A Islândia Assumiu o Compromisso: Carbon Neutral até 2040

O país mais amigo do ambiente volta a dar o exemplo e assume o compromisso: ser Carbon Neutral em 2040.sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Por National Geographic

A Islândia, um pequeno país insular perto do Pólo Norte, com apenas 350 mil habitantes, é considerado um dos países mais verdes e amigos do ambiente, em todo o mundo.

Um conjunto de fatores, que inclui esta preocupação com a Natureza, fazem da Islândia um dos países com as mais belas paisagens do globo, menores níveis de poluição, e maior percentagem de energia produzida a partir de fontes renováveis.

A Islândia foi mais além e assumiu o compromisso de ser Carbon Neutral, até 2040.

A questão do carbono...

A questão do carbono é o tema do momento. O problema não é o carbono, mas sim o dióxido de carbono (CO2). Este composto é um dos principais gases de estufa, isto é, dos que mais contribui para o efeito de estufa e para o aquecimento global.

Atenção: o dióxido de carbono é essencial para a vida na Terra! Os animais (humanos incluídos) expelem dióxido de carbono quando respiram, e as plantas usam-no como alimento, para produzir oxigénio.

O grande problema do dióxido de carbono é o excesso, e a taxa assustadora a que está a ser produzido e libertado para a atmosfera. Há já vários anos que a produção supera o “consumo” de CO2 no planeta – e quando se pensava que estas emissões estavam a estabilizar, eis que voltaram a aumentar.

Uma esmagadora parte do dióxido de carbono que está a ser lançado para a atmosfera tem origem na queima de combustíveis fósseis. Porquê? A produção de energia obtida desta forma alimenta o setor industrial e de transportes. Por outro lado, os ecossistemas com capacidade de absorver CO2 (leia-se, florestas) estão também a ser afetados, principalmente pela intervenção humana.

De facto, as últimas medições provam que as cidades emitem 60% mais dióxido de carbono do que se pensava.

 

O que é “Carbon Neutral”?

A Neutralidade de Carbono significa, em termos práticos, atingir um estado em que as emissões de dióxido carbono sejam tão reduzidas que possam ser consideradas nulas.

Há formas mais liberais de interpretar este conceito, como o equilíbrio entre as emissões e as fontes de energia renovável – também chamado de Carbon Offsetting. De forma simples, consiste na redução das emissões de dióxido de carbono, ou na compensação destas com energias limpas.

O objetivo? Travar a crescente emissão de dióxido de carbono, e tentar amenizar os efeitos devastadores que esta tem no clima.

O Acordo de Paris

O desafio e compromisso de se tornar Carbon Neutral tem sido aceite por vários países há mais de 10 anos, com uma tendência crescente (felizmente!). A meta era (e é) 2050, e a premissa, bastante simples: reduzir as emissões de CO2 em, pelo menos, 75%.

Em 2008, quatro países “inscreveram-se” formalmente nesta corrida contra o tempo. Foram eles Islândia, Noruega, Costa Rica e Nova Zelândia.

Mais recentemente, em 2016, 171 países assinaram o Acordo de Paris sobre o clima, alcançado no ano anterior, como parte de um compromisso à escala global para combater as alterações climáticas. Portugal está, claro, entre os países que assumiram o compromisso a 22 de Abril, dia da Terra. O Acordo de Paris entrou em vigor meses mais tarde, em novembro de 2016.

Veja como o aquecimento do dióxido de carbono do planeta se movimenta na atmosfera da Terra.

Carbon Neutral em 2040

A Islândia foi mais longe. No final de 2017 anteciou a meta para 2040. Sim, a Islândia quer atingir a Neutralidade de Carbono em 2040, dez anos antes do que foi acordado.

Será que a Islândia consegue? Aparentemente, está no bom caminho. Grande parte da eletricidade no país já é proveniente de energia hidroelétrica – que já é responsável por 100% da eletricidade da capital Reykjavík. O maior obstáculo que a Islândia enfrenta é o transporte.

Portugal aderiu?

Portugal também assumiu o compromisso: ser carbon neutral até 2050, porém os desafios que o nosso país enfrenta são bem maiores que os da Islândia.

Portugal tem, em média, 60% da energia elétrica vinda de fontes renováveis. No entanto, cerca de 50% das emissões de gases de efeito estufa provêm da produção de eletricidade com recurso a carvão e gás, e do setor dos transportes.

Prevê-se que as mudanças sejam enormes para os setores económicos, mas passam muito, também, pelos cidadãos e cidadãs.

Veja como é que as alterações climáticas nos estão a afetar.

O exemplo da Islândia

Já que estamos na corrida, porque não tomar o exemplo, como cidadãos, de um dos países mais verdes e amigos do ambiente? Aqui estão sugestões de pequenas coisas que podemos fazer para reduzir a pegada de carbono:

  • Conduzir menos – em alternativa, usar mais transportes públicos, andar de bicicleta, ou aderir ao carpool (dividir carro com colegas de trabalho, por exemplo).
  • Usar menos energia – esta dica não só é boa para o ambiente como para a carteira. Pequenas coisas como apagar as luzes quando não estiver nas divisões, usar eletrodomésticos mais eficientes do ponto de vista energético, ou substituir lâmpadas incandescentes por fluorescentes ou LEDs são ações que, a médio prazo, trarão resultados.
  • Desperdiçar menos – menos comida, menos roupas, menos objetos. Compre alimentos de origem local, e diversifique a sua dieta com mais vegetais, legumes e frutos e menos carne e laticínios. Conheça mais formas de reduzir o desperdício.
  • Fazer menos lixo – em especial plástico. As palavras de ordem são reciclar e reutilizar. Aplica-se também a roupas ou outros bens do dia-a-dia: se já não quiser, pode vender ou doar!
  • Espalhar a palavra – parece inútil, mas é muito necessário. Tente sensibilizar aqueles à sua volta para a necessidade de reduzir a “pegada de carbono” e adotar alternativas limpas aos combustíveis fósseis: energia eólica, solar, geotérmica, hidroelétrica sustentável ou projetos de energia da biomassa.

Ao contrário do que se pensa, todos os pequenos gestos contam e uma só pessoa pode motivar centenas ou milhares, e pode, sem dúvida, fazer a diferença!

 

Pode calcular a quantidade de dióxido de carbono que liberta para atmosfera com esta calculadora (o site so está disponível em línguia inglesa). Vai ficar surpreendido!

Conheça o único país do Mundo com emissões de carbono negativas! E não, não é a Islândia!

Continuar a Ler