Revitalizar as plantações de café no Zimbabué através da educação

A Nespresso apoia os produtores no cultivo de grãos de café da melhor qualidade para uma mudança fundamental nas suas comunidades.

Por Karen Carmichael
Os agrónomos da Nespresso fornecem aulas práticas no terreno, onde são feitas demonstrações e os participantes ...

Os agrónomos da Nespresso fornecem aulas práticas no terreno, onde são feitas demonstrações e os participantes podem ver diretamente o impacto da adoção das melhores práticas. 

Fotografia de Rena Effendi

O processo de transformação do grão de café para o café em chávena é complexo. É necessário um grande conhecimento para cultivar, colher e processar esses grãos. No Zimbabué, a seca e a crise económica arrasaram a indústria do café, tendo-se também perdido muito do conhecimento essencial. O agrónomo Tafadzwa Nyakuchena trabalha com o Programa AAA Sustainable Quality™ da Nespresso para ajudar os agricultores a recuperarem esse conhecimento e a aprenderem novos métodos que resultem em melhores grãos e na revitalização da indústria do café no país.

"O Zimbabué tem o clima ideal e os melhores solos para plantar café", diz Tafadzwa. "As temperaturas baixas, a precipitação a grandes altitudes e os vales verdejantes das montanhas do leste do país proporcionam um ambiente de cultivo bastante favorável". Desde 2018 que trabalha com o Programa AAA da Nespresso como parte da Nespresso AAA Academy, administrada pela Nespresso e pela TechnoServe, uma organização internacional sem fins lucrativos dedicada ao combate à pobreza nos países em desenvolvimento. A academia fornece formação e aconselhamento agronómico aos produtores de café do Zimbabué com o objetivo de revitalizar o, outrora próspero, setor do café e de melhorar o nível de vida dos residentes locais envolvidos no processo.

Ao partilhar com os produtores os conhecimentos técnicos sobre a agronomia e o processamento do café no distrito de Mutasa, Tafadzwa está a ajudá-los a produzir grãos de café da melhor qualidade, o que resulta em preços mais elevados que, por sua vez, ajuda a desenvolver a comunidade. Tafadzwa tem conseguido fornecer o apoio necessário em diversas áreas fundamentais: a preparação das covas para a plantação, proporcionar a quantidade de sombra ideal para as árvores de café, a poda de arbustos indesejados e a verificação da existência de pestes e doenças. Os produtores também passaram a aplicar métodos naturais e biológicos de controlo de pestes, começaram a analisar cuidadosamente as necessidades nutricionais dos solos e a praticar a higiene na colheita ao remover as cerejas de café antigas e secas das árvores de café.  

As formações em plantação, poda e colheita oferecidas pela academia são orientadas por especialistas em agricultura e agrónomos da AAA, como é o caso de Tafadzwa Nyakuchena. Além disso, ele ainda fornece aconselhamento no local através de visitas porta a porta nas comunidades, com o objetivo de encorajar a adoção das melhores práticas recomendadas.

Fotografia de Rena Effendi

Durante vinte anos, as plantações de café do Zimbabué têm-se esforçado por se manterem viáveis. Agora, e em parte graças aos programas de apoio da Nespresso e da academia, o cultivo do café está a ser novamente uma realidade: há cada vez mais produtores a participar nos módulos de formação da academia e prontos a iniciar a época da plantação, em particular os mais jovens, que agora conseguem ver um futuro na produção de café. O trabalho de Tafadzwa motivou um grupo de jovens a desenvolver um viveiro de árvores de café utilizando os seus próprios recursos. "Nunca pensei vir a ser produtor de café, pois lembro-me que durante algum tempo os meus pais não conseguiam tirar qualquer rendimento do seu trabalho árduo nas plantações de café", disse Fanuel Munyuki, um dos jovens. "Mas agora as coisas estão diferentes".

Apesar das complexidades inerentes, o cultivo do café voltou a cativar os produtores. Ao longo dos dois anos em que o programa AAA operou nesta região, o aumento do rendimento proporcionado pelo café beneficiou toda a comunidade: existem mais crianças a frequentar a escola, os locais têm acesso a melhores cuidados de saúde e foram feitos investimentos em equipamento agrícola mais eficiente. O futuro parece promissor no distrito de Mutasa. Aqueles que participam nas sessões de formação da AAA acabam sempre por ficar mais tempo para debater outras possibilidades de desenvolvimento económico, como identificar novas oportunidades de trabalho nas plantações de café em expansão ou recém-criadas.  

SAIBA MAIS

Continuar a Ler