Como é que esta Baleia Acumulou 7 Quilos de Plástico no Estômago?

Oitenta sacos de plástico e outros resíduos obstruíram o estômago do animal, impedindo que se alimentasse. terça-feira, 19 de junho de 2018

Mais de 7 Quilos de Lixo Plástico Mataram Esta Baleia-Piloto
Mais de 7 Quilos de Lixo Plástico Mataram Esta Baleia-Piloto
Este artigo faz parte da campanha da National Geographic, Planeta ou Plástico?—o nosso esforço para alertar sobre a poluição dos plásticos em todo o mundo. Saiba o que pode fazer para reduzir a sua utilização de plásticos de uso único, e assuma este compromisso.

No início deste mês, um jovem macho de baleia-piloto foi encontrado num canal tailandês, perto da fronteira com a Malásia, incapaz de respirar e debatendo-se para nadar. Técnicos de salvamento tentaram socorrer o animal, mantendo o corpo a flutuar com a ajuda de boias, enquanto os veterinários prestavam os primeiros cuidados e abriam chapéus vermelhos para proteger a pele exposta aos raios solares.

A baleia vomitou cinco sacos de plástico durante a tentativa de salvamento. Morreu cinco dias após o início dos trabalhos.

Uma necropsia revelou que mais de 7 quilos de plástico obstruíam o estômago da baleia, tornando impossível a ingestão de alimentos. Este lixo compunha-se de 80 sacos de plástico e outros resíduos.

Regina Asmutis-Silvia, diretora-executiva da delegação norte-americana da Conservação de Baleias e Golfinhos, afirma que este é um caso emblemático de um problema bem mais abrangente e que decorre da poluição dos nossos oceanos com detritos plásticos.

SAIBA: O que Aconteceu a esta Cria de Foca

“Não fazemos ideia do número de animais que morrem e não dão à costa”, diz Asmutis-Silvia. “Este é um exemplar de uma baleia-piloto, sendo que não reflete outras espécies. Este é um caso simbólico na melhor das hipóteses, simbólico de um problema global.”

ALIMENTO TÓXICO

Os especialistas dizem que é provável que a baleia tenha confundido os sacos de plástico com alimento. A acumulação de lixo no interior do estômago poderá ter feito o animal sentir-se enfartado, diminuindo o seu apetite. Subnutrida, a baleia acabou por adoecer, incapaz de caçar.

“A dada altura, o estômago das baleias fica tão cheio de lixo, que os animais deixam de se alimentar”, diz Asmutis-Silvia, “privando o organismo de receber os nutrientes necessários. Basicamente, o aparelho digestivo fica totalmente obstruído.”

As baleias-piloto alimentam-se, normalmente, de lulas, mas também são conhecidas por caçarem polvos, chocos e pequenos peixes, quando o alimento escasseia.

A poluição de plásticos é um problema transversal aos oceanos. Em águas tailandesas, foram registadas mais de 300 mortes de animais marinhos, após a ingestão de plásticos. A lista inclui baleias-piloto, bem como tartarugas-marinhas e golfinhos. Em abril, um cachalote subnutrido foi encontrado morto numa praia espanhola, com mais de 27 quilos de lixo no aparelho digestivo. Na sexta-feira, dia 8 de junho, uma foca bebé da Gronelândia deu à costa, com uma pequena película de plástico no intestino, um caso raro, porque as focas normalmente não confundem plástico com comida.

CRISE DO PLÁSTICO

No mês passado, o jornal Bangkok Post revelou que o governo tailandês estava a considerar aplicar um imposto sobre os sacos de plástico, para reduzir o seu consumo e os níveis de poluição. Em 2017, a Tailândia divulgou que foram produzidas 27,4 milhões de toneladas de lixo, das quais 2 milhões eram resíduos plásticos.

Anualmente, cerca de 8 milhões de toneladas de desperdícios plásticos têm como destino os oceanos. Cada americano produz, em média, cerca de 84 quilos de lixo por ano, mas alterar hábitos simples pode ajudar a reduzir este número. Preterir o uso de sacos e garrafas de plástico, dispensar as palhinhas e evitar produtos com embalagens de plástico são algumas das sugestões. Reciclar e não deitar lixo para o chão são também algumas das práticas que podem ajudar a reduzir o lixo plástico.

CONHEÇA: 10 Práticas Para Reduzir o Plástico que Consumimos

Asmutis-Silvia afirma que as baleias desempenham um papel essencial enquanto “jardineiras dos oceanos”, fertilizando os respetivos ecossistemas. Ao contribuirmos para a morte destas baleias, estamos a infligir danos ao restante ecossistema e, por sua vez, a nós mesmos. Ao poluirmos os nossos oceanos, estamos também a poluir os peixes dos quais nos alimentamos e, por conseguinte, a ingerir plásticos.

“Deveria ser um sério alerta para nós, humanos, enquanto espécie”, afirma Asmutis-Silvia. “Temos de deixar de contribuir para a nossa própria morte.”

Esta Comunidade nas Filipinas Converte Redes de Pesca de Plástico em Alcatifas
Esta Comunidade nas Filipinas Converte Redes de Pesca de Plástico em Alcatifas
Continuar a Ler