As "Pirâmides de Gelo" Que Poderão Regar os Himalaias

Estão a ser utilizados glaciares artificiais para as culturas no deserto árido.terça-feira, 13 de março de 2018

No cimo dos Himalaias, existe um deserto a ganhar tons de verde.

As alterações climáticas na região indiana de Ladakh encolheu os glaciares e tornou imprevisíveis a precipitação e as temperaturas. A água é necessária para irrigar os campos de cevada, maçãs e outras colheitas na primavera, mas o degelo glacial não ocorre antes do verão. Para poupar os agricultores a um cenário de improdutividade, o engenheiro Sonam Wangchuk inventou uma forma de trazer os glaciares até às pessoas.

Em 2015, ao reunir 125 mil dólares através de um site de crowdfunding, Wangchuk construiu uma pirâmide de gelo ("ice stupa") - um glaciar artificial que orienta riachos de montanha por tubos até uma aldeia em Ladakh. A água liberta um jato tipo geiser de um tubo vertical, congelando de seguida num cone de gelo com o formato de um templo budista. A estrutura foi concebida para permanecer congelada até o sol da primavera aquecer os campos.

Evidentemente, o protótipo de Wangchuk começou a derreter em abril, regando um campo de choupos recém plantado. Em junho, quando o degelo glacial normal começou a fluir, a pirâmide desapareceu quase totalmente.

Agora, Wangchuk está a conceber um sistema de tubagens para construir mais 50 pirâmides de gelo. Cada uma irá fornecer 10 milhões de litros de água por ano e irrigar cerca de 10 hectares de terreno.

Este projeto já chegou a outros cumes de montanhas do mundo inteiro. O ano passado, este engenheiro construiu a primeira pirâmide de gelo da Europa, nos Alpes Suíços, e este ano irá trabalhar no conceito de recongelação de um lago glacial na Índia para travar as inundações repentinas.

O inventor - cujos projetos anteriores incluem edifícios alimentados a energia solar e fogões eficientes - conquistou um Prémio Rolex de Empreendedorismo em 2016. Está a utilizar os ganhos para criar uma universidade de pesquisa pan-himalaia que possa lidar com as preocupações ambientais da região.

"A falta de água é um problema enorme", afirmou Tsering Spalzes, um agricultor local, num vídeo para a campanha de crowdfunding. "No futuro, será impossível para as nossas crianças poderem continuar a cultivar."

Wangchuk espera que se os locais se adaptarem agora, os seus descendentes não se irão tornar em refugiados climáticos. "Nas montanhas, somos minorias, não só em termos étnicos mas também em termos de clima", afirma. "As coisas que resultam em Nova Iorque ou Nova Deli não resultam nas montanhas. Temos de encontrar as nossas próprias soluções para os nossos problemas."

Continuar a Ler