26 Hábitos para viver de uma forma mais leve e sustentável no Planeta

O impacto humano no mundo é algo que todos podemos reduzir. Para assinalar o Dia da Terra – e o lançamento da iniciativa Planeta Possível – olhamos para alguns hábitos sustentáveis que começam com os agentes de mudança mais importantes: nós.

Por LAUREN JARVIS
Publicado 21/04/2021, 20:09 WEST, Atualizado 3/05/2021, 12:50 WEST
Se prestarmos mais atenção aos nossos hábitos de consumo – desde a compra ao uso de ...

Se prestarmos mais atenção aos nossos hábitos de consumo – desde a compra ao uso de água, fontes de alimento e transportes – podemos todos fazer a diferença.

Fotografia de EDWARD HOWELL, MACAU PHOTO AGENCY, THE CREATIVE EXCHANGE, FRANK BUSCH / UNSPLASH

SUSTENTABILIDADE é uma palavra grande. Mas quando se trata de coisas que todos nós fazemos, e se todos nós fizéssemos um pouco, isso significaria muito. O que consumimos no nosso próprio lar pode ter um impacto direto nos maiores e mais vitais ecossistemas do mundo – e tudo o que precisamos de fazer para virar a maré da perda devastadora de espécies e biodiversidade é agir.

Neste Dia da Terra, a National Geographic está a lançar a iniciativa Planeta Possível, uma nova iniciativa que visa capacitar todos nós para vivermos uma vida mais sustentável no nosso Planeta. É um ano crítico para o fazermos. Em novembro deste ano, o Reino Unido irá receber a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, conhecida pela designação COP26, em Glasgow. Com um foco nas alterações climáticas, sustentabilidade e perda de biodiversidade, esta é uma oportunidade para os líderes mundiais, cientistas e ambientalistas chegarem a um acordo coordenado de ação global. Num Planeta exausto devido a uma pandemia, esta pode não parecer a preocupação mais urgente – mas, na verdade, a saúde do nosso mundo e o aparecimento de doenças como a COVID-19 estão ligados de formas mais profundas do que muitos imaginam.

Cada um de nós tem o poder para fazer uma diferença positiva através das escolhas que fazemos todos os dias: eis 26 hábitos para começar.

1. Compre menos coisas

De todas as matérias-primas que retiramos da natureza e transformamos em produtos, cerca de dois terços acabam em resíduos. A saúde do Planeta, portanto, depende de todos procurarmos de forma sustentável o que precisamos e de um reaproveitamento quando terminamos. A forma de um futuro bem-sucedido e sustentável é redonda: uma economia circular em que usamos os recursos com moderação e reciclamos indefinidamente. “A nossa visão de uma economia circular é aquela em que resíduos e poluição são eliminados, onde materiais e produtos são mantidos em uso e onde a natureza é regenerada, tudo por predefinição”, diz Dame Ellen MacArthur, a velejadora de maior sucesso do Reino Unido e fundadora da Fundação Ellen MacArthur. “Este tipo de economia iria equilibrar as necessidades da sociedade com as do nosso Planeta.”

2. Coma mais vegetais

“Criar e abater 80 mil milhões de animais anualmente para obter alimentos tem um custo enorme para o nosso Planeta, sobretudo devido aos terrenos necessários para criar e cultivar rações, seja soja, milho ou gramíneas”, diz o cineasta Kip Andersen, que produziu os documentários ambientais Cowspiracy: The Sustainability Secret e Seaspiracy. De acordo com Kip Andersen, “essa é a principal causa de destruição de habitat, consumo e poluição de água, desflorestação e extinção de vida selvagem. É algo que substitui a biodiversidade dos ecossistemas por monoculturas (soja, milho ou gramíneas) e mono-espécies (vacas, porcos ou galinhas).” Estima-se que o mercado global de alternativas à carne possa valer mais de 7 mil milhões de euros até 2025, e os produtos à base de vegetais estão a conquistar a maioria dos fãs mais acérrimos de carne para quem o bem-estar pessoal e animal tem sido uma preocupação. Juntamente com os elevados custos ambientais de produção, a redução no consumo de carne e laticínios é uma das formas mais eficazes de reduzir a nossa pegada – para além de poder melhorar a nossa saúde.

