Meio Ambiente

Porque Será Que Esta Estrada no México Está a 'Respirar’?

O sismo mortal que assolou a região foi, provavelmente a causa deste fenómeno bizarro.quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Por Sarah Gibbens
Porque Está esta Estrada no México a "Respirar?"
Porque Está esta Estrada no México a "Respirar?"

Numa altura em que o México recupera da destruição causada pelo recente tremor de terra, emergiu um estranho fenómeno nas suas ruas. 

O vídeo mostra um pedaço de asfalto que se eleva e retrai, como se um grande animal estivesse a respirar profundamente, com uma respiração pesada, algures por debaixo da Cidade do México. O fenómeno foi encontrado pelo residente Rigoberto Lechuga Silva, no dia 19 de setembro, mesmo depois de sentir o seu bairro tremer, por efeito do terramoto.

Silva correu para a rua, com muitos outros que tentavam escapar de edifícios que balançavam. Ele reparou num poste de eletricidade que oscilava e preparou o seu telemóvel para registar o movimento. Foi nessa altura que reparou que o cimento no chão oscilava também para cima e para baixo. 

Depois de Silva ter colocado este vídeo no YouTube, o mesmo foi rapidamente copiado e partilhado em várias plataformas de redes sociais.

No Twitter, os cientistas que viram o clip foram contribuindo com possíveis teorias que explicassem o que estava a fazer com que o cimento cedesse. A geofísica Mika McKinnon lançou a ideia de que o movimento estava a ser causado por um fenómeno que tem o nome de liquefação.

Num twit, ela constatou que a Cidade do México foi construída sobre uma bacia de sedimentos, e que, portanto, não é incomum o registo de ocorrências geológicas estranhas, no seguimento de intensa atividade sísmica.

Há centenas de anos, a Cidade do México tinha muito mais terreno alagadiço. No século XIV, a cidade azteca de Tenochtitlan foi construída em uma ilha, situada no coração dos terrenos pantanosos da região. A área foi mais tarde drenada pelos espanhóis, mas os sedimentos soltos que outrora suportaram os canais, estão agora presos por baixo da 11.ª cidade mais populosa do mundo. Muitos desses sedimentos ainda estão saturados com água ou são pontuados por bolsas de ar.

Quando as ondas sísmicas passam pela área, por exemplo, as ondas de um sismo, as partículas dos sedimentos podem começar a fluir como um líquido, num processo que tem o nome de liquefação. Depois de rever o vídeo, Susan Hough, uma sismóloga da USGS (Pesquisa Geológica dos Estados Unidos), apontou a liquefação como uma possível explicação para este movimento do asfalto.

"No decorrer de grandes terramotos, podemos deparar-nos com a libertação de golfos de ar para a superfície, em solos arenosos”, explica-nos a geofísica. “Aqui o que nos surpreende é que o chão está coberto pelo pavimento.”

Hough acrescentou que as causas do fenómeno poderiam ser confirmadas com mais certeza quando as autoridades tivessem a oportunidade de examinar o solo por baixo da estrada. 

O México não é o único sítio onde assistimos ao fenómeno da liquefação em estradas, no seguimento de um grande evento sísmico. Um vídeo feito no Japão, depois do terramoto de 2011, mostra fendas no pavimento a abrir e a fechar.

Segundo um relatório da USGS, grandes faixas da cidade de São Francisco são muito suscetíveis de sofrer o fenómeno da liquefação. Esta ocorrência agrava os danos causados pelo sismo, ao enfraquecer o solo sobre o qual as grandes estruturas da cidade estão construídas.

No pior dos cenários o fenómeno da liquefação pode espoletar deslizamentos de terra e colapso de edifícios e do chão.

Continuar a Ler