Meio Ambiente

Carros Elétricos Poderão Dominar as Estradas do Mundo Inteiro em 2040

Uma nova análise indica que o motor a gasolina poderá estar na mesma situação da carroça puxada por cavalos há um século: condenado a um rápido desaparecimento.quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Por Stephen Leahy
Um homem norueguês enche a bagageira do seu Tesla S para uma viagem de fim de semana até à sua cabana. A Noruega planeia proibir a venda de automóveis a gasolina — ou gasóleo — em 2025.

Um dia, os veículos elétricos irão fazer com que os veículos movidos a gasolina (ou gasóleo) encostem à berma. Mas quando será esse dia? Mais cedo do que se poderá pensar, de acordo com investigadores do Fundo Monetário Internacional e da Universidade de Georgetown: tendo em conta o rápido desaparecimento dos cavalos e das carroças no início do século xx, os investigadores defendem que, em 2040, mais de 90 % de todos os veículos de passageiros dos EUA, do Canadá, da Europa e de outros países ricos poderão ser elétricos.

O estudo vem juntar-se a uma vaga de compromissos recentes de governos e fabricante de automóveis relativamente aos veículos elétricos e acentuar a esperança de que o setor dos transportes deixe definitivamente de depender do carbono. Atualmente, dos mais de mil milhões de veículos registados que circulam nas estradas do mundo inteiro, apenas dois milhões são elétricos (um milhão dos quais na China). Mas se os veículos elétricos se impuserem tão rapidamente como os investigadores antecipam, o consumo de petróleo pode ser reduzido em 21 milhões de barris por dia e as emissões de CO2 em 3,2 mil milhões de toneladas por ano – o equivalente a 60% do total das emissões atuais dos EUA.

Há outros estudos que estimam uma progressão mais lenta, embora os mais recentes tendam a ser mais agressivos. Recentemente, a Bloomberg New Energy Finance reviu em alta a sua estimativa acerca da percentagem de veículos elétricos no mercado em 2040, tendo passado de uma projeção de 35% de todas as vendas de automóveis novos para uma estimativa de 54 por cento. O RethinkX, um laboratório de ideias independente, é ainda mais otimista e prevê que a maioria dos veículos dos EUA seja elétrica até 2030 — daqui a apenas 13 anos.

Os autores do documento de trabalho conjunto FMI-Universidade de Georgetown, “Riding the Energy Transition” (“Cavalgando a transição energética”), baseiam o otimismo que ostentam numa análise de transições tecnológicas passadas, especialmente da transição do cavalo para o automóvel.

"Ficamos surpreendidos ao verificar a rapidez com que os carros substituíram os cavalos como principal meio de transporte no início do século xx", diz o economista do FMI Fuad Hasanov. "Tudo aconteceu em apenas 10 a 15 anos apesar dos muitos obstáculos existentes." Em comparação com o que aconteceu naquele período, as barreiras para a adoção dos veículos elétricos na atualidade parecem pouco significativas.

SEM BOMBAS DE GASOLINA; COM MUITO ESTERCO

Em 1910, havia poucas estradas pavimentadas nos EUA e a maior preocupação das cidades consistia em perceber o que fazer com todo o esterco que os cavalos produziam e que se acumulava. Encontrar gasolina era difícil; a enorme rede de refinarias e bombas de gasolina que existe atualmente estava ainda a começar a ser desenvolvida. Conduzir um dos Modelos T de Henry Ford era uma assustadora mudança relativamente ao cavalo, com ou sem carroça, e era tão acessível para os americanos como um carro de 137 000 dólares seria em 2015 — o que corresponde a quase o dobro do preço do Model S da Tesla nos EUA [em Portugal, o preço do Tesla Model S começa nos 73 250 euros]. Sem surpresa, muito poucas pessoas compraram o Ford Model T àquele preço.

No entanto, em 1921, o preço do Model T já tinha baixado para o equivalente a 35 000 dólares atuais, os governos e a indústria petrolífera tinham gastado verbas avultadíssimas em estradas e outras infraestruturas e as vendas do Model T tinham disparado para um milhão por ano. Em 1925, as vendas chegaram a quase dois milhões de unidades.