“Apenas cerca de 9% dos resíduos plásticos são reciclados, com o restante a acabar em aterros, em rios ou no mar.”

3. Poupe energia

No Reino Unido, entre 2008 e 2019, as políticas que incentivam o investimento em energias de baixo carbono e tecnologias emergentes deram origem a reduções nas emissões de CO2 no setor energético na ordem dos 67%, e os custos de energia eólica ao largo da costa caíram de mais de 150 libras por MWh para cerca de 40 libras por MWh; mas cerca de 22% das emissões de carbono do Reino Unido ainda vêm dos lares residenciais. Considere mudar para uma empresa de energia ecológica que ofereça orçamentos na hora, que trate das alterações com o seu atual fornecedor e que reduza as suas contas mensais. Isto pode ajudá-lo a reduzir as suas emissões de CO2 em cerca de 3.2 toneladas por ano. Os conselhos da organização Energy Saving Trust e a instalação de um sistema de energia inteligente também podem ajudá-lo a gerir e a acompanhar melhor o uso energético e a reduzir as emissões de carbono.

4. Organize um piquenique sem plástico

Produzimos 300 milhões de toneladas de resíduos plásticos todos os anos: quase o peso de toda a população humana. As restrições da COVID-19 em relação às refeições em ambientes fechados tornaram os piqueniques na melhor forma de nos reunirmos com os amigos, mas muitas vezes não são a forma mais ecológica para petiscar – como infelizmente se pode ver pelas praias e parques que estão repletos de plástico. A organização de conservação marinha Ocean Generation pretende enfrentar este tsunami de resíduos plásticos com algumas dicas fáceis no seu desafio Picnic Without Plastic Challenge.

Apenas cerca de 9% dos resíduos de plástico são reciclados, com o restante a acabar em aterros, em rios ou no mar. “Sempre que o plástico passa pelo sistema, é reciclado e perde qualidade, até que, eventualmente, já não pode ser reciclado e é incinerado ou enterrado”, diz Jo Ruxton, fundadora da Ocean Generation. “Infelizmente, não podemos reciclar a nossa saída desta crise ambiental.” Portanto, devemos levar sempre um copo, uma garrafa de água e talheres reutilizáveis para as nossas petiscadas ao ar livre.

As medidas de distanciamento social tornam os piqueniques na forma ideal de vermos os amigos – e o uso de utensílios reutilizáveis ou biodegradáveis, pratos, garrafas e não só também podem ser ideais para o planeta.

Fotografia de Unsplash

5. Limpe mais ecologicamente

Nunca foi tão urgente ter a casa limpa, mas não é preciso criar um tornado de produtos tóxicos para a limpar. As prateleiras dos supermercados continuam repletas de produtos de limpeza embalados em plástico, com químicos efervescentes que potencialmente são prejudiciais para a saúde humana e para o Planeta. Troque a corrosiva lixívia por bicarbonato de sódio ou vinagre para limpar a sanita ou os ralos, ou mude para produtos de limpeza de casa de banho e cozinha menos agressivos, como os que já se encontram nos supermercados. Os kits básicos da empresa EcoVibe incluem frascos de spray de vidro recarregáveis e saquetas de limpeza sem plásticos, com uma escolha entre vários aromas exóticos, tudo entregue em embalagens biodegradáveis. Experimente também os esfregões de fibra de coco completamente naturais. Para lavar a roupa, o premiado Ecoegg oferece os “Laundry Eggs” recarregáveis, que podem economizar até 40 recipientes de plástico de detergente e amaciador por ano, para além de toalhetes de bambu, uma alternativa reutilizável para os rolos de papel de cozinha. Na loja Maria Granel encontra produtos bio e acessórios zero waste.

