Meio Ambiente

Ilha perdida da Grécia antiga descoberta no mar Egeu

Os arqueologistas pensam que terão descoberto a cidade de Kane, lugar onde ocorreu a maior batalha entre Atenas e Esparta durante a guerra do Peloponeso.

Por Nick Romeo

20 Novembro 2015

Uma equipa internacional de arqueólogos e geofísicos acredita que descobriu uma ilha perdida no Egeu oriental que terá sido o lar da antiga cidade de Kane.

A ilha, mencionada pelo historiador Xenofonte da antiga Grécia, é famosa pela sua proximidade da batalha marítima de Arginusae no ano de 406 a.C., na qual os Atenienses derrotaram os espartanos perto do fim da guerra do Peloponeso.

As ilhas Arginusae, agora chamadas de ilhas Garip, ficam apenas a algumas centenas de jardas ao largo da costa da Turquia. Fontes históricas antigas mencionam três ilhas Arginusae, mas a localização exata da terceira tem sido, desde há muito tempo, pouco clara.Pesquisadores perfuraram o chão e usaram evidências geológicas para revelar que o que é agora uma península foi outrora uma ilha. A determinado momento antes do final da Idade Média, uma ponte de terra formou-se entre a ilha e a costa. Um mapa otomano do século 16 mostra a ilha que, nessa altura, já se tinha tornado uma península.

Parece que a ilha pode ter estado ligada ao continente através de depósitos que se formaram num canal natural estreito, possivelmente como resultado dos terramotos ou da erosão dos campos agrícolas do continente.

Os cientistas pretendem determinar a idade das camadas geológicas usando datação por radiocarbono, que irá ajudá-los a entender melhor como isso aconteceu, diz Felix Pirson, diretor do Instituto Arqueológico Alemão em Istambul.

Os arqueólogos também descobriram os restos submersos de um antigo porto próximo do período helenístico (323 a.C. a 31 a.C), outra indicação de que a península outrora fora uma ilha.

História Tempestuosa

Embora Kane fosse apenas uma pequena cidade na antiguidade, ela ocupou um lugar ao longo de uma rota comercial marítima estratégica que vai do Mar Negro ao longo da costa sul da Turquia, com um grande porto onde os navios poderiam abrigar-se das tempestades. n

Pesquisas anteriores descobriram cerâmica na ilha que sugeria rotas comerciais; determinados microrganismos nativos para o Mar Negro que foram provavelmente levado por barcos ao porto próximo de Elaia oferecendo provas adicionais da existência de redes de comércio.

“A arqueologia clássica tornou-se muito mais completa que há cerca de 20 anos atrás,\ u201d diz Pirson. “Podemos agora incorporar várias técnicas subtis para o estudo das influências ambientais. ”

Batalha HistóricaA batalha de Arginusae foi uma vitória agridoce para os atenienses. Embora eles tenham derrotado os espartanos, tornou-se impossível, logo depois de uma tempestade, resgatar os atenienses cujos navios tinham sido destruídos. Quando os generais atenienses vitorioso voltaram para casa, os cidadãos votaram para que fossem executados por não resgatar esses soldados.

“Isso destruiu a moral dos comandantes atenienses e levou indiretamente à derrota total, um ano depois,” diz Barry Strauss, que estuda História antiga na Cornell University.

A vingança dos atenienses contribuiu para a sua queda, diz em concordância a Universidade de Cambridge Paul Cartledge. “A Atenas democrática arrebatou a derrota das mandíbulas da vitória —colocando em julgamento os oito almirantes que haviam vencido a batalha, condenando-os depois ilegalmente à sua morte 201d

É improvável que algum dos naufrágios de madeira da batalha de Arginusae tenha sobrevivido, mas pesquisas futuras visarão estabelecer uma linha do tempo dos núcleos perfurados e combinar esses dados com fontes históricas para entender melhor as redes marítimas de toda a região.

Continuar a Ler