De acordo com Hasanov e Reda Cherif, do FMI, e Aditya Pande, da Universidade de Georgetown, se os veículos elétricos forem adotados a este ritmo, representarão cinco por cento de todos os veículos no final da década de 20 e 36% no início da década de 40 do presente século. Os investigadores consideram que este é o "cenário de adoção lenta".

No "cenário de adoção rápida", os investigadores inferem a expansão dos veículos elétricos não a partir do ritmo com que os carros a gasolina foram adotados há cem anos, mas a partir do ritmo com que os cavalos desapareceram. Tratou-se de um fenómeno muito mais rápido — em parte porque os transportes públicos estavam também a disseminar-se rapidamente. Muitas pessoas que deixaram de andar a cavalo não passavam logo para os carros; apanhavam o elétrico.

Hoje, não existe um crescimento acelerado comparável dos transportes públicos e é muito mais fácil trocar o carro a gasolina pelo carro elétrico do que há 100 anos foi passar do cavalo para o carro. Os investigadores concluem que o cenário de adoção rápida — que, na verdade, emula o ritmo de adoção de veículos elétricos entre 2011 e 2015 — é muito mais provável.

Neste cenário, estima-se que 30% dos veículos dos EUA serão elétricos até ao final dos anos 20, um número que ascenderá a 93% no início dos anos 40 deste século.

Se este cenário parece pouco plausível, veja-se o caso dos telemóveis, refere Cherif. Nos anos 80 do século xx, altura em que os telemóveis eram volumosos, caros e tinham baterias com pouca autonomia, os especialistas previam que, no ano 2000, a indústria poderia vender 900 000 unidades por ano. Na verdade, as vendas naquele ano foram de 109 milhões e, em 2014, já se tinha verificado outra transição tecnológica inesperada: praticamente todos os telemóveis passaram a ser smartphones.

"A adoção de uma nova tecnologia como a dos carros elétricos pode parecer lenta ou dar a sensação de que nunca acontecerá", diz Cherif, "até que atinge um limiar a partir do qual dispara."

MOMENTO KODAK?

O novo Model 3 da Tesla tem um preço de 35 000 dólares nos EUA e uma autonomia de 345 quilómetros, se a bateria estiver completamente carregada. Este poderá ser o limiar de preço para os veículos elétricos a que aludia, refere Cherif. Entre março e junho de 2016, mais de 400 000 pessoas aceitaram fazer um depósito de 1000 dólares para pré-encomendar o Model 3 — um carro que ainda não existia.  Os primeiros 100 Model 3 foram entregues em agosto deste ano.

Aqueles quatro meses de 2016 poderão vir a assemelhar-se ao "Momento Kodak" da indústria automóvel e da indústria petrolífera. A Kodak fabricava películas fotográficas e era uma das empresas mais poderosas do mundo; inventou a máquina fotográfica digital em 1975. Mas não conseguiu adaptar-se a uma nova tecnologia e declarou insolvência em 2012.

Temendo um destino semelhante, praticamente todos os construtores de automóveis estão agora a aderir ao movimento dos veículos movidos a eletricidade. O construtor sueco Volvo só começará a produzir modelos com motores elétricos — híbridos e 100% elétricos — a partir de 2019. A Jaguar e a Land Rover seguirão o exemplo em 2020. A Volkswagen prometeu tornar-se o líder mundial do setor de veículos elétricos em 2025. E até James Bond poderá conduzir um Aston Martin 100% elétrico já em 2019.

Os governos seguem o mesmo caminho. A Noruega proibirá a venda de carros e carrinhas movidos a combustíveis fósseis em 2025. Os governos do Reino Unido, dos Países Baixos e da França prometeram fazer o mesmo até 2040. A Alemanha, país da Volkswagen, Mercedes-Benz e Porsche, está a discutir uma proibição semelhante.