(Descubra 5 razões para preferir barras de champô.)

6. Escrutine os seus investimentos

Pode estar concentrado na redução da sua pegada de carbono no presente, mas será que está, sem saber, a contribuir para empresas poluentes através dos investimentos que faz para o futuro? O seu banco pode estar a financiar combustíveis fósseis ou a desflorestação. Descubra onde está a ser gasto o seu dinheiro e incentive investimentos éticos apoiando campanhas ecológicas.

7. Faça a gestão de microfibras

Não é apenas o mar de plástico que vemos pelas praias do mundo inteiro que está a prejudicar o ambiente. Durante cada ciclo de lavagem de roupa em casa, os materiais sintéticos libertam cerca de 700.000 microfibras: minúsculas partículas de plástico que escapam pelos sistemas de filtragem e acabam nos oceanos, onde são ingeridas por organismos aquáticos. Um estudo revela que 63% do camarão no Mar do Norte contém fibras sintéticas.

No Reino Unido, a campanha Stop Ocean Threads da Sociedade Marinha de Conservação está a pedir aos fabricantes de máquinas de lavar para começarem urgentemente a instalar filtros para capturar os 10 biliões de fibras que são semanalmente libertadas no ambiente. “Enquanto isso não acontece, usar amaciador para a roupa, fazer lavagens a 30 graus, lavar uma carga completa de roupa e trocar o detergente em pó por líquido são formas de reduzir a libertação de microfibras”, diz a Dra. Laura Foster, diretora da Clean Seas da Sociedade Marinha de Conservação. Usar um saco de lavagem Guppyfriend também pode ajudar, reduzindo a libertação de fibras sintéticas em cerca de 86% durante um ciclo de lavagem.

Os itens de higiene pessoal mais sustentáveis, como escovas de dentes sem plástico ou recipientes recarregáveis para cosméticos, e os sacos reutilizáveis são formas óbvias – mas impactantes – de atenuar diretamente a produção pessoal de lixo.

Fotografia de THE HUMBLE CO (ESQUERDA), THE CREATIVE EXCHANGE (DIREITA) / UNSPLASH

8. Higiene pessoal inteligente

Todos nós gostamos de um bom produto de beleza, mas assim que sabemos o que funciona connosco e o que gostamos, comprar uma dose recarregável em vez de outro frasco ou recipiente pode economizar toneladas de desperdício. Felizmente, as marcas estão cientes desta situação e muitas estão a unir esforços com a TerraCycle, uma empresa especializada em reciclagem, no seu Projeto Loop Waste-Free e noutras parcerias de reciclagem com várias lojas. Procure marcas que estejam empenhadas na redução de produtos descartáveis ou a trabalhar proativamente em embalagens sustentáveis; optar por barras de limpeza em vez de produtos líquidos em recipientes, ou por lâminas de barbear reutilizáveis e desodorizantes naturais recarregáveis, como o aromático Wild, também reduz a sua utilização de plástico.

9. Abdique do papel

Abdicar dos extratos bancários em papel e quaisquer outras atualizações que receba em papel é um bom primeiro passo. Se quiser ir mais longe, considere reduzir a quantidade de correspondência publicitária não solicitada que recebe pelo correio.  É fácil fazer e colar um autocolante na caixa do correio a informar que não quer receber correspondência não solicitada.

