O que É ‘Friluftsliv’? – Como Um Conceito de Vida ao Ar Livre nos Pode Ajudar Neste Inverno

Saia de casa, diz um conceito norueguês que promete ajudar a tolerar os meses mais frios durante a pandemia.

Thursday, September 24, 2020,
Por Jen Rose Smith
O conceito de friluftsliv, ou vida ao ar livre, incentiva aventuras na natureza para todas as ...

O conceito de friluftsliv, ou vida ao ar livre, incentiva aventuras na natureza para todas as idades, em todos os climas. Mina Floriana Read e o seu pai, Alexander, exploram regularmente os campos da Noruega, como o Parque Nacional Dovrefjell-Sunndalsfjella.

Fotografia de Alexander Read

Quando era bebé, Mina Floriana Read já era uma talentosa caçadora de trolls.

Mina aprendeu com o seu pai, Alexander Read, que a ajuda a procurar “criaturas mitológicas” nas suas caminhadas pelos campos da Noruega. Alexander gosta de equipamentos robustos para as caminhadas; mas Mina, agora com quase cinco anos, costuma preferir um tutu cor-de-rosa.

Os dois já fizeram sérias expedições juntos, incluindo uma caminhada de 57 dias durante o inverno, quando Mina tinha apenas dois anos. Ao longo do caminho, ganharam um prestigiado prémio de natureza selvagem da Noruega. Na sua curta vida, Mina já passou mais de 300 noites a dormir numa tenda.

Na Noruega, isto não é tão invulgar como pode parecer em outros países. A família Read está simplesmente a seguir o conceito friluftsliv, que se pode traduzir para “vida ao ar livre” e que está profundamente enraizado na tradição do país.

Desde o remoto Ártico até à cidade urbana de Oslo, friluftsliv significa o compromisso de celebrar o tempo que se passa ao ar livre, independentemente das previsões meteorológicas. “É a coisa mais natural para mim, porque sou norueguês”, diz Alexander, que documenta as suas jornadas de pai e filha no Instagram.

Este conceito é tão norueguês quanto o esqui cross-country e aquavita. Mas durante uma pandemia que altera os ritmos de vida quotidiana pelo mundo inteiro, o friluftsliv também pode ser um modelo para tolerar com mais segurança – e de forma saudável – a próxima estação de inverno no hemisfério norte.

Inspiração norueguesa
Apesar de as medidas iniciais de confinamento terem conseguido manter o número de casos de coronavírus na Noruega relativamente baixo (menos de 14 mil até agora), o país registou recentemente alguns picos. Isto faz com que os noruegueses procurem as suas tradições de vida ao ar livre para saírem dos espaços confinados onde o vírus se transmite mais facilmente.

Uma atitude positiva e roupas adequadas às condições atmosféricas são essenciais para uma boa aventura ao ar livre, diz Alexander Read, que aparece nesta imagem com Mina Floriana Read no Parque Nacional Rondane da Noruega.

Fotografia de Lars Petter Skillestad

Mas esta família não está sozinha. Durante os meses de verão, pessoas do mundo inteiro preferiram uma vida ao ar livre. Os americanos ficaram de repente obcecados pelo campismo. Na capital da Lituânia, Vilnius, as ruas e praças transformaram-se num vasto café ao ar livre. Os professores na montanhosa Caxemira começaram a dar aulas ao ar livre, onde os alunos estudam com os cumes serrilhados dos Himalaias em pano de fundo.

Mas o inverno está a chegar, e estas aventuras longe da pandemia podem trazer consigo uma constipação. Isto faz com que algumas pessoas avaliem a escolha entre o risco de infeção nos espaços fechados ou passar uma longa estação de inverno em relativo isolamento.

O friluftsliv norueguês oferece uma alternativa cheia de inspiração para resistir à época mais fria do ano. Tal como a palavra hygge estimulou o interesse mundial por velas e cobertores felpudos, o friluftsliv prova que a mentalidade correta pode transformar a forma como vivemos o nosso mundo.

Uma forma de vida
Friluftsliv é mais do que uma simples atividade, é uma forma de vida”, diz Lasse Heimdal, secretário-geral da Norsk Friluftsliv, uma organização que representa 5 mil grupos de atividades ao ar livre na Noruega. “Está muito ligado à nossa cultura e ao que significa ser norueguês.”

O dramaturgo norueguês Henrik Ibsen é geralmente considerado o inventor do termo friluftsliv no poema de 1859 On the Heights, que narra a jornada de um ano de um agricultor pela natureza. No fim do poema, o protagonista abandona a civilização para sempre.

Mas Lasse Heimdal diz que friluftsliv não é apenas para atletas radicais ou exploradores mais arrojados. Friluftsliv também pode significar longos passeios com amigos, piqueniques, um passeio de bicicleta ao final do dia ou passear o cão numa manhã fria. Existe até uma palavra especial, utepils, para beber uma cerveja ao ar livre.

“A maioria das pessoas acredita que isto é saudável, é social”, diz Lasse. “É uma espécie de pausa dos telemóveis e computadores... estar ao ar livre e na natureza, é um dos melhores lugares para relaxar.”

