Porque é Que Estas Meninas São Forçadas a Descer ao Fundo de Um Poço?

Um pequeno vídeo revela a dura realidade das meninas de uma aldeia, na Índia, forçadas a descer ao interior de poços, alguns com mais de 12 metros de profundidade, para encher baldes com água contaminada. segunda-feira, 16 de julho de 2018

Quando Kajal Lodha e as outras aldeãs precisam de água, sabem que têm pela frente um longo caminho a percorrer e uma descida arriscada.

As gentes da aldeia em Madhya Pradesh, na Índia, percorrem, diariamente, vários quilómetros, sob um sol abrasador, para encontrar um poço com água. Muitos poços na Índia secaram com o calor do verão, pelo que a tarefa de encontrar um poço com água adivinha-se muitas vezes difícil.

Os poços têm mais de 12 metros de profundidade, e a água no seu interior está muitas vezes contaminada pela presença de vermes e outros micro-organismos, apresentando uma coloração esbranquiçada. As populações fervem a água recolhida para beber e usar na alimentação.

As raparigas da aldeia descem pelas pedras das paredes do poço, com pouco ou nenhum equipamento, apoiando as pontas dos pés nas reentrâncias entre as pedras e, por vezes, em barras de ferro, que usam como degraus de uma escada. Quando alcançam o fundo do poço, recolhem a água em baldes presos a cordas, que são puxados por mulheres, que aguardam à superfície. Se o pé lhes foge a meio do trajeto, as raparigas caem desamparadas no fundo do poço. Lodha, com 28 anos, disse numa entrevista que uma menina de uma aldeia vizinha fraturou a perna, após cair no fundo de um poço, no mês passado, enquanto subia à superfície.

Situações como esta não acontecem apenas na aldeia de Lodha. Um pouco por toda a Índia, milhões de pessoas sentem os impactos da pior crise de água potável na história do país. O Instituto Nacional para a Transformação da Índia, ou na sigla inglesa NITI Aayog, um grupo de reflexão governamental, revelou num relatório publicado em meados de junho que cerca de 200 000 pessoas morrem diariamente na Índia, em virtude da falta de acesso a água potável, prevendo-se o agravamento da crise nos próximos anos.

O relatório do NITI Aayog revela que em 2030 a procura de água potável na Índia será duas vezes superior à oferta, e que centenas de milhões de pessoas, à semelhança dos habitantes da aldeia de Lodha, debater-se-ão com situações extremas de escassez de água.

O NITI Aayog defende que novos dados podem contribuir para sensibilizar o público para esta dura realidade, e que a cooperação entre estados indianos é essencial na resolução do problema. O relatório do grupo de reflexão afirma que a gestão da água é vista pelos estados como uma competição, tendo-se registado recentemente sete litígios relativos à disputa de águas fluviais, que envolveram quase metade dos 29 estados indianos.

Continuar a Ler