Viagem e Aventuras

Descubra as Alternativas ao Protetor Solar com Efeitos Nocivos nos Recifes de Coral

Químicos nocivos na composição dos protetores solares podem poluir as águas dos oceanos e danificar os recifes de coral. Descubra algumas das alternativas aos protetores solares.terça-feira, 19 de junho de 2018

Por Elaina Zachos
Duas pessoas praticam mergulho livre, nadando ao lado de peixes borboletas-de-estandarte e borboletas-guaxinim.

Vista à distância, a Grande Barreira de Coral da Austrália é um verdadeiro tesouro subaquático. Os corais coloridos do recife constituem um autêntico jardim subaquático que alberga um vibrante ecossistema que todos os anos atrai visitantes de todas as partes do mundo. Aqui, entusiastas do mergulho, seja snorkeling ou scubadiving, podem nadar entre milhões de espécies de peixes que fazem do recife o seu lar. Os visitantes mais sortudos poderão, até, ter oportunidade de se cruzarem com um dugongo ou tartarugas-marinhas.

Contudo, este ecossistema é frágil. O aumento das temperaturas médias e os químicos nocivos que chegam ao mar estão a danificar aquele que, em tempos, foi um recife saudável. Algumas destas substâncias nocivas podem até estar a ser trazidas nos corpos dos humanos que visitam a região.

Quando nadamos e estamos a usar protetor solar, certas substâncias químicas, como a oxibenzona, acabam por ser libertadas para a água do mar, onde são absorvidas pelos corais. Estas substâncias podem interferir com a reprodução dos corais e os seus ciclos de crescimento, o que poderá culminar num fenómeno conhecido como branqueamento dos corais — semelhante ao que acontece à roupa de cor quando exposta em demasia à lixívia.

ver galeria

Mesmo que não vá dar um mergulho depois de colocar o protetor solar, as substâncias químicas presentes neste serão lançadas no sistema de tratamento de águas quando tomar duche. No caso dos protetores em formato de spray, uma porção significativa do protetor acaba por cair na areia e ser absorvida diretamente pelo oceano. Todos os anos, cerca de 14 mil toneladas de protetor solar vão parar aos oceanos.

Nós, os humanos, apesar de culpados por esta contaminação, podemos ajudar a curar e fortalecer os delicados ecossistemas submarinos.

No dia 1 de maio, legisladores do Havai aprovaram medidas que banem a venda de protetores solares com oxibenzona e metoxicinamato de octilo, outro químico nocivo. O Havai é o primeiro estado a aprovar medidas deste género — e é possível que esta se venha a converter em lei no dia 1 de janeiro de, 2021.

No dia 1 de novembro, a pequena ilha-nação de Palau anunciou que também iria banir a venda de protetores solares que contivessem produtos químicos nocivos para os recifes. A república de Palau faz-se de um conjunto de ilhas imaculadas conhecidas por albergarem uma das maiores reservas marinhas do Planeta.

 

RECIFES AMEAÇADOS

Os recifes de coral espalhados pelo mundo encontram-se ameaçados pela poluição, e muitos dos que constituem destinos de férias populares são os que se encontram em situação de maior risco. Além da Grande Barreira de Coral, devido ao intenso tráfego humano nas baías do Havai, as Ilhas Virgens dos Estados Unidos e os recifes Israelitas encontram-se numa situação especialmente vulnerável.

A baía de Hanauma, um parque natural que se formou no interior de um cone volcânico, no Oahu, é um desses exemplos. A marginal azul-turquesa e o jardim de corais de cores vibrantes atraem milhões de turistas todos os anos, fazendo deste lugar um dos melhores para a prática de mergulho em apneia em todo o Havai. A baía alberga cerca de 450 espécies de peixes e a maior massa de recife de coral em todo o Oahu.

VEJA FOTOGRAFIAS: Paraíso em Oahu

A Cratera do Furacão, no Monumento Nacional do Recife de Coral da Ilhas Virgens, situada na costa da Ilha de Saint John, é outro dos lugares mais populares. Este monumento subaquático protege cerca de 35 quilómetros de habitat marinho, incluindo 30 espécies de corais. Aqui, os visitantes podem praticar snorkeling nas margens repletas de corais, peixes e invertebrados marinhos.

A Reserva Natural de Eilat Coral Beach, em Israel, é também um exemplo deste fenómeno. O Golfo de Eilat é o lar dos únicos recifes de coral do país — uma grande atração turística. Pontes construídas sobre o recife permitem aos turistas vislumbrar os corais e os peixes coloridos que este aloja. Os mergulhadores também podem nadar junto ao recife, conseguindo, assim, um olhar mais profundo sobre este cenário.

Se perdermos os recifes de coral, perdemos um ecossistema absolutamente vital. Podemos, inclusivamente, prejudicar a economia mundial — os recifes são uma forte atração turística e a principal fonte de rendimento destes destinos de férias.

PASSO-A-PASSO PARA A MANUTENÇÃO DOS RECIFES

Mesmo no advento das proibições impostas por alguns governos, existem certos tipos de protetores solares que podem ser usados. A boa notícia é que existem alternativas que não incluem substâncias químicas nocivas, e até são mais seguras — para os humanos e para os corais.

O Laboratório Ambiental Haereticus publica todos os anos uma lista de protetores solares amigos do ambiente, bem como outras organizações, como a Environmental Working Group. Protetores de base mineral, que recorrem a substâncias como o dióxido de titânio e óxido de zinco, são mais seguros e ecológicos que as alternativas à base de oxibenzona. Os protetores solares “sem nanopartículas” são mais seguros porque não podem ser ingeridos pelos corais. Alguns produtos contêm uma mistura de nanopartículas e partículas de dimensões superiores. A base de dados do Consumer Products Inventory informa-nos se o nosso protetor contem, ou não, nanopartículas.

Algumas agências de viagens de destinos populares, como o México, alertam para a obrigatoriedade de utilizar protetores solares biodegradáveis. Alguns resorts e companhias aéreas havaianos chegam mesmo a oferecer amostras gratuitas que não contêm substâncias nocivas para o ambiente. Muitas destas instituições alertam antecipadamente os seus clientes a respeito destas restrições ou disponibilizam essa informação nos seus websites.

Os dermatologistas afirmam que a roupa é tão eficaz como o protetor solar, com o único inconveniente de esta não cobrir a totalidade do corpo. Muitas são as marcas que já fabricam roupa concebida deliberadamente para proteger do sol quem a veste, tais como blusas de licra de manga comprida (semelhantes às usadas pelos surfistas) e fatos de banho de corpo inteiro. Quando tudo isto falha, vista uma t-shirt.

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com, a 20 de abril de 2018. Foi atualizado de modo a incluir as medidas recentemente anunciadas pelos governos do Havai e de Palau. 

ver galeria
Continuar a Ler