10. Reabastecer

O Reino Unido, através do Plano de Dez Pontos para uma Revolução Industrial Ecológica do Primeiro Ministro Boris Johnson, proibiu a venda de novos carros a gasóleo e gasolina a partir de 2030: dez anos antes do que o planeado anteriormente. Os carros usados a gasóleo e a gasolina permanecem isentos desta proibição de vendas, mas o governo britânico garantiu 582 milhões de libras em apoios para quem comprar veículos com emissões zero ou muito baixas, e 1.3 mil milhões para instalar pontos de recarregamento, encorajando assim esta transição. Usar melhor os sistemas de transportes públicos também é fundamental para o Reino Unido cumprir a sua meta juridicamente vinculativa de atingir as emissões zero de gases de efeito estufa até 2050.

Reduzir o consumo de energia em casa, usar máscaras de tecido, considerar a utilização de outros meios de transporte e participar na recolha de lixo e limpeza de praias são ações com impacto.

Fotografia de YASMINA H, VERA DAVIDOVA, ANDREW ROBERTS / UNSPLASH, SOCIEDADE DE CONSERVAÇÃO MARINHA

11. Máscaras ecológicas

No exato momento em que alguns lugares do mundo estavam a fazer progressos em relação ao descarte de materiais não reutilizáveis, a pandemia de COVID-19 gerou uma necessidade urgente de equipamentos de proteção individual (EPI), resultando num aumento exponencial de plásticos descartáveis. Estima-se que 129 mil milhões de máscaras e 65 mil milhões de luvas sejam descartadas todos os meses, juntamente com uma montanha de embalagens que protegem estes materiais. Os impactos serão sentidos durante muito tempo, conforme o EPI descartado chega aos oceanos – mas optar por uma máscara lavável pode ajudar. Cada compra de uma embalagem com duas máscaras reutilizáveis de algodão 100% orgânico – com a certificação GOTS da organização de preservação marinha 4Ocean – contribui para a limpeza de meio quilo de lixo em rios, mares e regiões costeiras.

12. Escritório ecológico

Agora que muitos de nós trabalhamos a partir de casa, a ecoeficiência do nosso escritório depende de nós. Adapte os móveis ao seu espaço de trabalho e use sistemas de arquivamento digital em vez de encher as prateleiras com documentos. Recicle e reutilize papel e envelopes, e considere a utilização de um motor de busca como o Ecosia: esta empresa planta árvores por cada pesquisa online. Mude para pilhas recarregáveis, lâmpadas LED e invista numa extensão elétrica com poupança inteligente de energia. Lembre-se de aumentar a sua eficiência – e felicidade – com uma janela, luz natural e muitas plantas também.

13. Defenda a vida selvagem

A pandemia de COVID-19 é um dos sinais mais evidentes que alguma vez tivemos de que a forma como tratamos as criaturas que partilham o Planeta connosco deve mudar. As populações globais de mamíferos, aves, anfíbios, répteis e peixes sofreram um declínio de cerca de dois terços em menos de meio século. Com os nossos destinos entrelaçados, nunca houve um momento mais importante para defendermos os que não têm voz. Crie e assine petições, escreva ao presidente da sua câmara municipal, proteste em voz alta e de forma pacífica, apoie as campanhas pela natureza, siga os defensores de vida selvagem nas redes sociais e incentive as pessoas que conhece a fazerem o mesmo.

14. Comece cedo

Ninguém é novo demais para ser um guerreiro ecológico. No Reino Unido, estima-se que diariamente sejam descartadas oito milhões de fraldas embaladas em plástico, cada uma demora até 500 anos para se decompor. Se tiver um bebé em casa, é provável que exista uma alternativa sustentável para as fraldas que geralmente compra. Existem agora versões biodegradáveis, e as versões reutilizáveis da velha guarda também estão a regressar, reduzindo o desperdício e custos (descubra as elegantes fraldas de algas marinhas e polpa de madeira da empresa Sumo Diaper, concebidas pela designer Luisa Kahlfeldt). A empresa Piccolo, neutra em carbono, também produziu a primeira bolsa para comida orgânica completamente reciclável, um passo gigantesco para uma indústria que vende mais de 60 milhões de embalagens não recicláveis todos os anos.