Quociente de felicidade
O friluftsliv pode ajudar a explicar a invejável classificação da Noruega entre os países mais felizes do mundo. (No Relatório Mundial de Felicidade 2020 da ONU, a Noruega ficou em quinto lugar. Os centros noruegueses de Bergen e Oslo estão entre as dez cidades mais felizes do mundo.)

Os especialistas já sabiam que passar tempo ao ar livre nos deixa felizes. De acordo com um artigo de 2019 publicado na revista Nature, passar apenas duas horas por semana em ambientes naturais, como parques ou zonas verdes, aumenta o nosso bem-estar.

O conceito de friluftsliv tem uma vantagem natural durante uma pandemia. Enquanto desfrutam do ar livre em climas frios, as pessoas podem evitar os espaços confinados onde o vírus se propaga mais facilmente.

Fotografia de Stanislaw Pytel, Getty Images

Os benefícios vão para além de um bom estado de espírito. Passar tempo ao ar livre também pode ajudar a curar o tipo de dor e de traumas que surgem à medida que o vírus se propaga pelas comunidades do mundo inteiro. No passado, os surtos de doenças deixaram muitas pessoas a lutar contra o transtorno de stress pós-traumático e os especialistas alertam que esta pandemia pode fazer o mesmo.

Para os que estão traumatizados pela COVID-19, um pouco de friluftsliv pode ser uma receita eficaz. Os veteranos militares que lidam com stress pós-traumático encontraram alívio em terapias auxiliadas pela natureza, terapias que variam desde jardinagem a rafting. E algumas terapias que visam a perda e o luto também procuram alívio no mundo natural.

Mude de roupa – e de mentalidade
Apesar da impressionante beleza natural da Noruega, nem sempre é fácil para os noruegueses quando se trata de sair. Mesmo durante o verão, os dias de chuva podem alagar os campos. No norte, o inverno esconde o sol durante uma longa noite polar. Mas se alguém se queixar do tempo a um norueguês, provavelmente vai ouvir um ditado alegre: “Não há mau tempo, apenas roupas más!” (Em norueguês, rima.)

E os noruegueses também têm mais do que ceroulas e gorros de lã para se protegerem dos elementos. Têm o que a psicóloga de saúde da Universidade de Stanford, Kari Leibowitz, chama de “mentalidade positiva de inverno”.

Adotar o conceito de friluftsliv não significa fazer expedições exigentes; pode ser tão simples quanto uma caminhada em família por um bosque nas proximidades.

Fotografia de Jure Gasparic, Alamy Stock Photo

Uma pessoa com esta atitude “vê as oportunidades da estação”, diz Kari, que aprendeu a conviver com o escuro e o frio quando passou um ano na Noruega, na cidade ártica de Tromsø. “Na Noruega, isto foca-se muito em estar ao ar livre, mesmo quando está frio, chuva ou neve.”

Embora os estudos demonstrem que a falta de luz diurna pode provocar depressão sazonal em muitos lugares de latitudes elevadas, os habitantes de Tromsø parecem na verdade muito felizes com a sua vida a 69 graus do hemisfério norte. Para Kari, é uma prova de que o que pensarmos sobre o inverno – a nossa mentalidade – pode transformar a experiência que temos.

As mentalidades podem ser muito maleáveis. Tendo crescido em Jersey Shore, Kari receava o inverno. E apesar do tempo que passou em Tromsø não a ter propriamente transformado numa exploradora do Ártico, Kari viu a sua própria perspetiva mudar com o passar do tempo.

O conselho de Kari? Procurar e falar sobre algo de que se goste no inverno, mesmo que seja apenas para dizer que a neve é bonita. “Quando dizemos algo em voz alta, mudamos a forma como pensamos sobre isso”, diz Kari.

Dar o primeiro passo
No recente livro Friluftsliv: Connect With Nature the Norwegian Way, o autor Oliver Luke Delorie oferece um vasto olhar sobre como se podem encontrar maravilhas e um sentido de lugar, seja a brincar na neve ou a observar uma tempestade.

Não é preciso começar de forma ambiciosa. Com a pandemia, canalizar um pouco de friluftsliv pode significar uma caminhada durante um dia de chuva, ou preparar um piquenique de inverno no parque. As reuniões de trabalho também se podem fazer ao ar livre, e o Google Maps também pode indicar os espaços verdes nas proximidades. (Lembre-se de praticar o distanciamento social e de cumprir todas as diretrizes locais relacionadas com a COVID-19.)

Oliver Delorie sugere que se olhe para o clima invernal como uma forma de ligação com o mundo que nos rodeia. “O clima é um fenómeno maravilhoso”, diz Oliver. “Preste atenção aos elementos e vai ver como começa a apreciar onde está no espaço e no tempo.”

As pessoas que têm acesso a áreas realmente selvagens, devem procurar esses lugares. Por outro lado, também se podem encontrar pedaços de natureza e beleza inseridos na paisagem urbana em torno da nossa casa. “Abra a porta, saia e respire fundo”, escreve Oliver na introdução do livro. Depois, diga: “Vou frilufts-viver.”


Este artigo foi publicado originalmente em inglês no site nationalgeographic.com.

Continuar a Ler