Esta região portuguesa outrora abandonada está a ser renaturalizada

Há uma equipa de biólogos jovens, dedicados afincadamente à renaturalização do Vale do Rio Côa, que pretende reforçar um corredor de 120.000 hectares para a vida selvagem.

Por Filipa Coutinho
Publicado 10/03/2022, 15:58 , Atualizado 10/03/2022, 17:30
A equipa de biólogos e especialistas da Rewilding Portugal está a implementar esforços para tornar esta ...

A equipa de biólogos e especialistas da Rewilding Portugal está a implementar esforços para tornar esta região do Vale do Rio Côa mais selvagem e biodiversa.

Fotografia por Rewilding Portugal

Nas margens do Grande Vale do Côa, no nordeste do país, as densas florestas foram desaparecendo e sendo trocadas por olivais e pastos para ovelhas. Nas últimas décadas também os agricultores abandonaram estas terras, o que não significa que existam mais condições de atração para a vida selvagem. É imperativo um refortalecimento da região para criar um novo espaço, capaz de reunir animais selvagens e um território mais saudável para todos.

Após um movimento civil para deter a construção de uma barragem no início dos anos 90, foi criado o Parque Natural do Vale do Côa, reconhecido Património Mundial da UNESCO e considerado o mais importante sítio com arte rupestre paleolítica de ar livre. O Grande Vale do Côa está ecologicamente ligado a áreas selvagens semelhantes noutras partes da Península Ibérica, através da rede Natura 2000. É nesta região que testemunhamos como uma organização não-governamental – a Rewilding Portugal - está a renaturalizar os ecossistemas, lutando para fomentar a migração dos animais selvagens de volta a estas terras.

A estratégia de rewilding

O processo de rewilding, ou renaturalização, é uma abordagem inovadora e pragmática de conservação da natureza. Trata-se de permitir que a natureza cuide de si mesma, dando espaço a que os processos naturais moldem a terra e o mar, reparem os ecossistemas danificados e restaurem paisagens degradadas. Desta forma, os ritmos naturais da vida selvagem criam habitats mais selvagens e mais biodiversos. Esta estratégia natural reconhece a necessidade de criar espaços onde tanto a natureza como as pessoas possam prosperar e viver em harmonia, promovendo economias locais mais sustentáveis em que o património natural potencia o desenvolvimento das economias rurais.

Pedro Prata, biólogo da conservação e diretor da ONG portuguesa, regressou à zona onde cresceu para lutar pela restauração deste habitat. Após ter estudado e trabalhado na Holanda, no Brasil e nos EUA, é um dos poucos membros da sua família que regressou às origens. Pretende implementar uma estratégia de rewilding para trazer de volta a vida selvagem e rejuvenescer a população habitante. Aos seus olhos, a renaturalização não deve ser sinónimo de isolamento. Deve incluir a população tanto quanto possível, reforçando também a conexão da população à natureza. Tudo deve ser pensado como um ecossistema, aumentando a consciencialização sobre a conservação da natureza e melhorando a situação socioeconómica das comunidades locais.

Os cavalos, juntamente com as aves, são importantes difusores de sementes e da biodiversidade. Como parte dos esforços de renaturalização da região, a organização tem adquirido cavalos para estas terras.

Fotografia por Rewilding Portugal

A organização visa construir uma economia baseada na natureza e na cultura para criar apoio comunitário a um ambiente mais selvagem, em que os processos naturais e a vida selvagem modelam a paisagem. Do rio Douro, no norte, até às montanhas da Malcata, no sul, a ONG pretende aumentar a área de terra sob restauração e reduzir as principais ameaças a habitats e espécies.

Outro dos problemas da região são as vastas culturas de Eucalipto e os incêndios que se vão alastrando e regressando a uma frequência que não permite que a floresta recupere. A equipa de vigilância da Rewilding Portugal percorre milhares de quilómetros, geralmente de mota, para detetar e denunciar crimes ambientais, como armadilhas ou envenenamentos de animais selvagens. Fazem também parte do esforço nacional para detetar incêndios florestais rurais.

Esta estratégia começa a dar frutos. O Vale do Côa está a ser reabitado aos poucos e a tornar-se num lugar mais selvagem. Há uma nova colónia reprodutora de abutre preto confirmada recentemente na Reserva Natural da Serra da Malcata e também o lobo ibérico, o veado-vermelho e o corço continuam a expandir a sua área de distribuição.

A ONG irá identificar oportunidades de negócio desde a produção de produtos agrícolas locais ao turismo, entre outras. Estas oportunidades de negócio devem apoiar os objetivos de conservação da vida selvagem e ser comercialmente sustentáveis.

Fotografia por Rewilding Portugal

Turismo sustentável e responsável

O turismo de natureza está a florescer em Portugal e importa recordar que os cuidados na observação de mamíferos selvagens são fundamentais. Alguns mamíferos, como o lobo ibérico, não podem ser perturbados e exigem medidas especiais de conservação. A Rewilding Portugal irá oferecer cursos de treino especializados a aspirantes a guias locais de observação de lobos e experiências em turismo de natureza.

Já existem várias empresas que organizam atividades e expedições na região que apoiam a natureza e a vida selvagem, onde os turistas têm oportunidade de aprender sobre conservação e experienciar e contribuir positivamente para a economia local. A European Safari Company, a WildCôa e a Impactrip são algumas delas.

O COA - Corredor das Artes é outra novidade da região, um evento bianual local que pretende trazer um novo modelo de arte e cultura para a região, promovendo a sua identidade natural e cultural como destino de viagem e dando oportunidade a empresas locais de apresentarem os seus produtos.

Na visão desta equipa, é a libertação da terra e não o seu abandono, que nutre a vida natural. Oxalá as novas gerações possam observar esta paisagem e ver florestas envelhecidas, sem as interrupções dos fogos florestais. Quem sabe, um dia, até avistar matilhas de lobos a caçar e linces ibéricos a calcorrear os solos férteis.

A natureza é primorosa e tem capacidade de se regenerar se lhe dermos tempo e liberdade para isso.

Descubra como pode apoiar a Rewilding Portugal e participar nos seus projetos.

Continuar a Ler

Também lhe poderá interessar

Ciência
Dominique Gonçalves: “Tudo o que fazemos na natureza tem consequências para o bem-estar humano.”
Meio Ambiente
Summit 2022 | Programa
Meio Ambiente
O que deve saber antes de procurar cogumelos
Meio Ambiente
As origens africanas da vida na Amazónia
Meio Ambiente
Angelina Jolie partilha a sua paixão por formar mulheres apicultoras

Descubra Nat Geo

  • Animais
  • Meio Ambiente
  • História
  • Ciência
  • Viagem e aventuras
  • Fotografia
  • Espaço
  • Vídeos

Sobre nós

Inscrição

  • Revista
  • Registar
  • Disney+

Siga-nos

Copyright © 1996-2015 National Geographic Society. Copyright © 2015-2021 National Geographic Partners, LLC. Todos os direitos reservados