15. Deixe o peixe no mar

“Retirar e matar 1.5 biliões de peixes do oceano para alimentar humanos todos os anos é de longe a principal causa para o colapso da biodiversidade nos nossos oceanos, independentemente de essas práticas serem comerciais, ‘sustentáveis’ ou criações em cativeiro”, diz o cineasta Kip Andersen, realizador de Seaspiracy e Cowspiracy. “O oceano simplesmente não consegue prosperar com esta quantidade de pilhagem.” Obtenha as suas necessidades de peixe através de alternativas vegan, ou mude para refeições à base de plantas.

Encurte o tempo do banho e leve um saco para recolher o lixo quando for correr – ou ‘plogging’.

Fotografia de CHANDLER CRUTTENDEN, FLORIAN SCHMETZ / UNSPLASH

16. Faça ‘plogging’

Nascida das palavras suecas para correr (jogga) e apanhar (plocka upp), esta atividade, como o próprio nome indica, é uma combinação entre corrida e eco-atividade – ou seja, apanhar lixo. O plogging está a ganhar tração pelo mundo inteiro como uma forma de reduzir o desperdício plástico ao nível local, para além de ser um incentivo adicional para estar em forma enquanto pratica uma boa ação.

17. Encurte o banho

Apesar de ser conhecido por ‘Planeta Azul’, menos de 1% da água da Terra é doce ou está acessível. Em Portugal, existem motivos para a preocupação: tratando-se de um país onde as alterações climáticas podem ameaçar seriamente a já comprometida segurança do abastecimento de água. O país ocupa a 41.ª posição na lista mundial de países em stress hídrico. Portugal utiliza mais de 40% da água que tem disponível, um valor superior àquele que está estabelecido como margem de segurança para gerir variáveis como secas e aumento da procura. Isto coloca Portugal num risco elevado de severa escassez de água— e é provável que o aquecimento global torne o país ainda mais quente e seco. Descubra como podemos evitar uma crise de escassez de água em Portugal. Adotar algumas das dicas para economizar água da ONG Waterwise pode ajudar a preservar os preciosos recursos de H2O. Por exemplo, um banho de cinco minutos consome 45 litros de água; reduzir simplesmente para metade esse tempo, ou evitar passar 10 minutos no chuveiro,  pode ter um impacto não só na economia de água como no gás que é usado para a aquecer.

18. Reduza o desperdício eletrónico

A nossa obsessão com a tecnologia pode estar a impulsionar a humanidade, mas os preços cada vez mais baixos dos produtos eletrónicos – e uma cultura de descarte – tem transformado o fluxo de lixo eletrónico no fluxo de maior crescimento a nível mundial: em 2019, o mundo produziu 53.6 milhões de toneladas de resíduos elétricos e equipamentos eletrónicos. Pouco mais de 17% foi formalmente reciclado, e o restante – contendo uma mistura de materiais perigosos e preciosos – acabou em aterros ou foi desmontado, muitas vezes por operários com más condições de trabalho. Faça parte da solução doando a sua tecnologia indesejada a instituições de caridade ou levando-a para um centro designado.

Plantas de tomate cultivadas em casa. Com a biodiversidade em crise, o plantio ao ar livre também pode ajudar os polinizadores e criar microssistemas para os insetos prosperarem.

Fotografia de MARKUS SPISKE / UNSPLASH

19. Cultive um jardim ecológico

No Reino Unido, cerca de 27 milhões de pessoas são jardineiros ativos, e os jardins do país cobrem uma área com mais de um quinto do tamanho do País de Gales. Independentemente do tamanho, qualquer pessoa pode usar o quintal para se autossustentar com alimentos cultivados em casa. E também pode transformar um quintal num paraíso para a vida selvagem, plantando flores nativas que atraem polinizadores, descartando pesticidas e criando uma pilha de compostagem. O tutorial do programa Springwatch Save Our Species da BBC, apresentado pelo naturalista Chris Packham, explica uma forma fácil de atrair criaturas aquáticas, e pode encontrar mais ideias no livro Back To Nature: How To Love Life – And Save It – escrito por Chris Packham em coautoria com Megan McCubbin.

