Conheça a Rainha das Mantas

Esta bióloga na área da conservação partilha os seus lugares de eleição para observar mantas.segunda-feira, 16 de julho de 2018

Todos os anos, a National Geographic junta exploradores, cientistas e contadores de histórias de todo o mundo para partilharem as suas descobertas, visões e soluções, com o objetivo de criar um futuro mais sustentável. Saiba mais sobre o Festival de Exploradores e assista em direto ao feed do evento. Leia mais histórias de exploradores e junte-se à conversa com #NatGeoFest.

A rainha das mantas Andrea Marshall estudou estas elegantes criaturas marinhas ao longo de mais de uma década. Estabelecida na praia de Tofo, em Moçambique, a exploradora emergente da National Geographic e embaixadora das mantas partilha os seus locais de eleição – que são, por sinal, alguns dos lugares mais belos do mundo – para avistar e mergulhar com estes fascinantes habitantes do mundo marinho. Os viajantes que querem “retribuir e ajudar-nos a proteger estes seres extraordinários”, sublinha, podem tornar-se cidadãos da ciência numa das viagens organizadas pela Ray of Hope Expeditions, que Marshall fundou em 2012.

INDONÉSIA

Marshall descreve esta nação como “uma espécie de roteiro de tasquinhas pela mais absoluta diversidade de lugares para observar mantas, desde os recifes que florescem em torno de Raja Ampat à Ilha de Komodo, conhecida pelo seu dragão, e à minúscula Ilha de Nusa Penida, ao largo da costa sudeste de Bali. “A Indonésia é um país acessível a qualquer pessoa”, diz Marshall, com opções exclusivas para as carteiras mais abonadas. O país deixou de ter uma das maiores indústrias pesqueiras para passar a proteger as mantas. Em Nusa Penida, mergulhe em Manta Point, onde os corpos das mantas são limpos por pequenos bodiões-limpadores. A época das mantas mantém-se durante o ano inteiro na Ilha de Komodo e em Bali, e estende-se de dezembro a abril em Raja Ampat.

MALDIVAS

A República das Maldivas, um dos primeiros países do mundo a proteger as mantas, é invadida todos os anos, na estação das chuvas, por centenas de raias gigantes, que nadam na lagoa de Hanifaru para se alimentarem de plâncton. “Fui às lágrimas na primeira vez que assisti ao fenómeno”, diz Marshall. “A lagoa é um dos poucos lugares onde os praticantes de snorkeling podem observar grandes concentrações de mantas, cuja época, dependendo das monções, pode estender-se de maio a outubro.

MÉXICO

A cerca de 386 quilómetros ao largo do extremo sul de Baja California, o arquipélago de Revillagigedo, classificado Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, gira em torno de quatro ilhas conhecidas pelos seus locais remotos de mergulho e por alguns dos melhores avistamentos de tubarões, baleias e raias mantas gigantes.  “As mantas em torno de Revillagigedo são realmente afáveis”, diz Marshall. “E o arquipélago é uma biosfera marinha bem protegida, com centros de mergulho experientes.” A época das mantas tem início em novembro e prolonga-se até ao fim de maio.

Esta história integrou a edição de dezembro de 2017 e janeiro de 2018 da revista National Geographic Traveler.
Continuar a Ler