Estas Imagens Mostram a Poluição que Mata Uma em Cada Quatro Crianças

Um novo relatório da Organização Mundial de Saúde revela que cerca de um quarto das crianças, com menos de cinco anos, morre em virtude de condições ambientais que podem ser evitadas.sexta-feira, 8 de junho de 2018

Por Sarah Gibbens
ver galeria

Uma rapariga caminha entre montanhas de lixo. Um rapaz submerso até ao pescoço em águas poluídas. Estas fotografias mostram as condições ambientais, potencialmente mortíferas, às quais estão expostas algumas crianças.

Pelo menos um em cada quatro óbitos de crianças, com idades inferiores a cinco anos, aproximadamente 1,7 milhões de crianças, pode ser atribuído ao elevado nível de poluição, segundo um novo relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde.

A falta de acesso a água potável deixa as crianças vulneráveis a doenças, que podem ser prevenidas, como a diarreia, a malária e a pneumonia. Cerca de 570 000 crianças estão, igualmente, expostas a poluentes atmosféricos e à poluição no interior de edifícios, decorrente do fumo do tabaco e matérias em combustão em cozinhas, aumentando as probabilidades de virem a sofrer de doenças respiratórias crónicas em fases mais avançadas da vida.

Os países em vias de desenvolvimento são aqueles que apresentam um risco mais elevado de exposição à poluição atmosférica. Um estudo de 2014 da Organização Mundial de Saúde revelou que 98% das cidades destes países, com uma população superior a 100 000 indivíduos, não têm acesso a condições atmosféricas saudáveis. Estima-se que Nova Deli, na Índia, seja a cidade mais poluída do mundo.

ver galeria

"Um ambiente poluído é um ambiente potencialmente mortífero, sobretudo para as crianças mais pequenas”, declarou Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial de Saúde, em conferência de imprensa. "Os seus órgãos, sistemas imunitários e vias respiratórias ainda em desenvolvimento, assim como os corpos pequenos e frágeis, tornam-nas, particularmente, vulneráveis à poluição do ar e da água.”

As mulheres expostas a condições ambientais degradadas durante o período de gestação têm maiores probabilidades de dar à luz bebés prematuros. O relatório revela que 270 000 crianças morreram no primeiro mês de vida, por via da exposição a perigos ambientais, que podem ser prevenidos, tais como água imprópria para consumo e ar poluído.

Além disso, as crianças estão cada vez mais expostas aos riscos inerentes à destruição inadequada de aparelhos eletrónicos, por via da libertação de químicos tóxicos, que se infiltram no ambiente. Substâncias perigosas, como o chumbo, o arsénico e outros materiais, podem comprometer o desenvolvimento intelectual e aumentar as taxas de doenças oncológicas.

Estima-se que a quantidade de lixo destruído de forma indevida aumente cerca de 19% em 2018, perfazendo mais 50 milhões de toneladas de resíduos.

A Organização Mundial de Saúde fez várias recomendações para melhorar as condições de vida das crianças, incluindo legislação mais severa sobre os desperdícios a aplicar às indústrias, remoção de materiais tóxicos das fachadas dos edifícios, com particular enfoque nas tintas com chumbo, redução da quantidade de pesticidas utilizados na agricultura e melhores acessos a água potável e ar limpo.

"Investir na erradicação dos riscos ambientais para a saúde, tais como melhorar a qualidade da água ou optar por combustíveis menos poluentes, contribuirá para a melhoria da saúde das populações e os benefícios serão tremendos”, afirmou Maria Neira, diretora do Departamento de Saúde Pública e Causas Ambientais e Sociais para a Saúde, da Organização Mundial de Saúde.

O programa de objetivos para um desenvolvimento sustentável das Nações Unidas trabalha, atualmente, em parceria com os países em vias de desenvolvimento, para melhorar o acesso das populações aos serviços básicos. O objetivo é pôr termo à morte de crianças, com idades inferiores a cinco anos, por força de circunstâncias que podem ser prevenidas, até ao ano de 2030.

+ sobre meio ambiente

A Poluição na Índia é Tão Grave que Causa Acidentes de Viação

A Poluição na Índia é Tão Grave que Causa Acidentes de Viação

8 Nov., 2017 - Um smog espesso cobriu a região norte da Índia, excedendo 10 vezes o limite recomendado. A visibilidade reduzida causada pela poluição foi a causa de um acidente em cadeia que envolveu 18 viaturas, a cerca de 48 km de Nova Deli. Respirar o ar da região tem um efeito nocivo equivalente ao de fumar cerca de 50 cigarros por dia. As temperaturas baixas e as lentas correntes de ar têm sido apontadas como as causas deste perigoso aumento na poluição.
Continuar a Ler