20. Mude a forma como viaja

De acordo com a Eurocontrol, as restrições nas viagens devido à COVID-19 podem ter dado origem a uma redução de cerca de 57% nas emissões de CO2 nos voos pela Europa, mas conforme as companhias aéreas regressam à atividade, a aviação vai representar mais uma vez um dos maiores dilemas éticos para os exploradores mais sensibilizados com o ambiente. A United Airlines está a contactar parceiros corporativos para a sua Eco-Skies Alliance, projeto que visa comprar combustível de aviação sustentável (SAF) e explorar a tecnologia de captura direta de ar (D.A.C.), mas a maioria das companhias aéreas utiliza esquemas de compensação de carbono para compensar as suas emissões. “As compensações de carbono não são uma solução: são um penso rápido para ganhar tempo, mas é melhor compensar do que não fazer nada”, diz Alexa Poortier, cofundadora da NOW, organização que financia projetos que se alinhem com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da sua ferramenta NOW Offset Carbon.

Fazer menos viagens, mas mais longas, viajar de comboio, barco ou bicicleta e fazer reservas através de um agente como a Charitable Travel, que doa 5% dos custos da sua viagem a instituições de caridade, ou numa operadora de turismo responsável como a G Adventures, que apoia projetos comunitários, são formas de aliviar a sua pegada de carbono.

21. Compre para o Planeta

“Quando estiver a fazer compras, pense de onde é que vem a sua comida. Quanto maior for a distância, mais energia foi usada para o combustível, refrigeração e embalamento, e provavelmente aumentou as emissões de combustíveis fósseis”, diz Karen Edwards, autora de The Planet-Friendly Kitchen: How To Shop And Cook With A Conscience“Compre alimentos produzidos localmente em mercados ou a vendedores mais pequenos, ou experimente cultivar as suas próprias frutas e legumes em casa.” A agricultura orgânica – sem produtos químicos – é mais amiga do ambiente, incluindo das abelhas. Por exemplo, a Fundação Ahimsa Dairy produz leite e queijo sem abater animais. Reduza as embalagens desnecessárias e opte pelas lojas de desperdício zero, onde pode reabastecer os seus próprios recipientes. “Em casa, reduza o desperdício de alimentos planeando com antecedência as suas refeições semanais”, aconselha Karen. “E troque a película aderente por invólucros biodegradáveis de cera de abelha.”

As dicas 21 a 24 para uma vida mais sustentável não precisam de afetar o seu estilo de vida. Uma atitude sustentável em relação à moda, ou viagens exóticas com compensações de carbono e alimentos de origem local são tudo coisas que têm as suas vantagens.

Fotografia de UNSPLASH; CHARITABLE TRAVEL; THE PLANET FRIENDLY KITCHEN; WILD EAST

22. Esteja na moda ecologicamente

Todos os anos são produzidos globalmente mil milhões de peças de roupa, enquanto se gastam anualmente cerca de 500 mil milhões de euros em roupas que são pouco usadas e que raramente são recicladas. A cada segundo, o equivalente a um camião do lixo com têxteis é depositado num aterro ou queimado. Com base nas tendências atuais, em 2050 a indústria da moda irá usar um quarto do orçamento de carbono do Planeta. O confinamento fez com que muitos de nós deixássemos de lado a nossa obsessão por roupas, mas se quiser comprar roupas novas, evite a “moda rápida” e opte por itens de qualidade e produzidos de forma ética, feitos com materiais de baixo impacto. Partilhe, ofereça, venda e recicle o máximo de roupas velhas que conseguir e dê uma nova vida à sua joalharia velha ou partida através da Rejewel Collective, onde fabricantes internacionais transformam as suas joias em novas peças brilhantes.

