Descubra os Mistérios da Ilha de Páscoa

A civilização aborígena de Rapa Nui desenvolveu uma cultura arquitetónica e artística singular, que resistiu à passagem dos séculos.quinta-feira, 28 de junho de 2018

Por Equipa da National Geographic
Explore os Mistérios de Moai na Ilha de Páscoa
Explore os Mistérios de Moai na Ilha de Páscoa

As misteriosas estátuas moai de Rapa Nui erguem-se em silêncio, mas gritam ao vento as conquistas dos seus criadores. Os blocos de pedra, esculpidos em silhuetas com cabeça e tronco, têm, em média, quatro metros de altura e pesam cerca de 14 toneladas. O esforço para construir estes monumentos e transportá-los pela ilha deve ter sido considerável, mas ninguém sabe ao certo por que os habitantes de Rapa Nui empreenderam em tamanha tarefa. Muitos académicos acreditam que as estátuas moai foram criadas para honrar os antepassados, chefes e outras personagens importantes. No entanto, sem quaisquer escritos e atendendo à escassa tradição oral, é impossível ter a certeza.

CONHEÇA: 7 Lugares Antigos que as Pessoas Acreditam Ser Obra de Extraterrestres

Uma sociedade polinésia floresceu neste lugar improvável, após almas destemidas desembarcarem uma frota de canoas numa pequena mancha verde, que se ergue na vastidão do Oceano Pacífico. Aqui, isolados e a cerca de 3700 quilómetros oeste da América do Sul e a 1770 quilómetros da ilha vizinha mais próxima, os habitantes de Rapa Nui desenvolveram uma cultura arquitetónica e artística distinta. Essa cultura atingiu o seu apogeu durante os séculos X e XVI, quando o povo de Rapa Nui esculpiu e ergueu cerca de 900 estátuas moai, que distribuiu pela ilha.

É relativamente consensual a ideia de que o desaparecimento dos habitantes de Rapa Nui terá decorrido na sequência de uma catástrofe ambiental, para a qual contribuíram ativamente.

Não é, contudo, claro o momento em que as ilhas foram colonizadas. As estimativas apontam para um período compreendido entre 800 e 2000 d.C. Também não é clara a rapidez com que o ecossistema da ilha foi destruído, mas um fator de relevo parece ter sido o abate de milhões de palmeiras gigantes, com o propósito de limpar campos ou fazer fogueiras. É possível que as ratazanas polinésias, que acompanharam os colonos humanos, possam ter ingerido sementes suficientes que contribuíram para dizimar as árvores.

Seja como for, a perda de vegetação deixou expostos os solos vulcânicos da ilha à forte erosão, comprometendo a sua orgânica. Quando os europeus chegaram à ilha em 1722, depararam-se com uma terra árida, habitada por poucos.

Hoje os turistas acorrem à ilha em grande número, e a maioria visita a pedreira de Rano Raraku, de onde foram extraídas as pedras usadas para esculpir quase todas as estátuas moai. Os antigos habitantes de Rapa Nui deixaram a pedreira num cenário fascinante, acolhendo cerca de 400 estátuas, que surgem nas mais diferentes fases de produção.

Entretanto, ao longo de toda a ilha, muitas estátuas moai evidenciam sinais de uma deterioração progressiva e acelerada, revertendo o processo criativo, à medida que os traços das formas esculpidas se suavizam e transformam numa rocha plana. A pedra vulcânica está sujeita ao desgaste do tempo, e são necessários esforços de conservação para ajudar a preservar o legado de pedra da civilização de Rapa Nui, no seu estado atual e inspirador.

COMO CHEGAR

Para começar, é um milagre que povos polinésios tenham alguma vez alcançado a terra de Rapa Nui. Hoje, é de longe mais fácil chegar até à ilha, ainda que se situe numa zona remota. Voos de longo curso estão disponíveis a partir de Santiago, Chile e Taiti.

QUANDO VISITAR

A época alta na Ilha de Páscoa estende-se de janeiro a março, os meses de verão no hemisfério sul. Embora no inverno, as temperaturas desçam, as máximas situam-se, em média, nos 22o Celsius e as mínimas não descem além dos 14o Celsius, pelo que o clima é bastante ameno durante todo o ano. Na época baixa, o reduzido número de visitantes traz valor acrescido à visita.

COMO VISITAR

Automóveis, motociclos e bicicletas de montanha estão disponíveis para aluguer e são todos eles boas formas para explorar os locais arqueológicos dispersos pela ilha. Enquanto a maioria das pessoas visita o Parque Nacional de Rapa Nui para conhecer a história cultural do povo, a ilha acolhe excelentes lugares para a prática de mergulho, surf, assim como praias sedutoras, quando a descontração está na ordem do dia.

+ locais a visitar

Explore o Esplendor da Grande Barreira de Coral da Austrália
Video
2:14

Explore o Esplendor da Grande Barreira de Coral da Austrália

Este extenso sistema de recife de coral é um dos locais com maior diversidade biológica do planeta. Pode passar a vida inteira a explorar a Grande Barreira de Coral e ainda assim não conseguir ver todo este colorido do reino dos corais - é quase do tamanho de Montana. Com uma extensão que se prolonga pela costa leste de Queensland, na Austrália, a Grande Barreira de Coral não é um único recife, mas um grupo de mais de 2800 entidades distintas. Estende-se por 1250 milhas (2000 quilómetros) de norte a sul e cobre cerca de 135000 milhas quadradas (350000 quilómetros quadrados) no total.
Veja as Tradições Espirituais e Culturais de Laos
Video
3:01

Veja as Tradições Espirituais e Culturais de Laos

Apimentado com deslumbrantes templos, palácios e pagodes, Louangphrabang representa uma mistura de influências coloniais tradicionais de Laos e da Europa.
Veja Fortes Medievais Escondidos Entre as Montanhas do Paquistão.
Video
4:12

Veja Fortes Medievais Escondidos Entre as Montanhas do Paquistão.

Em tempos, Hunza foi governada por um príncipe, ou Mir, primeiro do forte Altit, fundado há 1000 anos e, mais tarde, do vizinho Forte Baltit, também centenário. Em ruínas no final do século XX, ambos os fortes passaram por grandes obras de restauração. Embora histórico, Hunza Valley também é socialmente avançado, com um alto nível de alfabetização no seu geral, e um foco específico em educação para meninas. Recentemente, as mulheres também começaram a praticar carpintaria, tradicionalmente um comércio dominado por homens. Um novo trabalho para a nova geração de carpinteiros têm sido as restaurações dos locais históricos ricos em madeira.
Continuar a Ler