Photo Ark

Quer Ajudar a Salvar Espécies? Veja os 16 Conselhos de Joel Sartore

O fotógrafo da National Geographic e autor do Photo Ark, a maior arca fotográfica do mundo, deixa vários conselhos que todos podemos pôr em prática Sexta-feira, 3 Novembro

Por Joel Sartore

"Como Posso Ajudar a Salvar as Espécies?"

1. Apoie o Jardim Zoológico, o Aquário ou o Centro de Reabilitação da vida selvagem da sua região
Estas entidades trabalham incansavelmente, 365 dias por ano, para salvar a vida selvagem. Atualmente, muitas espécies já só existem em cativeiro. Ao apoiar um jardim zoológico acreditado, o seu dinheiro irá diretamente para programas de reprodução e conservação de animais raros. Vá a www.aza.org para obter uma lista completa de todos os zoos acreditados na sua área.

2. Reduza, reutilize e recicle aquilo que compra. A reciclagem é o último recurso, pois é necessária uma grande quantidade de energia para processar os materiais. O mais sensato é comprar menos e reutilizar mais! Também é muito importante comprar roupa em segunda mão, uma vez que a indústria têxtil é a segunda mais poluente, logo a seguir às petrolíferas. Compre nas lojas de roupa em segunda mão da sua zona, ou utilize uma das lojas on-line. A sustentabilidade está na moda!

3. Cultive um jardim para os polinizadores
Para ajudar a salvar abelhas e borboletas. Trate dele sem recorrer a pesticidas, herbicidas ou fertilizantes, pois estes são venenosos para os nossos amigos polinizadores. Plantas que segreguem néctar, bem como as asclépias, encorajarão as borboletas-monarca(s) a fazer uma paragem no seu jardim e a pôr os seus ovos. Certifique-se que cultiva plantas nativas da sua região. Procure aqui as asclépias disponíveis na sua área, ou dirija-se a um horto. Através da combinação de um jardim de polinizadores com práticas de cultivo orgânicas, com certeza que o seu jardim se irá tornar um refúgio para os polinizadores, como as abelhas e as borboletas.

4. Ponha o plástico de parte no seu dia-a-dia. Diga “Não” aos plásticos de utilização única, tais como sacos de supermercado, cápsulas de café, palhinhas descartáveis e tampas para copos. O plástico nunca se degrada completamente, e é muito disruptivo, especialmente para os ecossistemas marinhos. Use sacos de supermercado reutilizáveis e traga a sua própria chávena ou copo se sabe que vai comprar uma bebida. Muitas cadeias de restauração fazem um desconto a quem trouxer a sua própria caneca.

5. Coma de forma mais saudável! Coma menos carne e coma localmente sempre que possível. A produção de carne requer uma grande quantidade de energia, cereal e água. Tente restringir o seu consumo de carne a uma refeição por dia. Comprar frutas e vegetais produzidos localmente ajuda os agricultores locais, e não requer as emissões de carbono de um camião que percorre o país para os levar até si. Provavelmente, essas verduras serão de cultivo orgânico e terão melhor sabor. Escolha o que é melhor para o seu corpo e para o planeta.

6. Leia as etiquetas dos alimentos não compre produtos que contenham óleo de palma. O óleo de palma existe em praticamente 50% dos produtos processados existentes nas prateleiras do supermercado, e, quando é obtido de forma antiética, contribui para a desflorestação e perda de habitats. Em alternativa, pode visitar o website da Roundtable on Sustainable Palm Oil (RSPO – Mesa Redonda sobre o Óleo de Palma Sustentável) no seu smartphone enquanto faz as suas compras, para encontrar uma lista de marcas que produzem óleo de palma de forma a não ter um impacto negativo sobre a natureza.

7. É fã de sushi? A maior parte do peixe não é pescado ou criado de uma forma que seja benéfica para os oceanos ou para os efetivos populacionais. Saiba que peixe deve escolher ao fazer as suas compras ou comer fora descarregando a aplicação Seafood Watch do website do Aquário da Baía de Monterey.