23. Regresse à natureza

Devido à habitação humana, à pecuária e à agricultura, resta menos de 5% de uma Europa verdadeiramente selvagem. O The European Nature Trust (TENT) supervisiona projetos de reflorestação na Europa e no Belize, replanta árvores nativas e restaura uma biodiversidade que está em declínio acentuado. Se quiser pode ajudar esta organização participando numa das suas jornadas guiadas de conservação, que oferecem oportunidades para se ver ursos-pardos, lobos e linces. “A longo prazo, uma paisagem em recuperação irá sequestrar mais carbono, prevenir a erosão do solo e mitigar as inundações através da retenção de água”, explica Paul Lister, fundador da TENT.

No Reino Unido, o movimento pioneiro WildEast tem a missão de devolver 250.000 hectares de terras cultivadas em Ânglia Oriental à natureza, com casas construídas de forma sustentável e cabanas para alugar em Fritton Lake, onde as vizinhanças incluem veados, búfalos de água e póneis Exmoor. “O nosso projeto de conservação está empenhado não só na proteção e restauração de áreas selvagens, mas também em ligar as pessoas à natureza e inspirá-las a tornarem-se parte da nossa visão”, diz Hugh Somerleyton, cofundador desta iniciativa.

24. Escolha aparelhos para a vida

O termo “e-lixo” não abrange apenas portáteis e smartphones – muitos dos nossos aparelhos domésticos também acabam por definhar em aterros sanitários. “Apesar das nossas boas intenções, somos prejudicados por uma tendência de aparelhos e eletrodomésticos que são feitos para se avariarem, algo que está a contribuir para uma quantidade assustadora de poluição por plástico e desperdício eletrónico”, diz Pablo Montero, antigo engenheiro da Dyson e cofundador da Lupe Technology. Para contrariar esta tendência, a empresa desenvolveu um aspirador de baixo consumo energético, feito de plástico reciclável durável, e todas as peças são reparáveis ou substituíveis. Nós também podemos consultar fabricantes ou lojas de reparações que arranjam eletrodomésticos avariados, ou também os podemos reparar nós próprios, vender ou doar aparelhos que já não usamos, comprar móveis antigos ou recuperados e apoiar marcas éticas e sustentáveis – tudo isto ajuda a manter estes produtos longe dos aterros.

25. Assinale o Dia da Terra

Celebrado pela primeira vez em 1970, o Dia da Terra é um evento anual que unifica o mundo na tomada de medidas contra as alterações climáticas e a destruição ambiental. Para assinalar o Dia da Terra deste ano, o presidente Biden vai convocar uma Cimeira do Clima histórica no dia 22 de abril, reafirmando o compromisso dos Estados Unidos para com uma economia de emissões zero até 2050. Os eventos online do Dia da Terra vão concentrar-se em formas de restaurar o nosso Planeta, e a National Geographic vai apresentar uma celebração virtual com um concerto que inclui artistas como José GonzálezMy Morning JacketWillie NelsonYo-Yo Ma e Ziggy Marley.

26. Não desperdice

Hoje, produzimos e compramos 70 vezes mais coisas do que na década de 1950. Cerca de 99% destes itens transformam-se em resíduos nos primeiros 12 meses após a compra. Recordar os três R nunca foi tão importante: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Para o ambientalista Sir David Attenborough, a mensagem é simples e clara. “Pare de desperdiçar. Pare com o desperdício de qualquer tipo. Pare de desperdiçar energia, pare de desperdiçar comida, pare de desperdiçar plástico e pare de perder tempo. Este é um mundo precioso, e cada um de nós pode usar os nossos atos e a nossa voz para salvar o nosso Planeta. É importante que o tentemos como se o nosso futuro dependesse disso.”

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.co.uk

Continuar a Ler

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registrar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2017 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados