Porque é Que as Pessoas Arriscam a Vida Atrás de um Queijo?

Todas as primaveras em Gloucestershire, no Reino Unido, um conjunto de pessoas competem por um queijo local, que perseguem, lançando-se encosta abaixo.quarta-feira, 4 de julho de 2018

Por James Burch

Nos arredores da cidade de Gloucester, em Inglaterra, no extremo da região pitoresca de Cotswolds, ergue-se a aldeia de Brockworth.

E apenas a alguns metros de distância da aldeia, situa-se a encosta de Cooper, que é célebre no mundo por três razões ligadas entre si:

Um. Todos os anos, no feriado de Spring Bank, no Reino Unido, são lançados encosta abaixo vários exemplares do queijo Double Gloucester a 113 quilómetros por hora.

Dois. Atrás de cada queijo, segue uma multidão de concorrentes, que se lançam encosta abaixo, numa correria desenfreada. Admite-se que alguns dos participantes possam não estar totalmente sóbrios. Os estilos de corrida incluem rebolar a torto e a direito e tentativas de corrida, com muitas quedas pelo meio.

Três. Muitas pessoas assistem à competição e umas quantas filmam o desafio semiatlético, com um nível ridiculamente elevado de lesões.

O campo, que se estende por 183 metros encosta abaixo, tem uma inclinação de 50% e o piso é irregular e por vezes escorregadio.

O Double Gloucester é um queijo de pasta dura, com um sabor amanteigado, e é lançado encosta abaixo com um segundo de avanço relativamente aos concorrentes.

Os queijos para as corridas de homens e mulheres pesam quase quatro quilos. O queijo usado na corrida para crianças, menos perigosa, é lançado colina acima e pesa quase dois quilos.

Cada corrida decide-se em segundos.

O evento fez parte, em tempos, de um wake oficial, o termo local para designar um festival.

Mas o concurso Cooper's Hill Cheese-Rolling ainda não foi reconhecido oficialmente desde 2010, porque o número crescente de visitantes levanta preocupações no âmbito da segurança. Por exemplo, as multidões podem bloquear o acesso das ambulâncias necessárias ao transporte dos concorrentes feridos na sequência da corrida.

A primeira corrida de queijo em Gloucestershire de que há registo realizou-se em 1826, embora se admita que a tradição remonta a tempos mais antigos e possa até ter tido um propósito de algum género, o qual tem sido amplamente debatido. Talvez parte de um ritual de fertilidade? Ou algo a ver com a pastagem do gado?

Segundo um testemunho partilhado pela BBC, que se manteve neutra quanto ao rigor da afirmação, em tempos passados, o festival incluía também eventos de luta livre por um cinturão e um concurso de pontapés nas canelas.

Ao longo dos tempos, o Cheese-Rolling eclipsou largamente outros passatempos, atraindo participantes e espetadores de todas as partes do mundo e também um aviso das autoridades policiais a um produtor de queijos suspeito de tentativa de distribuição. Em 2013, a competição fez-se com recurso a queijos falsos, após Diana Smart, de 86 anos, fornecedora de longa data do queijo Double Gloucester de fabrico artesanal, ter sido informada de que podia incorrer em sanções pelas lesões sofridas pelos participantes durante a corrida. Porém, o queijo verdadeiro voltou à competição seguinte.

À semelhança de anos anteriores, na corrida de 2018, ninguém conseguiu, realmente, apanhar o queijo em movimento, um feito considerado impossível. E, à moda de tempos antigos, as pessoas também se magoaram.

Mas a Cooper's Hill Cheese-Rolling deste ano não foi uma competição comum.

Em 2018 fez-se história.

CAMPEÃO ROLANTE?

Chris Anderson, de 30 anos, tornou-se no corredor de queijo mais bem-sucedido de sempre, tendo alcançado o maior número de queijos na história da competição e nos 14 anos em que participa no evento. Ao longo da sua carreira competitiva, Anderson sofreu várias lesões, que incluíram um traumatismo craniano, lesões renais e uma fratura do tornozelo. Numa entrevista passada, o menino dos olhos de Brockworth, a terra natal de Anderson, afirmou que a corrida “lhe estava no sangue”.

Anderson referiu que tentar manter-se em pé é a estratégia-chave para alcançar com sucesso os discos rolantes, ricos em caseínas. Com um total de 22 queijos no registo, Anderson expressou a sua satisfação pelo recorde alcançado.

Mas Anderson, um soldado do Exército Britânico, tinha um sério propósito para a patética proeza de perseguir queijos.

Segundo o The Independent, o campeão do queijo de todos os tempos planeou leiloar o queijo para angariar fundos para a Joseph's Goal, uma organização que financia a investigação de uma rara perturbação de desenvolvimento infantil, denominada hiperglicinémia não cetótica.

Provavelmente, Anderson terá comido pouco ou nada das suas conquistas. Ele não aprecia o queijo Double Gloucester ou qualquer outro queijo, exceto o cheddar, uma variante que leva o nome da aldeia situada a 64 quilómetros a sudeste e na qual não se conhece à data a existência de corridas de perseguição de queijos.

Flo Early, de 27 anos, foi a vencedora da competição feminina deste ano, tendo comparecido perante a imprensa por breves minutos, antes de seguir para o Hospital Real de Gloucestershire, com uma deslocação do ombro diagnosticada.

Continuar a Ler