de toda a espécie, sendo comum a orelheira no Norte, o arroz doce e filhoses. Os excessos alimentares sobrepõem-se aos jejuns e abstinências que ocorreram durante a Quaresma.

Exibem-se bonecos, manequins divertidos, e é possível assistir nas paródias e nos enterros. Marcam presença as pulhas carnavalescas e as sátiras, quer de acusação ou provocação, direta e humorística, mesmo com tom ofensivo, uma vez mais, contrapondo-se à disciplina, rigor, discrição e contenção do período da Quaresma.

O dito Carnaval moderno usa e abusa dos desfiles e fantasias, mesmo com as comemorações a decorrer em pleno inverno. O frio não demove os foliões e traz à tona a diversão e alegria carnavalesca.

Conheça ainda três carnavais de destaque em Portugal
 

Trás-os-Montes

Bem no alto de Trás-os-Montes existem os Caretos. Estas figuras de Carnaval são típicas de algumas aldeias da região, tratando-se de um homem disfarçado, que anda pelas aldeias transmontanas com uma máscara que serve para gerar medo, principalmente às meninas solteiras.

Estas ficam em casa a vê-los pelas janelas, o que leva a que alguns Caretos trepem para ir ter com elas. Andam com chocalhos pendurados à cintura e guizos nos tornozelos, marcando presença onde passam com o barulho que fazem.

Loulé

No Carnaval tem também lugar a Batalha das Flores, uma festa de cariz lúdico, popular e também religioso. Loulé torna-se famoso pelo cortejo a que já habituou os seus admiradores. São quinze carros alegóricos com escolas de samba, gigantes e cabeçudos, prontos para a melhor sátira política e social.

Ovar

Na Região Centro do país, vive-se um dos maiores festejos de Carnaval português. É uma festa bastante animada, organizada desde 1952, que atrai pessoas de qualquer parte do país, incluindo turistas. Aqui há festa, folia, samba, máscaras e magia, que se estende por toda a cidade.

Torres vedras

O Carnaval é uma das mais importantes festividades de Torres Vedras. Próximo da capital, as comemorações atraem pessoas de toda a parte. As matrafonas são presença obrigatória, fazendo dos homens vestidos de mulheres o mote do Carnaval de Torres Vedras, assim como, a sátira política.
 

Artigo revisto a 18 de fevereiro por forma a corrigir a região de uma das tradições.

Continuar a Ler