Viagem e Aventuras

Fotografias Deslumbrantes Captam os Cumes Mais Altos da Terra

Treze das montanhas mais altas e perigosas do mundo foram escaladas no inverno—maioritariamente por alpinistas polacos.Monday, February 18

Por Bernadette McDonald
ver galeria

Neste momento, duas equipas estão a subir pelos flancos traiçoeiros do K2, a segunda montanha mais alta do mundo, na esperança de conquistar a primeira subida de inverno desta montanha. É o último dos 14 picos do mundo com mais de 8 mil metros ainda por escalar no inverno, e um dos maiores prémios ainda não reivindicados do alpinismo.

O conceito de escalada de inverno a grandes altitudes nasceu na Polónia, foi cultivado na Polónia e, durante anos, foi dominado por alpinistas polacos. Parecia ser um legado polaco. Mas os legados começam sempre algures e, neste caso, foi com um homem – Andrzej Zawada. O carismático Zawada era um respeitado líder de expedições polacas às regiões altas, nas décadas de 1970 e 1980, e a sua reputação estava intimamente ligada ao inverno.

Uma vez perguntei-lhe: “Sr. Zawada, porque é que prefere escalar os Himalaias no inverno, quando o verão é muito mais agradável? ”Ele olhou aristocraticamente para baixo, para a minha estatura diminuta, e disse: “Porque os Himalaias no verão é para as mulheres! ”

A verdadeira razão para ele se concentrar na estação mais fria era muito mais complexa e estratégica do que o seu comentário inapropriado.

Depois da Segunda Guerra Mundial rebentar em 1939, as escaladas aos Himalaias foram interrompidas. Mas a interrupção durou muito mais tempo para a Polónia do que para outros países, graças ao poder de estrangulamento do regime soviético. Enquanto os polacos suportavam o regime comunista, todos os 14 cumes de 8 mil metros foram escalados. Os franceses começaram com o Annapurna em 1950 e os chineses terminaram o trabalho em Shishapangma em 1964.

Zawada conhecia a história e conhecia o potencial dos alpinistas polacos, que treinavam nos Tatras, tanto no inverno como no verão. Ele concebeu uma nova e dramática forma para os alpinistas polacos se posicionarem na arena dos Himalaias de picos de 8 mil metros: o seu legado seria o inverno.

Primeiro dirigiu-se ao Hindu Kush para testar a sua estratégia. Quando a sua equipa conseguiu subir a montanha mais alta do Afeganistão – Noshaq de 7492 metros – no inverno, sentiu confiança para sonhar mais alto. A sua primeira tentativa nos Himalaias foi a montanha de Lhotse, onde atingiu os 8 mil metros, mas não o cume. No entanto, a sua visão nunca vacilou. Em 1979, Zawada liderou uma equipa polaca até ao topo da montanha mais alta da Terra no inverno. Os "Guerreiros do Gelo" estavam lançados.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com

Continuar a Ler