8. Conduza um carro mais pequeno conduza-o menos. É altura de repensar se conduzir um SUV ou um monovolume será a melhor escolha para si. Mesmo se o combustível fosse barato, lançar mais carbono para a atmosfera é prejudicial para o ambiente. Comprar um carro usado também é uma boa escolha, uma vez que só o fabrico de um novo automóvel perfaz cerca de 28% do impacto ambiental total do veículo. Adicionalmente, assim que sai do stand com o seu carro novo, este desvaloriza instantaneamente cerca de 11%. Tenha o planeta e a sua carteira em consideração, compre um veículo usado e de menores dimensões e recorra ao carpool (utilização partilhada) sempre que possível.

9. Pressione as autoridades locais a adquirirem energia sustentável. Não fique à espera que o planeta se torne insuportavelmente quente devido à utilização de combustíveis fósseis. Faça-o agora! Encontra os nomes e contactos dos seus representantes eleitos clicando aqui e indo a “Take Action”. Mantenha-se informado e atualizado sobre as medidas e programas ambientais do seu governo. Conhece a legislação? Sabe aquilo em que pode votar? Faça-se ouvir e certifique-se também que está a par dos acontecimentos, subscrevendo as newsletters ambientais.

10. Recicle, venda ou troque os seus telemóveis e outros pequenos aparelhos eletrónicos. O tântalo, um elemento usado nos nossos telemóveis, é obtido por mineração em zonas de África que servem de território a muitos primatas em perigo. Ao reciclar estes aparelhos eletrónicos, o tântalo é reutilizado, reduzindo a necessidade de minerar nestes habitats. Procure um ponto de recolha próximo de si aqui! Pode ainda trocar ou vender ou seu aparelho, o que também resulta na reutilização do tântalo.

11. Leia as etiquetas dos produtos de higiene e cosmética. Muitos destes produtos contêm microesferas, pequenos esfoliantes plásticos, que, assim que entram na canalização, são libertados nos cursos de água, onde se irão bioacumular nos animais marinhos. Boicote estes plásticos sorrateiros e opte por alternativas naturais aos produtos de beleza que usa habitualmente, lendo as etiquetas e descarregando a Think Dirty™, ou qualquer outra aplicação equivalente, que o ajuda a comprar de forma ambientalmente consciente.

12. Reduza o desperdício de papel, cancelando as subscrições de lixo postal e comprando papel higiénico reciclado, por forma a reduzir o abate de árvores. Utilize uma aplicação como a PaperKarma, que cancela automaticamente as subscrições de lixo postal. Limpe a sua secretária, ao mesmo tempo que ajuda a floresta.

13. Não se deixe enganar pelo ‘branqueamento verde’. O ‘branqueamento verde’ acontece quando uma empresa ou marca reconhece a necessidade de ser amiga do ambiente, mas, em vez de efetuar alguma mudança real, mascara os seus produtos, usando palavras-chave “ambientais”, para tranquilizar os compradores. Expressões como “100% natural” e “puro” podem não significar absolutamente nada. Leia sempre as etiquetas e pense pela sua própria cabeça!

14. Isole a sua casa. Isto irá evitar que o ar condicionado se dissipe, reduzindo a sua pegada de carbono e poupando-lhe dinheiro a longo prazo. Habitue-se a vestir uma camisola ou a tirar uma camada de roupa em vez de regular o termóstato.

15. Pense bem sobre cada euro que gasta. Sempre que abre a carteira, você está, efetivamente, a ‘votar’, dizendo aos retalhistas que quer os seus produtos uma e outra vez. Aquilo que compra, é benéfico ou prejudicial para o planeta? A forma como gasta o seu dinheiro pode mover montanhas. Garanta que vota de uma forma que é sustentável para o seu futuro!

16. Desligue as fichas elétricas. Mesmo que o seu secador de cabelo esteja desligado, deixar a ficha na tomada suga energia da fonte, desperdiçando-a. Mate os vampiros energéticos desligando da corrente os aparelhos que não estão a ser utilizados.

Veja também os bastidores da Sessão Fotográfica de Joel Sartore no Jardim Zoológico de Lisboa

Continuar a Ler