A China acaba de anunciar que também proibirá a venda de veículos a gasolina e gasóleo, embora ainda não tenha estabelecido uma data. A China conta com o maior mercado automóvel do mundo, vendendo 20 milhões de viaturas por ano. Já tem mais de 40 veículos elétricos diferentes disponíveis, a maior parte dos quais é vendida por fabricantes locais.

Em maio passado, o ministro da Energia da Índia, Piyush Goyal, previu, em declarações à National Geographic, que, em 2030, só se venderão veículos elétricos no país — mesmo sem uma restrição governamental, porque são mais limpos, mais silenciosos, mais duradouros e menos dispendiosos.

Na China e na Índia, mas também na Europa ocidental, a poluição atmosférica constitui-se como um dos principais motivos que justificam a adoção de veículos elétricos, diz Albert Cheung, analista da Bloomberg. Inversamente, qualquer redução do compromisso dos governos na luta contra a poluição atmosférica poderá abrandar o ritmo de acolhimento dos veículos elétricos. Além disso, uma redução muito significativa dos preços da gasolina e a falta de investimento em infraestruturas de carregamento poderão ter o mesmo efeito.

Mas Cheung refere que, de um modo geral, "parece cada vez mais difícil pôr um travão ao movimento dos veículos elétricos”.

A REVOLUÇÃO SERÁ AUTÓNOMA

Tony Seba, economista da Universidade de Stanford, leva a visão de uma revolução de veículos elétricos mais além. Para ele, acontecerá nos anos 20 e consistirá nos veículos sem condutor. Num novo estudo, "Rethinking Transportation 2020-2030” (“Reequacionamento dos transportes 2020-2030”), Seba e os seus colegas do RethinkX preveem que, em 2030, 95% de todos os quilómetros de veículos de passageiros venha a ser percorridos por veículos elétricos autónomos.

Como será tal cenário possível? Em primeiro lugar, Seba parte do princípio de que os veículos elétricos serão muito mais baratos do que são hoje devido à redução dos custos das baterias e ao facto de serem mais fáceis de fabricar e de manter — apenas 20 peças móveis contra as 2000 dos veículos a gasolina ou gasóleo. "Os veículos elétricos existentes com mais de 320 000 quilómetros precisaram apenas de um novo conjunto de pneus", diz Seba. Um Tesla S chegou aos 800 000 quilómetros com a mesma bateria.

Em segundo lugar, de acordo com Seba, a maioria dos veículos serão propriedade de empresas de transporte e não de pessoas individuais. As frotas comerciais estão muito interessadas nos veículos elétricos — sobretudo nos autónomos. A eliminação dos condutores poderá levar a enormes poupanças de custos para empresas como a UPS e a FedEx, ou a Uber e a Lyft. Estão a ser testados táxis e veículos comerciais autónomos em Pittsburgh, Phoenix e Boston, nos EUA, bem como em Singapura, no Dubai, e em Wuzhen, na China.

O custo será o fator que irá tirar os americanos da frente do volante, diz Seba. Os veículos elétricos são quatro vezes mais eficientes e baratos do que os movidos a combustível; os veículos elétricos autónomos poderão ser ainda melhores. De acordo com o clube automóvel AAA, dos EUA, ter e manter um veículo médio a gasolina custa perto de 10 000 dólares por ano para quem conduz cerca de 25 000 quilómetros anuais, e o veículo fica estacionado 95% do tempo.

Na visão de Seba, em 2030, haverá menos 200 milhões de automóveis de passageiros nas estradas americanas.  Serão substituídos por milhões de veículos autónomos a que toda a gente poderá ter acesso com um simples premir de um botão, podendo ir onde desejar por alguns cêntimos por quilómetro.

"Em vez de gastar 10 000 dólares por ano para o transporte rodoviário, uma família poderá gastar apenas 1000", afirma Seba. "Do ponto de vista da racionalidade económica, não fará sentido ter um carro, porque será muito barato chamar um veículo elétrico autónomo.”

Mas continuará a fazer sentido do ponto de vista irracional e emocional? Não serão os carros parte da identidade americana? Por agora, talvez sejam — mas os cavalos também já foram.

Continuar a Ler